terça-feira, 6 de maio de 2014

RIO: MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGA SUSPEITA DE FRAUDES EM OBRAS




Um novo escândalo poderá se abater sobre o governo Cabral-Pezão caso sejam confirmadas as suspeitas do Ministério Público Federal de fraudes nas licitações para realização de obras do PAC em comunidades carentes.
Empresa que foram excluídas do processo licitatório fizeram a denúncia sobre um esquema de fraudes.
É impressionante a incidência de suspeitas que recaem sobre as obras realizadas com o dinheiro público, o nosso dinheiro, no Rio de Janeiro e no Brasil como um todo.
Isso também ocorre com relação aos contratos de prestação de serviço.
O noticiário sempre contém uma denúncia sobre essas obras e/ou sobre esses contratos.
A população deve exigir respostas e o Ministério Público deve mostrar a sua tenacidade em esclarecer todas as dúvidas e responsabilizar os culpados.
Não podemos esquecer que no movimento popular que ganhou as ruas no ano passado, o povo deu um voto de confiança ao Ministério Público quando obrigou o Congresso Nacional a votar e a rejeitar a PEC 37.
A melhor maneira do MP retribuir é fiscalizando o gasto de cada centavo do nosso dinheiro.
"JORNAL DO BRASIL
MPF deve ouvir governo do Rio e empreiteiras em suspeita de fraudes em obras 
Investigações são de supostas irregularidades nas licitações para obras do PAC em comunidades 
Cláudia Freitas 
Representantes do governo do Estado do Rio de Janeiro e das empreiteiras Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Noberto Odebrecht, além da empresa francesa Pomalgalski S.A devem ser ouvidos em breve pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF). 
O motivo diz respeito às investigações sobre supostas irregularidades nas licitações realizadas no ano de 2008 para as obras públicas financiadas com o recurso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nas comunidades da Rocinha, na zona Sul, no Conjunto de Favelas do Alemão e na Manguinhos, zona Norte. Na época, empresas excluídas do processo entraram com recursos e denunciaram um suposto esquema fraudulento (Conheça mais sobre a investigação).

Nenhum comentário:

Postar um comentário