quarta-feira, 22 de junho de 2016

Atrasos salariais: bombeiros pedem socorro aos comandos

Os atrasos nos salários dos servidores da rede estadual do Rio começam a pesar no bolso dos bombeiros, novamente. Os agentes da corporação estão informando aos seus superiores da dificuldade financeira no deslocamento das suas residências até os seus postos de trabalho. Nesta quarta-feira (22/6), os pedidos de ajuda começaram a surgir nos gabinetes dos comandantes do Corpo de Bombeiros e alguns deles tomaram a iniciativa de enviar viaturas para buscar os servidores que residem próximo aos quartéis, temendo por ausências em seus efetivos.

Pedido de ajuda de bombeiros começa a chegar aos comandos. Foto: Reprodução

  
Em abril, quando o governo do Rio parcelou os pagamentos dos servidores estaduais, o cabo dos bombeiros Altamir Cruz caminhou mais de 20 km - da Ilha do Governado, na zona Norte, até a subida da Ponte Rio-Niterói, na zona Portuária - como alternativa para não faltar ao seu plantão. Cabo Cruz avisou ao seu comando que não tinha recurso financeiro para pagar a passagem de ônibus e, na negativa de uma ajuda da corporação, optou por ir andando até o quartel de Copacabana, na zona Sul carioca, uma distância de 30 km. Cruz foi resgatado por uma viatura da Corregedoria dos Bombeiros quando tentava acessar a Ponte. Na mesma semana, centenas de bombeiros fizeram um ato na Ilha do Governador em favor ao cabo andarilho, que estava ameaçado de punição disciplinar.

Na semana seguinte, os cabos do Corpo de Bombeiros Felipe Aguiar e Ângelo, caminharam mais de 55 km em sete horas, de Xerém, na Baixada Fluminense, até a entrada do túnel Rebouças, na Zona Sul do Rio pelo mesmo motivo: não tinham recebido parte dos seus salários e estavam sem dinheiro para as passagens. O destino final dos agentes era o 3º Gmar, em Copacabana, na zona Sul, onde trabalham, mas eles foram resgatados por uma viatura da corporação na entrada do Rebouças. 



Risco de punição

Os episódios dos bombeiros andarilhos em nada agradou os comandos dos quartéis e acirrou ainda mais a situação caótica dos servidores estaduais com os seus salários atrasados.  O receio de punições disciplinares dirigidas aos bombeiros que caminharam para trabalhar fez o vereador Marcio Garcia (REDE) entrar com um pedido de Habeas Corpus preventivo na Justiça em favor do Cabo Cruz. 

“É um absurdo a situação chegar neste ponto. As pessoas só querem um mínimo de dignidade para cumprir com a rotina de trabalho dos bombeiros”, disse o parlamentar na época.



Um comentário:

  1. IMPEACHEMNT JÁ!!!
    INTERVENÇÃO JÁ!!!
    QUALQUER COISA PARA TIRAR O PMDB DO GOVERNO, INCLUSIVE O PRESIDENTE DA ALERJ QUE ESTÁ CONIVENTE COM ESSA SACANAGEM TODA. ACORDEM MUSPE VAMOS AGIR IMEDIATAMENTE!!!!
    ENTREM COM PEDIDO NO STF!!!
    O JUDICIARIO ESTADUAL ESTÁ OMISSO!!!

    ResponderExcluir