sábado, 9 de abril de 2016

Ato de bombeiros toma as ruas da Ilha

Em uma caminhada de quase 10 km na manhã deste sábado (9/4), cerca de 400 bombeiros de diversos quartéis do Rio prestaram homenagem ao cabo da corporação Altamir Rodrigues Cruz Júnior, de 31 anos, que, na última quinta (7), percorreu a pé 20 km pela Linha Vermelha para participar de um curso de aperfeiçoamento, para o qual foi convocado compulsoriamente. O bombeiro não tinha dinheiro para a passagem e decidiu ir caminhando da Ilha do Governador, na zona Norte, onde reside, até a unidade da corporação em Niterói, na região Metropolitana. Munidos de faixas, cartazes e com direito a bombeiro fantasiado de palhaço, os  agentes caminharam por mais de duas horas pela Estrada do Galeão, sem fechar o trânsito.  
Bombeiros fazem homenagem a companheiro de farda que foi trabalhar a pé. Fotos: Ascom Marcio Garcia

Cantando "ô o bombeiro voltou, o bombeiro voltou", os agentes ganharam o apoio da população nas ruas e dos motoristas que passavam pelo ato buzinando. O casal Renato e Glenda usou de criatividade e acompanhou a marcha vestido de palhaços. Os dois arrancaram muitos selfies e aplausos. Os filhos dos servidores também entraram no clima de homenagem, carregando faixas com mensagens de elogio à profissão.

A concentração do ato aconteceu em frente ao quartel dos Bombeiros na Ilha, no bairro Jardim Guanabara. Os participantes saíram por volta das 10h30 em direção à Ilha do Fundão, passando por trechos da Linha Vermelha e nas proximidades da Avenida Brasil. A caminhada durou cerca de três horas. O cabo Cruz, que estava em serviço até a manhã deste sábado (9), não esteve no local. 

Segundo informações, um dia antes do curso e logo que teve conhecimento da sua convocação, o cabo Cruz ponderou com o comando do seu grupamento que não tinha recursos para arcar com a passagem até Niterói. No entanto, ouviu como resposta que ele deveria, de qualquer forma, comparecer no horário e dia para o qual foi escalado. O vereador Marcio Garcia (Rede) criticou a postura da corporação e, no Plenário da Câmara, enfatizou a situação calamitosa dos agentes que estão com os seus benefícios e salários atrasados pelo governo. 

Nesta sexta (8), o parlamentar impetrou pedido de habeas corpus preventivo junto ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) em favor do cabo. O receio do parlamentar, que é major do Corpo de Bombeiros, é que o profissional seja punido pelo ato solitário e de coragem que tomou.  “Esta é mais uma página triste deste momento tão complicado que nosso país e, principalmente nosso Estado, está vivendo. Infelizmente, é mais um caso de desespero registrado nessa cidade”, disparou o vereador.

Garcia lembra que os servidores públicos policiais e bombeiros recebem apenas R$ 100 por mês para seu deslocamento. Na véspera do episódio com o cabo, o vereador recebeu uma ligação do profissional e ele já demonstrava desespero pela falta de perspectivas com os constantes atrasos no salário da categoria e, também, com a perda de benefícios. 
Marcio Garcia tem sido um crítico contumaz do destino dado às verbas públicas tanto por parte do governo municipal quanto do Estado. Ele destacou que, neste momento de crise, os governos ainda priorizam mais as Olimpíadas do que os serviços básicos, como saúde, segurança e educação.










2 comentários:

  1. A próxima vai ser maior.

    ResponderExcluir
  2. E uma vergonha o governo ter dinheiro pra jogos e nao ter pra pagar os Bombeiros e a PM q dao a vida pra salvar vidas! Tamos juntos!!!

    ResponderExcluir