sábado, 19 de abril de 2014

BA: A INEXPLICÁVEL PRISÃO DO VEREADOR PRISCO



Os Policiais Militares da Bahia desenvolveram um movimento grevista que durou poucos dias mais foi suficiente para levar o caos às ruas das principais cidades baianas. Tropas federais foram chamadas para substituírem os Policiais Militares grevistas.As negociações avançaram, o governo atendeu às solicitações e a paralisação foi encerrada.
Tudo parecia resolvido quando eclode a notícia da prisão do Vereador Prisco, apontado como líder da greve.
A prisão não foi referente ao movimento atual, mas sim ao movimento de 2012, quando ele também liderou a greve na Bahia e existiam movimentos também em outros estados, o que fez com que os governantes alegassem que estava sendo organizada uma greve nacional de Policiais Militares e buscassem enquadrar os movimentos na Lei de Segurança Nacional, uma grande invenção.
No Rio de Janeiro, Bombeiros e Policiais Militares que participaram da mobilização salarial foram presos e ilegalmente encarcerados em Bangu 1 sob idêntica alegação falaciosa, uma afronta aos seus direitos e as suas prerrogativas, pois deveriam ser acautelados em quartéis, nunca em presídios ou penitenciárias.
Segundo o noticiário, prenderam Prisco baseado nesse processo que faz referência à Lei de Segurança Nacional, todavia esqueceram que todos os Bombeiros e Policiais Militares que participaram do movimento de 2012 foram anistiados criminalmente pela Presidente Dilma e administrativamente pelos governos estaduais.
Salvo melhor juízo, Prisco foi anistiado criminalmente, como justificar essa prisão se o crime foi anistiado?
Além disso, como militar estadual, Prisco não pode ser colocado em um presídio comum, isso é ilegal.
Como não poderia deixar de ser a prisão de Prisco realimentou o movimento grevista que já tinha sido interrompido.
Leia algumas das notícias sobre o fato:
- Prisão de Prisco: PMs se aquartelam na Bahia e comando tenta acalmar a tropa (Leiam).
- Deputado estadual Capitão Tadeu conclama a tropa para novo movimento (Leiam).
Após essa desastrada ação dos governantes, não podemos avaliar o que poderá ocorrer na Bahia.
Vale fazer uma colocação muito importante: governantes civis que tanto criticam as arbitrariedades que foram cometidas nos governo militares, parecem que querem dar o troco praticando arbitrariedades contra os militares federais e estaduais, sendo que os Bombeiros e os Policiais Militares tem sido as vítimas preferenciais.
Governantes rasgam a legislação, uma ação que só pode ser encarada como ditatorial, para prejudicarem Bombeiros e Policiais Militares.
O governo Cabral-Pezão fez isso no Rio de Janeiro em 2011 e 2012, diante de um Ministério Público inerte e de um Judiciário complacente,. pois até a presente data ninguém foi responsabilizado pelo encarceramento criminoso de Bombeiros e de Policiais Militares em Bangu 1.
Vivemos em uma ditadura civil?
Deixo  a pergunta para sua reflexão.
Foto: Deputado Federal Mendonça Prado, eu e Prisco.

3 comentários:

  1. se eles prende os estudantes, porque não vocês, se um vai tem que ir todos pra cadeia, políticos corruptos, pollicia mau administrada treinada pra matar, fico feliz se todos fossem pro bangu 1 juntos aos estudantes, para que eles recebesse todas as porradas que eles dão aos cidadões e principalmente aos professores

    ResponderExcluir
  2. Porque eles não, qual a diferença deles para os estudantes que foram presos, bom é deixar todos juntos no bangu 1, para os estudantes ir as forras senta a porrada pessoal, devolva a eles, todas as merdas que eles fizeram com vocês nas ruas e principalmente com os professores, cadeia é pra todos

    ResponderExcluir
  3. Primeiramente, a de se louvar a coragem de toda a tropa da PM Baiana pela greve e do Marcos Prisco que foi eleito pelos governantes deste País como inimigo numero 01, pois em ano eleitoral de Copa do Mundo o que eles conquistaram não é pouca coisa.
    É um fato histórico.agora vamos esperar que a PMERJ acorde...

    ResponderExcluir