GOVERNO CABRAL: 40 MIL DESAPARECIDOS NO RIO DE JANEIRO



 
Os números oficiais divulgados pelo governo Sérgio Cabral sobre os homicídios revelavam uma diminuição, algo que a imprensa pró-Cabral replicava em jornais e revistas, enaltecendo o êxito da gestão da segurança pública.
Tudo ia seguindo esse roteiro até que olharam para o número de desaparecidos no governo Cabral e surgiu a dúvida se o número de homicídios estava diminuindo pelo simples fato de que os corpos não estavam sendo encontrados, pois os números de desaparecidos aumentava, coincidentemente.
O corpo de Amarildo, o morador da Rocinha, por exemplo, nunca foi encontrado.
Os Policiais Militares estão sendo acusados de tortura, de homicídio e de ocultação de cadáver, apesar do cadáver (a prova da morte) ainda não ter sido encontrado.
Isso, obviamente, não significa que os PMs são inocentes, mas gera dúvida.
Pergunto:
Tecnicamente, como estão contabilizando o "Caso Amarildo"?
Homicídio ou desaparecimento?
Bem, o certo é que nunca desapareceram tantas pessoas no Rio de Janeiro como no governo Sérgio Cabral, como comprova a reportagem do site Congresso em Foco (Link).
Eu recomendo a leitura, ela é importante para a formação de opinião sobre a gestão da segurança pública no Rio de Janeiro. Afinal, estamos falando em 40 mil desaparecidos de 2007 a 2013, período do governo Cabral e da gestão Beltrame na Secretaria de Segurança Pública.
40 mil.
Não esqueçam, 40 mil desaparecidos.
Isso sem falar que o número de homicídios voltou a crescer em 2013.