sábado, 23 de agosto de 2014

VAMOS PROMOVER A VOLTA DO CAFÉ DA MANHÃ A R$ 0,35 NAS ESTAÇÕES DA SUPERVIA



"Garotinho promoverá volta do café da manhã a R$ 0,35 nas estações da SuperVia 
Anúncio foi feito pelo candidato do PR durante panfletagem na Central do Brasil 
O candidato ao governo do Rio pela coligação Força do Povo (PR-Pros-PT do B), Anthony Garotinho, anunciou que irá promover a volta do café da manhã para os trabalhadores nas estações de trem da SuperVia. “Quero afirmar aqui mais um compromisso meu com o povo do Rio. Vou voltar com o café da manhã nas estações de trem. Esta era uma iniciativa criada por mim, mas que o governo atual acabou. Ela é muito importante para o trabalhador, que paga apenas R$”, observou. 
Garotinho defendeu a implantação de uma política de investimentos nos hospitais públicos do estado e reafirmou que não acabará com as UPAs – Unidades de Pronto-Atendimento -, classificadas por ele como “a porta de entrada do sistema”. Ele reafirmou que irá criar uma central de regulação de leitos no estado, a fim de evitar a peregrinação de pacientes em busca de atendimento. Pela manhã, o candidato panfletou na Central do Brasil e em seguida participou de uma entrevista a uma emissora de rádio, onde reafirmou que irá ampliar o desconto de 50% no valor do IPVA para todos os motoristas e não somente para os empresários de ônibus, conforme fez o ex-governador Sérgio Cabral. O prazo de vistoria dos veículos realizada pelo Detran, informou, deixará de ser anual. Garotinho explicou que a inspeção veicular passará ser realizada a cada dois anos. “Carro com placa final par será emplacado em ano par, carro com final ímpar será emplacado em ano ímpar”. 
O ex-governador reafirmou que irá manter as UPPs, e salientou que jamais pensou em acabar com o programa. Ele ressaltou, no entanto, que a presença da polícia nas comunidades precisa ser aperfeiçoada. “O governo atual não prende ninguém”, criticou, defendendo a implantação de programas sociais para os jovens na faixa etária dos 16 aos 24 anos. “São esses os que mais matam e os que mais morrem”, observou ele, que irá criar o Batalhão de Defesa Social nas comunidades. 
O candidato do PR disse que manterá o Bilhete Único, mas ressaltou a necessidade de o estado controlar os gastos com o benefício destinado ao trabalhador. “O que não pode é a empresa de ônibus dizer quanto que ela tem que receber do estado. É o mesmo que botar a raposa para tomar conta do galinheiro”, comparou. 
Garotinho informou ainda que irá buscar a renegociação da dívida pública do estado, a exemplo do que fizera quando assumiu o governo em 1999 das mãos do então governador Marcelo Alencar – já falecido. Ele observou que irá renegociar os contratos, ampliando sobretudo os prazos de pagamento. O candidato disse que buscará uma relação de cordialidade com todos os governantes, das diferentes esferas de poder. 
Lembrou que quando era governador do Rio procurava manter um bom entendimento com o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. Garotinho recordou que só conseguiu renegociar a dívida do estado por causa do empenho pessoal de FHC em ajudar o Rio a solucionar a grave crise financeira que atravessava. 
O candidato republicano comentou como seria o seu futuro relacionamento com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, do PMDB, caso seja eleito. “Uma coisa é relacionamento, a outra é submissão. Relacionamento eu tenho com todo mundo. Relação de submissão, isso não é bom”, avaliou Garotinho, numa clara referência à relação entre Paes e o ex-governador, Sérgio Cabral. “Tenho certeza de que se o Eduardo Paes fosse consultado, ele certamente teria dito ao Cabral para não viajar a Paris todo fim de semana, não fazer farra e nem dançar com guardanapo na cabeça”, afirmou Garotinho, ao se referir ao episódio em que o então governador Sérgio Cabral se deixou fotografar num sofisticado restaurante na Europa com o empresário Fernando Cavendish, então dono da empreiteira Delta, envolvida numa série de denúncias de corrupção. 
Renato Homem

Nenhum comentário:

Postar um comentário