terça-feira, 9 de setembro de 2014

BAIXADA FLUMINENSE VIVE CALAMIDADE NA SAÚDE



Baixada Fluminense vive calamidade na saúde”, decreta Garotinho 
Candidato do PR promete estadualizar hospitais da região e implantar central única para controle de leitos, consultas e exames nas unidades de saúde. 
Foto: Inácio Teixeira 
Durante caminhada no calçadão de Duque de Caxias, na tarde desta terça-feira (09), o candidato ao governo do Rio pela coligação Força do Povo (PR-Pros-PT do B), Anthony Garotinho, voltou a censurar a situação crítica dos hospitais na Baixada Fluminense e reafirmou o seu compromisso de recuperar a saúde pública na região. A primeira medida será a implantação de uma central única de regulação de leitos hospitalares, consultas e exames das unidades municipais, estaduais e federais. O ex-governador, que recebeu muitos abraços, beijos e o carinho da população, prometeu ainda estadualizar hospitais, entre eles, o da Posse (Nova Iguaçu), o da Mulher (São João de Meriti), e o de Nilópolis.
“A situação é de calamidade em toda a Baixada. E o problema não está apenas nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), mas em todas as unidades de saúde. Diariamente, os moradores enfrentam sérios problemas para conseguir atendimento médico. Buscam socorro na UPA, que manda para a Clínica da Família, que por sua vez, encaminha para o hospital. É uma grande peregrinação. Por isso, precisamos integrar todo o sistema e fazer os hospitais funcionarem”, defendeu o candidato, que mal conseguiu caminhar pelo calçadão, tamanho o assédio dos moradores. 
Questionado sobre as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), Garotinho afirmou mais uma vez não ser contra as unidades. “Nunca saiu da minha boca que vou acabar com as UPPs. Isso é um boato criado pelo próprio PMDB. Eu defendo a implantação de um projeto mais avançado, que invista também em programas sociais. No meu governo, vamos criar os Batalhões de Defesa Social. A polícia não pode ser o único remédio para combater a criminalidade”. 
Pela manhã, numa caminhada no calçadão de Bangu, na Zona Oeste do Rio, o ex-governador defendeu o transporte alternativo, prometendo que no seu futuro governo não haverá perseguição do Detro (Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro) aos motoristas de vans e kombis. “O Detro é bonzinho com os empresários de ônibus e covarde com os motoristas de vans. Isso não pode acontecer. A lei tem que ser igual para todos”, afirmou Garotinho, que defende que vans e kombis funcionem como transporte complementar aos ônibus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário