sexta-feira, 29 de abril de 2016

Servidores "desconfiados" de previsões de Dornelles. Executivo quer pagar antes do dia 10

Na reunião realizada nesta quinta-feira (28/4) entre governo do Estado do Rio e representantes do Muspe (Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais) o governador em exercício Francisco Dornelles garantiu que o calendário de pagamento da rede está mantido no mês de maio e criou expectativa dos benefícios dos trabalhadores serem efetuados antes do dia 13, caso haja recurso no cofre público. No entanto, Dornelles prevê que antes do dia 10 cerca de 90% da folha já terá recebido os benefícios. A informação é do blog dos Servidores, do Jornal O Dia. 
Manifestação dos servidores da rede estadual na Alerj. Foto: Divulgação / SindMed
A reação dos servidores quanto às informações de Dornelles, inclusive de que nenhum trabalhador que tenha aderido a greve será descontado, foi de "cautela", segundo a publicação. Um próximo encontro entre Executivo estadual e servidores foi agendado para o dia 4 de maio, na Secretaria Estadual de Fazenda.
Veja a reportagem do Dia:

quinta-feira, 28 de abril de 2016

"Irmãos de farda": bombeiros se mobilizam para ajudar inativos sem pagamento no RJ

O portal da Associação SOS Bombeiros RJ noticia nesta quinta-feira (28/4) o início da campanha dos "irmãos de farda" para ajudar com donativos os inativos e pensionistas do Corpo de Bombeiros que, com a medida do governo do Estado que promoveu o corte salarial para quem recebe acima de R$ 2 mil, estão passando por dificuldades financeiras. O bairro de Madureira foi o escolhido para o pontapé na ação beneficente, nesta quarta (27).A família do aposentado Fernando de Oliveira, de 71 anos, recebeu cesta básica e o carinho dos companheiros de corporação. 
O inativo Fernando Oliveira recebendo a cesta básica dos companheiros. Fotos: Divulgação SOS Bombeiros RJ

Segundo o portal, as doações feitas para a categoria ultrapassou R$ 1,5 mil, que foi revertido em alimentos e medicamentos. Oliveira, que é inativo há 24 anos, foi o primeiro a receber a cesta e agradeceu a colaboração. "Esta situação é desesperadora, nunca tinha passado um sufoco tão grande. Isso [o salário] é um direito nosso. Jamais aconteceu algo parecido na história do Rio. Ainda bem que existe muita gente boa para ajudar quem não tem um 'pé de meia'", disse o aposentado. De imediato, a família abriu a cesta e fez uso de alguns produtos. 

Oliveira tem problemas cardíacos e faz uso de medicamentos. "A sorte que tenho uma reserva em casa e não fiquei desassistido neste período", frisou ele. A primeira atitude do aposentado nesta quinta (28) foi procurar a sua agência bancária para conferir se o pagamento havia sido depositado. "Foi um alívio ver o valor na conta, corri para pagar todas as dívidas e só me restou R$ 500. Agora é fazer milagre até o próximo pagamento, sabe lá quando", destacou. 
   
Durante esta semana, outros aposentados que tiveram os seus salários atrasados pelo governo serão atendidos pelo grupo do SOS Bombeiros RJ. Parte dos inativos, somente os que possuem contas no Banco Bradesco, receberam os seus benefícios referentes a março nesta quarta (27). A expectativa é de que até o final desta quinta (28) toda a classe já tenha recebido. 

"Graças a Deus chegou em uma boa hora [se referindo a cesta básica]. Muito obrigado, que Jesus continue abençoando vocês e muitas vitórias para vocês". Fernando Oliveira, inativo do Corpo de Bombeiros, ao receber a cesta básica.  





GM: benefício-alimentação congelado em R$ 12 há 4 anos


Um benefício-alimentação de R$12 por dia. E sem reajustes há nada menos que quatro anos. É essa a realidade dos mais de 7 mil guardas municipais que atuam hoje nas ruas da capital do Rio de Janeiro. A categoria sofre com o congelamento dos valores, que acaba achatando, ainda mais, o salário dos profissionais.


Guarda Municipal do Rio. Foto: Divulgação / Ascom Prefeitura RJ


O impasse levou vários integrantes da Guarda Municipal da cidade a procurar o vereador Marcio Garcia (REDE). Preocupado com a situação dos trabalhadores, o parlamentar apresentou uma indicação à Mesa Diretora da Câmara para que o Executivo reajuste os valores praticados atualmente. A intenção do projeto, em tramitação na Câmara é pressionar para que o benefício seja reajustado para R$ 24 diários, passando dos atuais R$ 360 mensais para R$ 720.

“A situação é absurda e não se justifica. Não há reajuste desde 2012. Outras categorias de servidores do Rio vêm recebendo valores atualizados. Por que a Guarda não tem direito?”, questionou Marcio Garcia.

Descompasso com a inflação
Em sua argumentação, o vereador ainda destaca o atual cenário econômico do Brasil, em que “os preços dos alimentos não param de subir, não sendo justo o recebimento dessa ínfima quantia”. No projeto, o vereador lembra da relevância da Guarda Municipal para a segurança pública. 

No projeto, ele reforça que a corporação tem a função de guardiã do ordenamento jurídico, “garantindo a manutenção da paz e proteção de bens, serviços e instalações municipais”.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Em dia que Rio recebe tocha olímpica, destaque vai para criminalidade no Estado

Na contagem regressiva faltam apenas 100 dias para a abertura dos Jogos Olímpicos na Cidade Maravilhosa. O fato que deveria ser motivo de orgulho para o carioca - ao ver o nome da sua cidade estampada nas manchetes dos veículos internacionais noticiando a passagem da chama Olímpica da Grécia para o Brasil - teve a chama da empolgação ofuscada pelo incêndio da violência que vem arrastando o Estado para o roll dos campeões em criminalidade. No Rio, os veículos de comunicação nesta quarta (27) deram destaque não ao evento em Atenas, mas aos acontecimentos violentos: advogado é assassinado em assalto no Recreio; tiroteio no Andaraí deixa um morto e outro ferido; operação policial no Rola acaba com policial ferido.    
Rio recebe tocha olímpica em Atenas. Foto: Divulgação Rio 2016

O secretário de Estado de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, afirmou em entrevista nesta quarta (27) que "prender não adianta mais", na sua avaliação. Beltrame disse ainda que "alguma coisa" no sistema está apresentando falha, pois o indivíduo vai preso e é solto em seguida, assim a polícia fica correndo em círculos. No entanto, o secretário anunciou em seguida que intensificou o policiamento em áreas de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) e que tem em andamento uma série de mandados de prisão que devem ser liberados pela Justiça.

A pasta de Segurança Pública foi beneficiada com os maiores investimentos que o Rio de Janeiro já recebeu na sua história. Nos últimos oito anos, Beltrame gerenciou estes recursos provindos das mais variadas esferas públicas. Na contramão dos números investidos, as pesquisas feitas pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) demonstram o crescimento acelerado dos índices de criminalidade no Estado, durante o governo do PMDB. 
Operação policial no Rola deixa policial ferido. Reprodução TV/SBT Rio


Orla Rio retira degrau de escada em posto de salvamento e causa acidente com bombeiro

A falta de manutenção em postos de salvamento na orla do Rio de Janeiro, administrados pela concessionária Orla Rio, deixou mais uma vítima na manhã nesta quarta-feira (27/4). O sargento do Corpo de Bombeiros Marcio dos Santos Gonet despencou ao tentar ultrapassar um vão deixado na escadaria de acesso ao Posto 8, na Barra da Tijuca, na zona Oeste. Funcionários da Orla Rio estiveram horas antes do acidente no local e retiraram um dos degraus da escadaria e foram embora sem sinalizar a área, alertando sobre os riscos. Na queda, o agente sofreu ferimentos na perna e foi atendido no Hospital Lourenço Jorge, também na Barra, na zona Oeste da cidade. 


Os salva-vidas lotados no posto comentaram que a escada estava com um degrau solto há mais de uma semana, oferecendo risco para os salva-vidas que trabalham na unidade. Nesta quarta (27), técnicos da concessionárias estiveram no local para fazer o reparo, mas apenas retiraram o degrau com defeito, sem repor a estrutura. Os técnicos também não colocaram nenhum aviso alertando para o risco de acidente.

Em julho do ano passado, dois guarda-vidas ficaram feridos em uma explosão no Posto 4, na praia de Copacabana, zona Sul. O estouro aconteceu na parte interna da unidade e as perícias realizadas apontavam para vazamento de gás no local. Até o momento nenhum laudo de conclusão foi emitido pela Polícia Civil sobre o caso. Dois agentes do Corpo de Bombeiros atingidos no acidente ainda passam por tratamento para amenizar as sequelas e um deles teve quase 70% do corpo queimado. 

Degrau retirado da escada de acesso ao Posto 8. Foto: Reprodução



Nota da Orla Rio: 

A concessionária lamenta em nota ao portal o ocorrido e esclarece que realiza periodicamente trabalhos de manutenção nos Postos de Salvamento. "Durante o trabalho realizado nesta quarta-feira ( 27), foi necessária a interdição de um dos degraus da escada que dá acesso ao segundo andar do Posto. O local foi devidamente sinalizado enquanto os técnicos foram buscar os materiais necessários para o reparo, retornando no mesmo dia para a finalização da troca. O incidente ocorreu neste intervalo", afirma a empresa. O comunicado ressalta ainda que existe outra escada no local, o que não impedia o trabalho dos Salva - vidas.







REDE lança campanha de incentivo ao voto dos jovens

A Juventude Estadual REDE-RJ lançou nesta quarta-feira (27) nas redes sociais a campanha de mobilização dos jovens entre 16 e 18 anos. A intenção é incentivar as pessoas nessa faixa etária a retirar o seu Título de Eleitor. A campanha reforça a importância do voto jovem neste momento político pelo qual o Brasil passa.



Para retirar o documento, basta que o futuro eleitor se dirija ao cartório eleitoral mais próximo de sua casa. É só levar Carteira de Identidade e um comprovante de residência. A campanha acontece num momento estratégico, já que o prazo está perto de acabar. O cadastro deve ser feito até o dia 4 de maio.

No chamado que faz à juventude, a campanha destaca que, com o título, o novo eleitor “poderá influenciar os rumos da sua cidade, e ajudar o meio ambiente, o desenvolvimento social, a internet livre, a promoção de esportes, a melhoria do transporte público, a qualificação profissional, além de muitas outras atribuições do município, como educação e saúde”.

O agendamento do atendimento em qualquer cartório eleitoral de sua cidade pode ser feito pelo site www.tre-rj.jus.br. 




TODO APOIO À LUTA DOS INATIVOS

Atendendo a convocação do movimento SOS Bombeiros depositei a minha contribuição à campanha de apoio aos inativos. Não podemos virar as costas para aqueles que nos antecederam, trabalharam honrosamente, para que hoje possamos nos orgulhar de servir ao casarão vermelho. 

Sei que o atual governo tem sido cruel com todos nós, mas os inativos e pensionistas estão pagando uma conta altíssima. Os registros de bombeiros inativos pedindo socorro às unidades para se alimentar tem aumentado a cada dia e os bombeiros tem se esforçado para dar-lhes o tratamento respeitoso a que fazem jus.

É nesses momentos críticos que enxergamos exatamente quem são as pessoas. Muitos vão fingir que não sabem o que está acontecendo e vão virar a cara para a dor e a humilhação hoje sofrida pelos inativos, mas, muitos outros, vão se comprometer agora em ajudar nossos inativos, depositando qualquer valor, recebendo os inativos nas unidades, ou, simplesmente, ofertando um ombro para as dolorosas lágrimas sejam depositadas, ou seja, faça qualquer coisa, mas não fique indiferente.







terça-feira, 26 de abril de 2016

Offshore de Eike fica no mesmo "paraíso" do Rioprevidência

Além da offshore criada para gerir o Rioprevidência em uma cidade americana - com o intuito do fundo captar recurso para findar dívidas e tendo como antecipação os royalties do petróleo - outro grupo brasileiro tem base na mesma região, conhecida pela sua fama de "paraíso fiscal". A Centennial Asset Brazilian Equity Fund LLC é uma sociedade constituída e organizada com respaldo nas leis do estado americano de Delaware. A sede fica na famosa Centerville Road, no número 2711, na cidade de Wilmington. O seu controlador integral: Eike Fuhrken Batista da Silva. 

Centennial é a controladora do chamado Império X no Brasil, cujas empresas já foram citadas na operação Lava Jato. A OGX, uma das petroleiras do ex-magnata brasileiro, teve ações que foram negociadas ilegalmente, segundo denúncias do Ministério Público Federal. O nome da Centennial também consta na lista do escritório Mossak Fonseca, investigado no âmbito da Lava Jato.

Reprodução

Mais de um ano depois..... PM que se amarrou em pilastra volta a sofrer sanção

A história parecia já estar resolvida. Mas, pelos desdobramentos dos últimos fatos, parece que está longe disso. Depois de mais de um ano de ser preso após um suposto protesto, um sargento lotado em Macaé, no Norte do Estado, voltou a sofrer sanções.

Para quem não se lembra, na virada do ano de 2014 para 2015, o sargento foi punido porque se amarrou a uma pilastra usando algemas depois de saber qual seria sua escala de trabalho no revéillon. As fotos, feitas por um outro policial que estava de serviço no mesmo local, acabaram vazando na internet. Na época, ao falar sobre o ocorrido, o PM garantiu que tudo não havia passado de uma “brincadeira entre amigos” sem qualquer cunho de reivindicação.

Em 2013, o sargento chegou a ser homenageado com uma medalha de prata pelo Governo do Estado, em função de ter superado os 20 anos de serviços prestados à corporação militar. 



Na imagem, PM preso à pilastra. Na época, sargento disse que tudo não 
passou de uma brincadeira. 


 Pela nova decisão, o policial foi punido mais uma vez. Agora, com dez dias de prisão. Leia a reportagem do jornal Extra na íntegra:  

PM que se algemou a pilastra recebe nova punição


Indígenas urbanos encerram homenagens com dia ao ar livre para relembrar raízes


O desafio de ser índio e tentar manter as suas raízes acesas em uma grande metrópole deu lugar neste domingo (24/4) à liberdade de expressão e cultural no Parque Lage, no Jardim Botânico, na zona Sul do Rio. As atividades de encerramento na longa programação que homenageou o Dia do Índio - 19 de abril - teve direito a tudo para a comunidade, dança, música, poucas roupas e muito acessórios indígenas, fogo para rituais e uma rica lição cultural e de resistência.     

E resistir em meio a toneladas de asfalto não é nada fácil para a comunidade, que aproveitou a semana comemorativa para revelar desejos de um futuro com menos preconceito, com mais condições de vida e respeito ao próximo, independente de etnia. Atualmente, o Brasil tem cerca de 800 mil indígenas, de acordo com o censo de 2010, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Cerca de 38,5% deste contingente vive nas grandes cidades. 






Encerramento das atividades comemorativas dos indígenas no Parque Lage. Fotos: Associação Indígena Aldeia Maracanã / Divulgação 
















segunda-feira, 25 de abril de 2016

Aposentados sem salários no RJ: grupo procura QG para almoçar

Aposentados aguardam para almoçar no QG. Fotos: Ascom vereador Marcio Garcia 
A falta de dinheiro para fazer compras e pagar as contas domésticas tem levado um número crescente de aposentados a procurar ajuda nas suas instituições de origem, no Rio de Janeiro. O Estado ainda não pagou os salários a pensionistas e aposentados que recebem acima de R$ 2 mil, referente ao mês de março, mesmo após determinação da Justiça e sob ameaça de bloqueio das contas públicas no valor de R$ 1 bilhão. Nesta segunda-feira (25/4), cerca de 10 aposentados do Corpo de Bombeiros procuraram o Quartel Geral (QG), no Centro, para aproveitar o "rancho" da tropa (almoço). O Comando-Geral autorizou a entrada do grupo e orientou os aposentados a procurar a unidade mais próxima da sua residência para se alimentar, até a situação da categoria ser normalizada. 
O subtenente do Corpo de Bombeiros Valdelei Duarte chegou ao QG acompanhado do seu filho de oito anos. Segundo ele, não há como equilibrar a economia do lar sem receber os benefícios do Estado. "Não tem como fazer supermercado numa quantidade para alimentar adultos e crianças, pagar as contas, comprar remédios e todas as despesas normais", alegou o aposentado.  


No refeitório, o clima era de consternação entre os aposentados. Eles lamentavam a todo instante a medida do governo de bloquear os benefícios de parte da categoria. "Estamos aqui almoçando, mas tenho certeza que todos estão pensando em quem está em casa e não tem um prato como este, por negligência e falta de respeito das autoridades", frisou Duarte. O grupo agradeceu ao comando pelo acolhimento antes de sair da unidade.  





"Caiu a ficha": sem salários, aposentados lembram operação no exterior que gerou bloqueio no Rioprevidência

Os aposentados e pensionistas da rede estadual do Rio, após o corte dos salários referentes ao mês de março, foram surpreendidos mais uma vez com uma postagem envolvendo o Rioprevidência que viralizou nas redes sociais no último fim de semana. A notícia que correu especialmente os grupos de inativos da Segurança Pública no WhatsApp, diz respeito à aprovação na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) da Lei 2.666/2013, em dezembro de 2013, autorizando o fundo captar cerca de R$ 4,8 bilhões no mercado doméstico e internacional, como antecipação dos royalties do petróleo. A concessão respaldou o Estado na abertura de offshore no exterior, tendo como garantia o Rioprevidência, que no ano passado acumulava dívidas significativas.   

As movimentações feitas no mercado financeiro internacional durante os governos de Sergio Cabral e Luiz Fernando Pezão (ambos PMDB) colocaram o Rioprevidência em xeque, atrelando-o à "fundos abutre" (denominação da Economia para se referir a "papéis podres"). Isso aconteceu pelo fato da cotação do barril do petróleo despencar e, como consequência, a Petrobras desacelerar a sua produção. O fenômeno foi agravado com a operação Lava Jato, da Polícia Federal. 
Atividades da Petrobras no RJ. Foto: Fotos Públicas / Rogério Santana

O cenário desfavorável derrubou as expectativas de lucro dos investidores no exterior. Uma das clausulas do contrato entre a Rio Oil Finance Trust (Rioprevidência) e os credores, previa o vencimento antecipado dos títulos no caso de queda nas receitas abaixo de um limite estabelecido. Assim, os investidores tiveram amparo legal para reter dinheiro e, como efeito dominó no Brasil, houve o bloqueio das aposentadorias do fundo. Cerca de R$ 12 bilhões foi estabelecido como garantia para futuras receitas com royalties. 

"O Rioprevidência sofre da mesma má gestão que a previdência da União. Ao invés de gerir a poupança de seus cotistas, o Rioprevidência usa receitas do Estado para cobrir os pagamentos dos beneficiários e fez o que nenhum fundo de pensão minimamente bem administrado pode fazer: tomou recursos emprestados para pagar benefícios. Isto, por si só, já deveria ser crime. Como se não bastasse abrir uma offshore em um conhecido paraíso fiscal americano, Delaware, é um sério indício de que o fundo esteja sendo vítima de atividades ilegais. Os EUA, mais exatamente os Estados de Delaware e Nevada, talvez sejam os melhores paraísos fiscais do mundo para quem não é estadunidense. Inclusive porque, por ser dentro dos EUA, chama menos a atenção", explica o economista Aurélio Valporto, vice-presidente da Associação dos Investidores Minoritários do Brasil. 

Valporto critica também os discursos do governo do Rio que atribuem aos aposentados a culpa pelo "rombo" nas contas públicas e a manutenção da folha de inativos pelos servidores ativos. "O Rioprevidência é o fundo de pensão dos servidores estaduais. Como qualquer outro fundo de pensão, sua função precípua, deveria ser gerir a poupança que o funcionários do estado fizeram ao longo de sua vida para que, no final destas, pudessem viver da renda deste capital. Ou seja, aposentados não devem ser sustentados por renda de quem trabalha, mas sim pela renda do capital que a eles pertencem, descontados de seus contracheques ao longo de suas vidas como trabalhadores", dispara o economista. 

"Nós [grupo de inativos dos Bombeiros] nos reunimos com o Picciani [Jorge Picciani, presidente da Alerj] na semana passada. Durante todo o encontro ele jogou a culpa da crise para os royalties. Disse que o Estado não tem dinheiro para nos pagar por causa dos royalties. Agora vem esta notícia do Rioprevidência. Estamos nos sentindo traídos mais uma vez", disse Valdelei Duarte, diretor para inativos e pensionistas da Associação SOS Bombeiros RJ. A entidade pretende organizar um protesto ainda esta semana, para pressionar o pagamento da categoria.  

Sobre o assunto:

>> Credores vão reter meio bilhão em receitas do Rioprevidência (O Globo - 06/10/2015)

sábado, 23 de abril de 2016

Parque Lage é palco ao ar livre da Semana Cultural Indígena. Comunidade encerra suas festividades neste domingo

Artesanato, música, danças, leitura, debates, pintura corporal e até cinema fazem parte da programação que encerra a Semana Cultura Indígena, promovida pela Associação Indígena Aldeia Maracanã (AIAM) com entidades públicas. O evento acontece neste domingo (24/4), no Parque Lage, no Jardim Botânico, na zona Sul do Rio, a partir das 10 horas. A atração internacional, o grupo cultural de autênticos aborígenes australianos "Descendance", vai se apresentar na Oca do Parque Lage às 11h30. 

Durante a semana, a AIAM realizou uma série de eventos para homenagear o Dia do Índio, comemorado em 19 de abril. As atividades indígenas tomaram o espaço da Biblioteca Parque Estadual, no Centro, que ganhou o aspecto de tribo. Os visitantes ficaram impressionados com os índios trajando acessórios característicos e, claro, muito pouca roupa. As pinturas corporais e o artesanatos ganharam elogios e adeptos.

Evento na Biblioteca Parque Estadual. Foto: AIAM

Com a mesma importância de propagar a cultura das etnias, as lideranças indígenas no Rio aproveitaram a data para criticar a negligência e descaso do governo junto á comunidade. O Estado havia prometido o Centro de Referência da Cultura dos Povos Indígenas, o conhecido Museu do Índio, para este dia 16 de abril de 2016, mas o compromisso ficou no papel. Os removidos da Aldeia Maracanã, que ficava no entorno do estádio de mesmo nome, estão vivendo com dificuldades em um condomínio do programa Minha Casa Minha Vida, no Estácio, como mostra as recentes reportagens. 

>> No seu dia, indígenas criticam entraves para criação de Centro de Referência

>>Dia do Índio: comunidade pede moradias decentes em condomínio do Minha Casa Minha Vida

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Feriado de lamentações para aposentados e pensionistas

O feriado prolongado que tem um sentido de descanso e diversão para a classe trabalhadora, no Rio virou sinônimo de suplício, justamente para os aposentados e pensionistas. Isso porque o governo estadual descumpriu a determinação da Justiça, que havia dado o prazo até a tarde desta quarta (20) para o Executivo depositar os benefícios das categorias. A decisão previa também o bloqueio de contas do governo no valor de R$ 1 bilhão. Com o feriado de Tiradentes, o governador em exercício Francisco Dornelles alegou que só pode voltar a avaliar a questão na segunda-feira (25).

O corte dos salários dos aposentados e pensionistas provocou muitas críticas da opinião pública e surpreendeu a classe política e a população. Idosos que contribuíram com a Previdência durante anos, agora passam por dificuldades para comprar medicamentos, pagar as contas domésticas e até se alimentar.

Veja a triste e lamentável situação dos aposentados na reportagem do SBT desta quinta-feira (21)


Rio Olímpico: diretor da empreiteira da ciclovia que desabou é avô do secretário Especial de Turismo

Após considerar como "desastre inaceitável" o desabamento da ciclovia inaugurada em janeiro deste ano em São Conrado, na zona Sul carioca, o secretário de Coordenação de Governo, Pedro Paulo de Carvalho, culpou a ressaca pelo acidente. A queda aconteceu por volta das 11h30 desta quinta-feira (21/4) e duas pessoas que passavam pelo local morreram. Bombeiros procuram por uma outra terceira vítima. A empreiteira responsável pelas obras da ciclovia, a Concremat, é uma das investigadas na operação Lava Jato e tem como diretor-presidente Mauro Viegas Filho, avô do secretário Especial de Turismo, Antônio Pedro Viegas Figueira de Mello.
Bombeiros resgataram dois corpos do mar depois do acidente. Foto: Via WhatsApp

"Em princípio achamos que pudesse ser um problema nas vigas, mas elas estão intactas. Por isso, achamos que foi a força da onda de baixo para cima levantando o platô", disse Pedro Paulo. Segundo o engenheiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RJ), Antônio Pedrosa, pode ter havido uma falha no projeto, já que no trecho afetado só havia uma viga e autores não devem ter levado em conta a resistência às ondas. 

A empresa Concremat, responsável pelas obras, já esteve envolvida em suspeitas de licitações fraudulentas. Em 2013, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) anunciou novo contrato para execução das obras na segunda fase de construção do corredor expresso TransOeste. As vencedoras para gestão de obras foram as empreiteiras Concremat e Sanerio. A primeira, favorecida também com a construção da ciclovia, tem como diretor-presidente Mauro Viegas Filho, avô do secretário Especial de Turismo da prefeitura do Rio, Antônio Pedro Viegas Figueira de Mello. Murilo de Mello Campos, que integrou a comissão de fiscalização do Estádio Mineirão para a Copa, também faz parte do quadro societário da Concremat. Já a Sanerio é investigada por improbidade administrativa no Ministério Público Federal desde 2011, em caso que envolve obras no Parque Aquático Maria Lenk, construído para o Pan-Americano em 2007.

"Diferente da ressaca no mar, que passará em alguns dias, a que atinge o Rio deve levar mais tempo, pelo menos até o dia em que tivermos no Estado uma operação Lava Jato, para passar a limpo mais uma década de gestão do PMDB", afirmou o vereador Marcio Garcia (Rede), se referindo ao episódio da tragédia e à negligência da prefeitura.
Ciclovia inaugurada em janeiro pela prefeitura desaba e mata duas pessoas em São Conrado. Foto: Via WhatsApp

Teto de emergência pediátrica desaba no Rocha Faria. Hospital passa por reformas

Os pais que levaram os filhos para atendimento de emergência no Hospital Municipal Rocha Faria, em Campo Grande, na zona Oeste do Rio, passaram por momento de desespero na noite desta quarta-feira (20/4). O teto do Pronto-Socorro pediátrico desabou logo após o rompimento de um cano de água, deixando o setor ficou imundado e os destroços caíram em cima de pacientes e funcionários. Na hora do acidente, 10 crianças estavam sendo atendidas pela equipe médica de plantão, por sorte ninguém ficou ferido. 

Segundo funcionários do hospital, o setor está passando por reformas, mas não foi interditado. O vereador Marcio Garcia, presidente da Comissão de Defesa Civil da Câmara, considera arriscado o fato do setor estar funcionando durante as obras. Para o parlamentar, a secretaria de Saúde deveria obedecer a um planejamento de construção, interditando alternadamente os setores em reforma, para não paralisar os atendimentos, mas oferecer segurança aos pacientes, especialmente crianças, e ao corpo clínico da unidade.  
Teto do Pronto-Socorro da Pediatria desabou em cima de pacientes e funcionários. Foto: Reprodução TV

Rio registra mais uma agressão contra guarda municipal em serviço

O Rio de Janeiro registrou nesta quarta-feira (20/4) mais um episódio de violência envolvendo guarda municipal e ambulante. O fato aconteceu em uma das passarelas da avenida Presidente Vargas, no Centro. O guarda municipal identificado apenas como Erikson abordou um ambulante que estava vendendo em local irregular e acabou esfaqueado pelo infrator. O servidor foi socorrido para o Hospital Souza Aguiar, também no Centro, com ferimentos no braço. As armas usadas pelo ambulante foram apreendidas.      
Guarda Municipal é ferido em serviço no Centro. Foto enviada via WhatsApp


A cena de agressão ao guarda municipal demonstra o quadro de insegurança em que o servidor da corporação convive na sua rotina de trabalho na cidade do Rio. Com apenas com um cacetete nas mãos, a categoria sai às ruas para manter a ordem e acabem sendo alvos de agressões. Além da falta de equipamentos adequados e para a sua própria proteção, os guardas reclamam dos salários aviltantes. 

"A prefeitura tem por obrigação oferecer condições melhores e seguras para os guardas municipais no exercício das atividades externas. A categoria vem reclamando há muto tempo da falta de equipamentos adequados e necessários para as suas ações. E relatando as agressões que sofrem nas ruas daqueles que são contra a ordem pública. As autoridades têm que resolver esta questão", considera o vereador Marcio Garcia (Rede).

Os agentes vêm reivindicando a corporação por artefatos como o spray de pimenta e o taser (aparelho de choque usado para imobilizar). Em 2014, o guarda municipal Djalma Rodrigues foi apedrejado covardemente quando tentava conter uma manifestação em frente a Prefeitura do Rio. O agente não resistiu aos ferimentos que acertaram, principalmente, a cabeça. Após o crime, a categoria fez várias paralisações e protestos reivindicando melhores condições de trabalho. No entanto, os aparatos de segurança ainda não fazem parte da rotina de serviço deles.    

O portal entrou em contato com a Guarda Municipal nesta quinta (21) para saber detalhes da agressão envolvendo o agente Erikson, mas nenhum servidor atendeu as nossas ligações neste feriado.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Fonte revela: Dornelles está com Alzheimer

Uma fonte ligada ao Palácio Guanabara, sede do governo no Rio de Janeiro, revelou esta semana que o governador em exercício Francisco Dornelles (PP), 81 anos, passou por exames que comprovaram que ele está com mal de Alzheimer. De acordo com a fonte, a bateria de exames clínicos foram feitos no início deste ano, quando Dornelles esteve internado no Pró-Cardíaco, na zona Sul do Rio. No mesmo hospital se encontra em tratamento o governador do Estado Luiz Fernando Pezão (PMDB), diagnosticado com câncer, em março. As denúncias foram reveladas ao vereador Marcio Garcia (Rede), que considerou o caso grave, tanto para a população quanto para o político.

Segundo a fonte, a família de Dornelles é contra ele assumir o cargo no momento em que está submetido a um delicado tratamento, mas o vice-governador não encontrou outro caminho a não ser aquele traçado pelos líderes do seu partido e do PMDB de Pezão. A crise financeira no Estado, somado à conjuntura turbulenta do cenário nacional, tem interferido diretamente na gestão peemedebista no Rio, que está à beira de um impeachment reivindicado pelo funcionalismo público, que está com salários atrasados e sem condições de trabalho. 

Para complicar a gestão do partido no Rio, a saúde de Pezão não anda nada bem e, as novas revelações envolvendo Dornelles e suas condições de trabalho, podem forçar uma nova eleição para governador, com uma provável derrota do partido. Este pode ser o maior temor dos caciques peemedebistas neste momento conturbado. E na ausência do governador durante o período de transição para um novo pleito, quem assume a cadeira no Guanabara é Jorge Picciani (PMDB). 

A fonte revelou ainda para Garcia que a intenção de Picciani e toda a cúpula do PMDB seria pressionar Dornelles para levar a sua gestão até o final do ano, assim em 2017 seria realizada a eleição indireta na Alerj, como manda a legislação eleitoral, e onde o partido teria vitória garantida.

O portal entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do Palácio Guanabara, que afirmou desconhecer que o governador em exercício esteja com qualquer tipo de doença grave, inclusive Alzheimer. A assessoria disse ainda que Dornelles tem despachado normalmente e cumprido toda a sua agenda de compromissos. A agenda externa tem sido evitada em função de decisões ligadas à crise e aos servidores da rede no próprio gabinete. 

Governador em exercício Francisco Dornelles. Foto: Agência Senado


Canetada polêmica

Uma das decisões mais polêmicas do governo PMDB no Rio aconteceu há uma semana, na gestão de Francisco Dornelles. A batida de martelo levou ao corte dos benefícios de aposentados e pensionistas da rede estadual, o que gerou grande revolta popular e uma enxurrada de ações no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) contra o Estado. Na Alerj, até deputados peemedebistas assinaram um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) criado para desautorizar o governo a pagar a dívida junto à União, em prol dos salários dos servidores da rede.     

Nesta terça (19) um grupo de servidores inativos protocolou pedido de cassação do governador Pezão e de Dornelles no Ministério Publico (MP-RJ), na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) e na Alerj. A ação destaca possíveis erros cometidos pelo governo com o funcionalismo. Os inativos e pensionistas ainda não receberam a última parcela do 13º salário, que deveria ter sido depositada no dia 18. 

Com as ações impetradas pelas categorias da rede, o TJ-RJ determinou esta semana que o Estado deveria depositar os benefícios dos aposentados e pensionistas até às 15h30 desta quarta (20), caso contrário, teria as suas contas bloqueadas no valor de R$ 1 bilhão, quantia necessária para remunerar os 143 mil aposentados e pensionistas. Até às 18 horas desta quarta (20) o Executivo ainda não havia cumprido a determinação. 

Cerca de 50 servidores estaduais, ativos e inativos, fizeram um panelaço na manhã desta quarta (20) em frente ao Palácio Guanabara. O grupo revindica o pagamento dos salários atrasado há três meses. 

Sobre a doença


O portador do mal de Alzheimer pode ter as suas atividades rotineiras comprometidas. Dependendo do estágio de evolução da doença, o paciente pode ter a sua capacidade de decisão prejudicada e, para continuar nas funções profissionais, deve passar por uma avaliação junto ao seu médico. 

O Alzheimer é a doença mais comum na terceira idade, especialmente a partir dos 60 anos. Seu principal sintoma é a perda de memória, mas também pode vir acompanhada de outras enfermidades degenerativas. Como é uma disfunção que evolui com o passar dos meses e anos, alterações no comportamento social e novas mazelas são comuns surgirem de forma gradativa. O tratamento tem como principal pilar os estímulos neurais, através de terapia ocupacional. 

O neurologista Fabrício Hampshire, que atua na Rede D'Or no Rio de Janeiro, explica que o alzheimer não é diagnóstico facilmente e seu desenvolvimento no ser humano não acontece como uma "receita de bolo". "Algumas tarefas, com o tempo, fica difícil do paciente realizar. Como se vestir, reconhecer objetos e suas funções e até reconhecer rostos de pessoas próximas, dentre outras práticas avaliadas do ponto de vista cognitivo", diz o médico.

No caso de uma pessoa que trabalha com tomadas de decisão, por exemplo, o neurologista frisa que o juízo crítico pode ser acometido com o passar do tempo e evolução da doença. Pegando como exemplo o presidente de uma empresa, Hampshire comenta que o profissional vai precisar cada dia mais da ajuda de assessores para lembras dos seus compromissos, locais onde documentos foram guardados e até casos tratados recentemente. 

A evolução da doença é outro fator variável que depende da reação do organismo de cada portador ao tratamento. "A perda da capacidade laborativa é algo complexo de avaliar, deve acontecer entre paciente e médico com o acompanhamento do tratamento. Com o tempo, o portador pode chegar ao ponto de perder a sua capacidade cerebral de forma global, não se conectar mais com a realidade", conta o neurocirurgião Rodrigo Tragante, membro da Sociedade de Neurocirurgia do Rio de Janeiro. O médico salienta ainda que as atividades profissionais que promovem desequilíbrio emocional ao paciente, com grande nível de pressão e estresse, pode acelerar a evolução da doença.

Véspera de feriadão com trânsito parado no Centro: tubulação da Cedae estoura na Radial Oeste


Além dos engarrafamentos causados por uma infinidade de obras no Centro do Rio, realizadas sem qualquer planejamento urbano, o carioca teve mais uma surpresa - desagradável - na manhã desta quarta-feira (20/4). A Radial Oeste, nas mediações do Maracanã, na zona Norte, foi inundada e o motorista ficou impossibilitado de trafegar pelo local. Uma tubulação da Cedae estourou no início da manhã e a principal via de ligação do Centro com outras áreas da cidade ficou interditada. O trânsito ficou caótico na região, com reflexos em vias do Centro.


Apesar do grande transtorno à população, a companhia ainda não apresentou um prazo para reparo do problema. Operários da Cedae estão trabalham no local. Assim, o retorno do trabalhador nesta véspera de feriadão promete ser ainda mais complicado e exigir muita paciência da população. 

Tubulação da Cedae estoura e inunda Radial Oeste. Foto: Reprodução TV


terça-feira, 19 de abril de 2016

Debandada de aliados derruba sessão na Alerj. PDL da dívida do Estado com União não é votado

A possibilidade de votação nesta terça-feira (19/4), na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), do PDL  (Projeto de Decreto Legislativo) 25/2016, criado para desautorizar o governo do Rio a pagar a sua dívida junto à União, atraiu representantes de diversas categorias, que lotaram as galerias da Casa. No entanto, a matéria não pode entrar em discussão por falta de quórum, que derrubou a sessão legislativa. Na semana passada, o Colégio de Líderes ameaçou trancar a pauta para que a proposição pudesse ser discutida com prioridade.

Fotos divulgação
O objetivo da matéria é disponibilizar recursos para que o Estado tenha condições de pagar o salário do funcionalismo público, inclusive dos aposentados e pensionistas, que até às 19 horas desta terça (19) não haviam recebido os seus benefícios deste mês, mesmo após a decisão da Justiça determinando que o governo efetue o pagamento da categoria. "Até os deputados da base do governo estão a favor do PDL, que vai dar um alívio para os inativos e pensionistas", destaca o subtenente bombeiro Valdelei Duarte, diretor de inativos e pensionistas da Associação SOS Bombeiros RJ.

Para protestar contra a derrubada da sessão, Duarte discursou em frente a Alerj para um grupo de servidores públicos. "Este governo é covarde, malvado. Esta Casa [Alerj] não é do povo", disse o subtenente, acompanhado por um coro dos manifestantes de "Fora Picciani", "Fora Dornelles" e "Fora Pezão". Duarte afirmou ainda que, com a ajuda dos servidores da ativa, serviços públicos podem ser paralisados, visando pressionar o governo a pagar os inativos e pensionistas. O prazo dado pela Justiça do Rio ao Executivo para efetuar os pagamentos dos inativos vence na tarde desta quarta-feira (20).
Subtenente bombeiro Valdelei Duarte, no centro. Foto: Divulgação

Galerias da Alerj lotadas para acompanhar a votação que foi adiada por falta de quórum. Foto: Divulgação

No seu dia, indígenas criticam entraves para criação de Centro de Referência

Se tudo tivesse dado certo, seria inaugurado no Rio, exatamente nesta terça-feira, dia 19 de abril de 2016, o Centro de Referência da Cultura dos Povos Indígenas, também chamado de “Museu do Índio”. O centro deveria funcionar a partir desta data no local onde existia a antiga Aldeia Maracanã, ao lado do emblemático estádio de mesmo nome. Mas a promessa ficou apenas no papel.

Três anos após a desocupação da Aldeia, o Governo do Estado não concretizou o projeto, que transformaria aquela área na Zona Norte da cidade num importante ponto de propagação da cultura indígena. O argumento: falta de verbas para colocar a proposta de pé.

    Divulgando hábitos e conhecimento: indígenas participaram nesta terça-feira da Semana Cultural na Biblioteca Parque

Neste Dia do Índio, representantes de várias etnias que vivem no Rio de Janeiro voltam a cobrar uma solução para o impasse. A esperança das lideranças é que o projeto não se perca com o tempo e o Centro venha a se tornar realidade. O cacique Carlos Tukano, presidente da Associação Indígena Aldeia Maracanã, lembra que, no final de 2013, o Executivo estadual assinou um decreto garantindo a instalação do centro.




Durante participação na Semana Cultural Indígena, realizada nesta terça-feira na Biblioteca Parque Estadual, no Centro da cidade, Tukano comentou sobre a situação atual e cobrou providências: “continuamos esperando que o Governo ainda cumpra com o que ele prometeu para os povos da Aldeia Maracanã. Isso reflete em toda a sociedade indígena do Brasil. A sociedade está nos cobrando”.

Também presente ao evento, a índia Patxiá Pataxó destacou a importância do projeto. Ela lembra que o Centro ajudaria na divulgação da cultura do seu povo. Originária de uma tribo localizada em Porto Seguro, na Bahia, Patxiá ainda lamenta que as pessoas só se lembrem dos indígenas na data comemorativa, este 19 de abril. Atualmente, ela se divide entre o Rio e a Bahia, onde produz seus artesanatos e tem parentes. Na capital fluminense, a pataxó vive no condomínio Zé Kéti, no bairro do Estácio, para onde cerca de 20 famílias da Aldeia Maracanã foram transferidas.





Em sala de aula
Prima de Patxiá, Naiara Pataxó está no Rio para a série de eventos comemorativos à Semana do Índio, que vão até o dia 24 de abril. Ela vive na Aldeia Velha, em Arraial da Ajuda, também na Bahia. Na visão dela, uma das maiores carências para os povos indígenas é a propagação da cultura nas ecolas. “As aulas tinham que ensinar sobre nossa cultura. Os governos deixam muito a desejar”, critica.

As primas Naiara e Patxiá criticam descaso com a propagação da cultura 
dos povos indígenas

Naiara ainda reconhece que, na Bahia, tem menos rejeição aos trajes típicos e costumes indígenas do que em cidades como o Rio. “Na Bahia, tem muito mais respeito porque as pessoas se acostumaram”. Ela lembra, por exemplo, que, ao se dirigir de metrô para a Biblioteca Parque, foi alvo de olhares de várias pessoas.  

Atualmente existem cerca de 15 mil indígenas vivendo só no Estado do Rio, segundo o cacique Carlos Tukano. Cidades como Paraty, Maricá e Angra dos Reis são importantes polos de concentração dos povos. Na capital fluminense, a Aldeia Maracanã foi um importante símbolo na luta dos índios nos últimos anos. Depois de muita resistência e embates com o Governo do Estado, eles se viram obrigados a desocupar o local, onde tinham espaço para praticar seus rituais, fabricar artesanato e manter vivas suas manifestações culturais.

 Crianças durante Semana da Cultura na Biblioteca Parque: contato e respeito 


Hoje, muitas famílias vivem no condomínio do bairro do Estácio. Bem humorado, Carlos Tukano diz que o conjunto de apartamentos, construído dentro do programa “Minha Casa, Minha Vida”, hoje é chamado de “Minha Oca, Minha Vida”.