terça-feira, 5 de abril de 2016

CEG pode pagar multa de R$ 9 milhões por explosão que matou cinco no RJ

Cinco pessoas mortas e outras 18 feridas, entre elas duas em estado grave, foi o saldo de uma explosão em uma tubulação de gás da Companhia Estadual de Gás (CEG), em um conjunto habitacional na Rua Omar Fontoura, em Fazenda Botafogo, Subúrbio do Rio de Janeiro. Segundo as primeiras informações dos moradores aos agentes da Defesa Civil, há cerca de um ano havia cheiro forte de gás no lugar e a CEG executou há pouco tempo obras de mudança nas tubulações. Os condôminos afirmaram ainda que haviam feito várias notificação à empresa estadual quanto a suspeita de vazamento de gás. A CEG já foi notificada pelo Procon Carioca e a multa pode chegar a R$ 9 milhões. Se for condenada, a estatual tem 5 dias para apresentar a sua defesa.


“É lamentável que numa cidade da importância do Rio de Janeiro vidas humanas ainda sejam sacrificadas em desastres tão previsíveis. A CEG poderia e deveria ter agido para evitar essa tragédia”, afirmou o presidente da Comissão de Defesa Civil da Câmara Municipal, o vereador Márcio Garcia (Rede). "É dever, reservado o mais amplo direito de defesa, ser duramente responsabilizada por sua falha", acrescenta o parlamentar. Quanto a possibilidade de botijões irregulares em imóveis do condomínio, Garcia frisa os perigos de uma explosão desta natureza, tanto para o morador quanto para os vizinhos. "O deslocamento de ar em uma explosão provocada por botijão é muito forte, pode matar as pessoas queimando pelas vias áreas ou pelo impacto das estruturas. Qualquer odor diferente e característico de gás deve ser comunicado ao Corpo de Bombeiros. O morador deve abrir as janelas e não ficar no imóvel até o problema ser resolvido", explica o vereador.      


Bombeiros dos quartéis de Irajá, Ricardo de Albuquerque, Campinho e Parada de Lucas foram chamados para a ocorrência. Segundo a corporação, duas vítimas fatais morreram no local e outras três a caminho do hospital. Os feridos foram encaminhados para os hospitais Carlos Chagas, em Marechal Hermes, Albert Schweitzer, em Realengo; e Getúlio Vargas, na Penha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário