sexta-feira, 23 de maio de 2014

BOMBEIROS E POLICIAIS MILITARES: LÍDERES EM POTENCIAL



No ano de 2007, Oficiais e Praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, integrantes do grupo denominado "40 da Evaristo" (jornal e foto), inauguraram uma nova estratégia para lutar por melhores condições de trabalho e por salários justos.
O que fizeram?
Idealistas, levaram à nossa luta para as ruas do Rio de Janeiro.
Eles foram interagir com a população, apresentando as nossas dificuldades para o povo e fizeram isso de forma ordeira e pacificamente, como tinha que ser.
Surgiram os "Coronéis Barbonos", veio a luta pela "PEC 300" e nasceu a mobilização "SOS Bombeiros".
São sete anos de lutas nas ruas, período em que surgiram várias "lideranças", tanto entre os Praças, quanto no seio dos Praças.
Todos foram muito importantes e todos acertaram e erraram, como seres humanos que são.
Muitos estão desde o começo na luta, outros foram chegando. Todos são fundamentais para o sucesso.
A mobilização dos Bombeiros e dos Policiai Militares amadureceu e conseguiu eleger representantes no Poder Legislativo.
Vitória!
O primeiro passo foi dado e o movimento precisa continuar amadurecendo, pois novas eleições se aproximam e temos que continuar conquistando vitórias.
Não somos mais amadores em mobilização.
Não somos mais desinformados em política.
Somos vitoriosos e isso é fruto da nossa organização, do nosso idealismo, do nosso destemor e, além disso, do nosso conhecimento.
Hoje, politicamente, não é mais fácil nos manobrar politicamente, eis a verdade.
No intuito de contribuir para a continuidade do nosso crescimento, começo com esse artigo a postar artigos que considero importantes para auxiliar a nossa formação de opinião, pois, repito, não somos mais manobráveis.
A seguir transcrevo parte de um artigo sobre liderança.
Leia, analise e conclua que tipo de líder (representante) a nossa mobilização necessita na ALERJ e na Câmara de Deputados.
Boa leitura.



"ESTILOS DE LIDERANÇA: AUTOCRÁTICA, DEMOCRÁTICA E LIBERAL
Existem vários estilos de liderança. Dos estudos sobre a teoria dos estilos de liderança, refere-se a três estilos. São eles: AUTOCRÁTICA, DEMOCRÁTICA e LIBERAL. Vejamos algumas características e particularidades deles.
Guilherme Metidieri, 3 de março de 2011
Existem várias teorias sobre os estilos de liderança. A finalidade desses estudos é estudar a relação do líder com seus subordinados e observar de que maneira o líder orienta sua conduta e seu estilo de liderança. Tem a finalidade também de expor as características e personalidades dos estilos de liderança. 
Dos estudos sobre a teoria dos estilos de liderança, refere-se a três estilos. São eles: AUTOCRÁTICA, DEMOCRÁTICA e LIBERAL.
Abaixo, pode-se observar algumas características relacionadas a cada estilo de liderança citado. AUTOCRÁTICA 
Apenas o líder fixa as diretrizes, sem qualquer participação do grupo;
O líder determina as providências e as técnicas para a execução das tarefas, cada uma pôr vez, na medida em que se tornam necessárias e de modo imprevisível para o grupo;
O líder determina qual a tarefa que cada um deve executar e qual o seu companheiro de trabalho;
O líder é Dominador e é "pessoal" nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro. DEMOCRÁTICA 
As diretrizes são debatidas pelo grupo, estimulado e assistido pelo líder;
O próprio grupo esboça as providências e as técnicas para atingir o alvo solicitando aconselhamento técnico ao líder quando necessário, passando este a sugerir duas ou mais alternativas para o grupo escolher. As tarefas ganham nova perspectivas com os debates;
A divisão das tarefas fica a critério do próprio grupo e cada membro tem liberdade de escolher seus companheiros de trabalho;
O líder procura ser um membro normal do grupo, em espírito, sem encarregar-se muito de tarefas.
O líder é "objetivo" e limita-se aos "fatos" em suas críticas e elogios. 
LIBERAL 
Há liberdade completa para as decisões grupais ou individuais, com participação mínima do líder;
A participação do líder no debate apenas materiais variados ao grupo, esclarecendo que poderia fornecer informações desde que as pedissem;
Tanto a divisão das tarefas, como a escolha dos companheiros, fica totalmente a cargo do grupo. Absoluta falta de participação do líder;
O líder não faz nenhuma tentativa de avaliar ou de regular o curso dos acontecimentos;
O líder somente faz comentários irregulares sobre as atividades dos membros quando perguntado (Fonte)".

Nenhum comentário:

Postar um comentário