quinta-feira, 7 de abril de 2016

Marcio Garcia se solidariza com bombeiro que se deslocou a pé para o trabalho

O vereador Marcio Garcia (REDE) se mostrou indignado com o episódio envolvendo um cabo do Corpo de Bombeiros nesta quinta-feira. Lotado no grupamento da Ilha do Governador, mas designado para se apresentar no dia seguinte em Charitas, a 30 km de distância, o cabo Cruz tomou uma decisão desesperada: sem dinheiro para se deslocar até o trabalho, decidiu ir até seu destino a pé.

Marcio Garcia ocupou a tribuna da Câmara para manifestar seu apoio ao profissional, que, como tantos outros no Estado neste momento, estão sendo prejudicados pela situação financeira registrada. Com salários atrasados e, até mesmo, parcelados, os servidores têm encontrado dificuldades no seu dia a dia para cumprir as atividades mais básicas.

       
   Sem dinheiro para passagem, cabo do Corpo de Bombeiros decidiu ir a pé até grupamento                                                          em que iria se apresentar, a 30 km de distância



O ato extremo foi tomado pelo bombeiro depois de ele ser comunicado, compulsoriamente, de que teria que se apresentar em Charitas no dia seguinte. Cabo Cruz chegou a ponderar com o comando do grupamento que não tinha recursos para arcar com a passagem até o local, mas ouviu como resposta que ele deveria, de qualquer forma, comparecer no horário e dia informados, ou seja, nesta quinta-feira. “Nessa atitude desesperada, para nossa surpresa, o comando da corporação, ao invés de oferecer ajuda, enviou um carro da sua Corregedoria para efetuar a prisão deste militar”, criticou Garcia, em plenário.

O receio do parlamentar, que é major do Corpo de Bombeiros, é que o profissional seja punido pelo ato solitário e de coragem que tomou. Ele ponderou que, por sorte, e também pela cobertura intensa da imprensa, o caso ganhou as ruas, e, ao menos por enquanto, o cabo Cruz ainda não foi punido. “Esta é mais uma página triste deste momento tão complicado que nosso país e, principalmente nosso Estado, está vivendo. Infelizmente, é mais um caso de desespero registrado nessa cidade”, disparou o vereador.

Marcio Garcia destacou que os servidores públicos policiais e bombeiros recebem apenas R$ 100 por mês para seu deslocamento. “Trago esse destaque para a Câmara para que a gente veja o ponto em que chegamos, de bombeiros estarem sob risco de serem punidos por ir trabalhar a pé, porque nem dinheiro para seu deslocamento ou alimentação diária eles têm”.  

Marcio Garcia chegou a ser contatado pelo bombeiro na quarta-feira, horas antes dele tomar a medida extrema. Na oportunidade, o profissional se mostrava já desesperado pela falta de perspectivas com os constantes atrasos no salário da categoria e, também, com a perda de benefícios.

   
O vereador, que ofereceu apoio jurídico ao profissional, questionou, em tom de revolta: “será que chegamos ao ponto em que o nosso servidor vai ter que passar fome para vermos o Rio de Janeiro sediar uma Olimpíada?”  Marcio Garcia tem sido um crítico contumaz do destino que tem sido às verbas públicas tanto por parte do governo municipal quanto do Estado. Ele destacou que, neste momento de crise, os governos ainda priorizam mais as Olimpíadas do que os serviços básicos, como saúde, segurança e educação.

Salário só no dia 14
O governo do Rio decidiu a data de pagamento do mês de março do funcionalismo estadual. A quitação dos vencimentos será feita apenas no dia 14 de abril. Os rumores são de que haverá parcelamento dos salários, mas esta definição só seria oficializada nesta sexta-feira.  Antes do início da crise financeira que atinge todos os órgãos do governo estadual, os pagamentos eram realizados, regularmente, no dia 5 de cada mês.


Nenhum comentário:

Postar um comentário