quarta-feira, 20 de abril de 2016

Fonte revela: Dornelles está com Alzheimer

Uma fonte ligada ao Palácio Guanabara, sede do governo no Rio de Janeiro, revelou esta semana que o governador em exercício Francisco Dornelles (PP), 81 anos, passou por exames que comprovaram que ele está com mal de Alzheimer. De acordo com a fonte, a bateria de exames clínicos foram feitos no início deste ano, quando Dornelles esteve internado no Pró-Cardíaco, na zona Sul do Rio. No mesmo hospital se encontra em tratamento o governador do Estado Luiz Fernando Pezão (PMDB), diagnosticado com câncer, em março. As denúncias foram reveladas ao vereador Marcio Garcia (Rede), que considerou o caso grave, tanto para a população quanto para o político.

Segundo a fonte, a família de Dornelles é contra ele assumir o cargo no momento em que está submetido a um delicado tratamento, mas o vice-governador não encontrou outro caminho a não ser aquele traçado pelos líderes do seu partido e do PMDB de Pezão. A crise financeira no Estado, somado à conjuntura turbulenta do cenário nacional, tem interferido diretamente na gestão peemedebista no Rio, que está à beira de um impeachment reivindicado pelo funcionalismo público, que está com salários atrasados e sem condições de trabalho. 

Para complicar a gestão do partido no Rio, a saúde de Pezão não anda nada bem e, as novas revelações envolvendo Dornelles e suas condições de trabalho, podem forçar uma nova eleição para governador, com uma provável derrota do partido. Este pode ser o maior temor dos caciques peemedebistas neste momento conturbado. E na ausência do governador durante o período de transição para um novo pleito, quem assume a cadeira no Guanabara é Jorge Picciani (PMDB). 

A fonte revelou ainda para Garcia que a intenção de Picciani e toda a cúpula do PMDB seria pressionar Dornelles para levar a sua gestão até o final do ano, assim em 2017 seria realizada a eleição indireta na Alerj, como manda a legislação eleitoral, e onde o partido teria vitória garantida.

O portal entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do Palácio Guanabara, que afirmou desconhecer que o governador em exercício esteja com qualquer tipo de doença grave, inclusive Alzheimer. A assessoria disse ainda que Dornelles tem despachado normalmente e cumprido toda a sua agenda de compromissos. A agenda externa tem sido evitada em função de decisões ligadas à crise e aos servidores da rede no próprio gabinete. 

Governador em exercício Francisco Dornelles. Foto: Agência Senado


Canetada polêmica

Uma das decisões mais polêmicas do governo PMDB no Rio aconteceu há uma semana, na gestão de Francisco Dornelles. A batida de martelo levou ao corte dos benefícios de aposentados e pensionistas da rede estadual, o que gerou grande revolta popular e uma enxurrada de ações no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) contra o Estado. Na Alerj, até deputados peemedebistas assinaram um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) criado para desautorizar o governo a pagar a dívida junto à União, em prol dos salários dos servidores da rede.     

Nesta terça (19) um grupo de servidores inativos protocolou pedido de cassação do governador Pezão e de Dornelles no Ministério Publico (MP-RJ), na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) e na Alerj. A ação destaca possíveis erros cometidos pelo governo com o funcionalismo. Os inativos e pensionistas ainda não receberam a última parcela do 13º salário, que deveria ter sido depositada no dia 18. 

Com as ações impetradas pelas categorias da rede, o TJ-RJ determinou esta semana que o Estado deveria depositar os benefícios dos aposentados e pensionistas até às 15h30 desta quarta (20), caso contrário, teria as suas contas bloqueadas no valor de R$ 1 bilhão, quantia necessária para remunerar os 143 mil aposentados e pensionistas. Até às 18 horas desta quarta (20) o Executivo ainda não havia cumprido a determinação. 

Cerca de 50 servidores estaduais, ativos e inativos, fizeram um panelaço na manhã desta quarta (20) em frente ao Palácio Guanabara. O grupo revindica o pagamento dos salários atrasado há três meses. 

Sobre a doença


O portador do mal de Alzheimer pode ter as suas atividades rotineiras comprometidas. Dependendo do estágio de evolução da doença, o paciente pode ter a sua capacidade de decisão prejudicada e, para continuar nas funções profissionais, deve passar por uma avaliação junto ao seu médico. 

O Alzheimer é a doença mais comum na terceira idade, especialmente a partir dos 60 anos. Seu principal sintoma é a perda de memória, mas também pode vir acompanhada de outras enfermidades degenerativas. Como é uma disfunção que evolui com o passar dos meses e anos, alterações no comportamento social e novas mazelas são comuns surgirem de forma gradativa. O tratamento tem como principal pilar os estímulos neurais, através de terapia ocupacional. 

O neurologista Fabrício Hampshire, que atua na Rede D'Or no Rio de Janeiro, explica que o alzheimer não é diagnóstico facilmente e seu desenvolvimento no ser humano não acontece como uma "receita de bolo". "Algumas tarefas, com o tempo, fica difícil do paciente realizar. Como se vestir, reconhecer objetos e suas funções e até reconhecer rostos de pessoas próximas, dentre outras práticas avaliadas do ponto de vista cognitivo", diz o médico.

No caso de uma pessoa que trabalha com tomadas de decisão, por exemplo, o neurologista frisa que o juízo crítico pode ser acometido com o passar do tempo e evolução da doença. Pegando como exemplo o presidente de uma empresa, Hampshire comenta que o profissional vai precisar cada dia mais da ajuda de assessores para lembras dos seus compromissos, locais onde documentos foram guardados e até casos tratados recentemente. 

A evolução da doença é outro fator variável que depende da reação do organismo de cada portador ao tratamento. "A perda da capacidade laborativa é algo complexo de avaliar, deve acontecer entre paciente e médico com o acompanhamento do tratamento. Com o tempo, o portador pode chegar ao ponto de perder a sua capacidade cerebral de forma global, não se conectar mais com a realidade", conta o neurocirurgião Rodrigo Tragante, membro da Sociedade de Neurocirurgia do Rio de Janeiro. O médico salienta ainda que as atividades profissionais que promovem desequilíbrio emocional ao paciente, com grande nível de pressão e estresse, pode acelerar a evolução da doença.

4 comentários:

  1. e o pagamento do mes de julho, vai sair até o terceiro dia?

    ResponderExcluir
  2. O o diabo esta te esperando Dorneles

    ResponderExcluir
  3. O “desgoverno” do RJ deve pensar nisto:

    Tem que saber a hora de parar, ISTO É sábio!

    “Melhor do que começar é saber a hora de parar”. Vitor Orlandi

    “Inteligente é quem sabe a hora de parar de dar corda para algo que não tem futuro”. Fred Elboni

    Declaração de renúncia...

    ... “Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério”...

    ... “No mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças... É necessário vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado”... “Por isso... Declaro que renuncio”... Vaticano, 10 de fevereiro de 2013.

    Matéria Completa:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%BAncia_do_papa_Bento_XVI
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%BAncia_do_papa_Bento_XVI#Ren.C3.BAncia

    ResponderExcluir
  4. O “desgoverno” do RJ deve pensar nisto:

    Tem que saber a hora de parar, ISTO É sábio!

    “Melhor do que começar é saber a hora de parar”. Vitor Orlandi

    “Inteligente é quem sabe a hora de parar de dar corda para algo que não tem futuro”. Fred Elboni

    Declaração de renúncia...

    ... “Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério”...

    ... “No mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças... É necessário vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado”... “Por isso... Declaro que renuncio”... Vaticano, 10 de fevereiro de 2013.

    Matéria Completa:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%BAncia_do_papa_Bento_XVI
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%BAncia_do_papa_Bento_XVI#Ren.C3.BAncia

    ResponderExcluir