segunda-feira, 14 de março de 2016

"Segui o coração de pai", diz PM que salvou mãe e bebê na estação de Deodoro

Reprodução Facebook

Izidro conta que estava na estação visitando o irmão, que trabalha na SuperVia, aproveitando o dia de folga na corporação. Ele percebeu que uma usuária caminhava desorientada pelo local e carregava uma criança. Em um determinado momento, de acordo com o PM, a mulher chegou a quase cair nos trilho. "Ela estava desorientada, falava que tinha rosas na cabeça. Uma hora dizia que morava na Central, depois dizia que era em Nova Iguaçu. E ainda afirmava que ouvia vozes", conta o soldado. Ele chamou uma guarnição do Corpo de Bombeiros para prestar atendimento à mulher, que foi levada para um hospital na região. 

"Segui o meu coração de pai". Com esta frase o soldado Izidro Maurício, do Batalhão de Grandes Eventos da Polícia Militar do Rio, tentou explicar a sua atitude heroica que salvou a vida de uma mulher e um bebê de cerca de três meses, no último sábado (12/3), na estação de trem em Deodoro, subúrbio do Rio. A mulher, que não teve a identidade revelada, estava prestes a cometer o suicídio com a criança no colo e foi impedida pelo policial que passava pelo local. A ação exemplar do PM acontece em meio a uma onda de violência contra policiais e que teve o saldo de quatro baixas na corporação somente neste fim de semana

>> Rio registra quatro mortes de policiais militares em menos de 48 horas
      

"A minha atitude foi instintiva. Coração de pai e policial e nem sei como aconteceu", diz o PM que tem uma filha de seis anos de idade. Izidro não quis comentar sobre os fatos violentos envolvendo os colegas de farda no fim de semana, mas considerou que o momento é "difícil" para PMs e "todos choram com as famílias das vítimas [policiais militares]". "Quando vai um [PM] uma parte do nosso coração vai junto", diz o soldado. "É pedir a Deus e orar pelos nossos companheiros policiais, bombeiros, que dão a vida para salvar pessoas que nem conhecemos. O nosso instinto é proteger as pessoas", acrescenta em tom de tristeza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário