quinta-feira, 7 de abril de 2016

Senhora envia carta e dinheiro para bombeiro que saiu a pé para trabalhar

Após o episódio ocorrido na manhã desta quinta-feira (7/4) envolvendo o bombeiro identificado como cabo Cruz, que saiu em caminhada da Ilha do Governador, na zona Norte do Rio de Janeiro, tendo como destino o bairro de Charitas, em Niterói, região Metropolitana, por não ter dinheiro para pagar a passagem até o quartel na qual foi escalado para trabalhar, um ato de gratidão e solidariedade surpreendeu a categoria. Uma senhora, que não teve a identidade revelada, deixou um envelope contendo uma carta e dinheiro no quartel da Ilha, destinado ao Cabo Cruz, como forma de ajuda financeira ao agente. 

A senhora apenas comentou que sofreu um problema de saúde há pouco tempo e foi socorrida pelos agentes da corporação com grande eficiência e, por isso, tinha gratidão. Na quarta-feira (6), o cabo Cruz, que é lotado no quartel da Ilha do Governador, comentou com o vereador Marcio Garcia (Rede) sobre as dificuldades provocadas pelos atrasos salarias. "Precisamos encontrar uma solução, não estamos mais aguentando esta situação [atraso salarial]", afirmou o bombeiro.


Garcia se mostrou indignado com o episódio envolvendo um cabo do Corpo de Bombeiros. Na tribuna da Câmara, o parlamentar manifestou o seu apoio ao profissional, que, como tantos outros no Estado neste momento, estão sendo prejudicados pela situação financeira registrada. Com salários atrasados e, até mesmo, parcelados, os servidores têm encontrado dificuldades no seu dia a dia para cumprir as atividades mais básicas.

O ato extremo foi tomado pelo bombeiro depois de ele ser comunicado, compulsoriamente, de que teria que se apresentar em Charitas no dia seguinte. Cabo Cruz chegou a ponderar com o comando do grupamento de que não tinha recursos para arcar com a passagem até o local, mas ouviu como resposta que ele deveria, de qualquer forma, comparecer no horário e dia informados, ou seja, nesta quinta-feira. “Nessa atitude desesperada, para nossa surpresa, o comando da corporação, ao invés de oferecer ajuda, enviou um carro da sua corregedoria para efetuar a prisão deste militar”, criticou Garcia, em plenário. 
O receio do parlamentar agora é que o bombeiro seja punido pelo ato solitário e de coragem que tomou. Ele ponderou que, por sorte, e também pela cobertura intensa da imprensa, o caso ganhou as ruas, e, ao menos por enquanto, o profissional ainda não foi punido. “Esta é mais uma página triste deste momento tão complicado que nosso país e, principalmente nosso Estado, está vivendo. Infelizmente, mais um caso de desespero registrado nessa cidade”, lamentou o vereador. 
Marcio Garcia destacou que os servidores públicos municipais, policiais e bombeiros recebem apenas R$ 100 por mês para seu deslocamento. “Trago esse destaque para a Câmara para que a gente veja o ponto em que chegamos, de bombeiros estarem sob risco de serem punidos por irem trabalhar a pé, porque nem dinheiro para seu deslocamento ou alimentação diária eles têm”. O parlamentar chegou a ser contatado pelo bombeiro na quarta-feira, horas antes dele tomar a medida de sair caminhando para o seu trabalho. Na oportunidade, o profissional se mostrava já desesperado pela falta de perspectivas com os constantes atrasos no salário da categoria e, também, com a perda de benefícios. 
O vereador, que ofereceu apoio jurídico ao profissional, ainda questionou, em tom de revolta: “será que chegamos ao ponto em que o nosso servidor vai ter que passar fome para gente ver o Rio de Janeiro sediar uma Olimpíada?” Marcio Garcia tem sido um crítico contumaz do destino que tem sido às verbas públicas tanto por parte do governo municipal quanto do Estado. Ele destacou que, neste momento de crise, o governo ainda prioriza mais as Olimpíadas do que arcar com os serviços básicos, como saúde, segurança e educação.

3 comentários:

  1. Pior que ir trabalhar a pé é ter uma jornada de trabalho de 24 x 24 por que os bombeiros estão sendo escalados compulsoriamente no prog. Prog este que era remunerado.

    ResponderExcluir
  2. Somos um corpo que o governo está querendo destruir a troco de que?

    ResponderExcluir
  3. Família,Coração e Amor ao próximo,prog compulsório e sem aumento,estão escalando na segunda folga.Tamojunto Vereador,pois tudo agora é transgressão,até não ter dinheiro para a passagem e muito menos para a subsistência de nossas Famílias,o desespero é quase que geral Vereado.

    ResponderExcluir