sábado, 17 de maio de 2014

COPA DO MUNDO: POPULAÇÃO DO RIO DE JANEIRO MOSTRA DESINTERESSE PELO EVENTO



A imprensa tem feito uma campanha gigantesca para motivar a população brasileira para a Copa do Mundo de Futebol.
As empresas que patrocinam o evento gastam bilhões em propaganda para divulgar o evento.
Apesar de tanto esforço e de tanto dinheiro investido, basta passear pelo Rio de Janeiro para perceber que a população fluminense não está motivada para a Copa 2014 como esteve para outras Copas.
O número de ruas enfeitadas para a Copa do Mundo é diminuto se compararmos como estava o Rio de Janeiro, isso faltando poucos dias para o início dos jogos.
A conclusão que cheguei sobre esse fenômeno passa pela conscientização da população brasileira de que não foi bom para o povo a realização da Copa no Brasil.
A população percebeu que o esforço dos governantes para realizar o evento no Brasil não tem qualquer relação com o bem estar da população.
A população concluiu que a Copa servirá para poucos ganharem muito dinheiro.
A Copa não é do povo.
A Copa não é para o povo.
Aliás, o povo verá a Copa pela televisão, como se ela ocorresse em qualquer outro país, pois não tem dinheiro para comprar os ingressos, eis a verdade.
O povo viu que muito dinheiro público foi gasto em estádios de futebol, obras cada dia mais caras, repletas de aditivos.
O que Sérgio Cabral gastou na reforma do Maracanã pode ser considerado "criminoso" diante dos problemas do estado do Rio de Janeiro.
Dinheiro que deveria ser aplicado na segurança, na saúde, na educação e nos transportes públicos.
Não resta dúvida que o povo está despertando e isso terá reflexos nas urnas eletrônicas.
Certamente, ruas ainda serão enfeitadas, bandeiras serão colocadas nas janelas e nos carros, mas está muito claro que o povo se sente enganado pelos governantes que trouxeram o evento para o Brasil.
Sim, torceremos pelo sucesso da seleção, queremos ser campeões, a nossa paixão não diminuiu.
Na verdade foi o nosso senso crítico que aumentou.
Parabéns, população do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário