GOVERNADOR CABRAL, AS SUAS DESCULPAS NÃO TRARÃO CLÁUDIA DE VOLTA

Politicamente sempre trás algum saldo positivo o gesto do governante pedir desculpas após algum erro do seu governo. Isso passa uma ideia de humildade, sobretudo quando as desculpas são direcionadas para pessoas humildes que foram vítimas de alguma tragédia, como a que se acometeu sobre a família da diarista Cláudia da Silva Ferreira, ferida mortalmente no curso de uma operação policial. A tragédia ganhou maior dimensão em face de na ânsia de socorrê-la, Policiais Militares acabaram não tendo o devido cuidado e o corpo da vítima acabou sendo arrastado, gerando imagens chocantes que estão correndo o mundo.
Não tenho dúvidas de que se os familiares de Cláudia procurassem antes da tragédia o governo Cabral para solicitar providências sobre a violência vivenciada na comunidade onde residem, não passariam da recepção do Palácio Guanabara. Alguém discorda?
O governador Sérgio Cabral devia ter sido proativo para evitar a tragédia, por exemplo, evitando as operações "tiro, porrada e bomba" que continuam ocorrendo, por ordem da sua secretaria de segurança pública, nas comunidades carentes onde não foi instalada uma UPP, ou seja, na maioria das comunidades.
Isso sim seria eficiente, pois foi uma operação desse tipo que matou Cláudia, ferida por um tiro disparado por um traficante ou por um policial, não as desculpas póstumas que não trarão de volta a esposa e mãe.
"O GLOBO
 

 

Cabral pede desculpas à família de mulher arrastada por carro da PM
Governador prometeu auxílio psicológico e indenização aos parentes de Cláudia da Silva Ferreira
Eles se reuniram no Palácio Guanabara, em Laranjeiras
Sérgio Ramalho Publicado:
19/03/14
RIO - Após o governador Sérgio Cabral se reunir no Palácio Guanabara com a família da auxiliar serviços gerais Cláudia da Silva Ferreira, que morreu após ser baleada em Madureira e arrastada por um carro da Polícia Militar, presa ao porta-malas, o secretário de Assistência Social, Pedro Fernandes, disse que Cabral fez questão de falar e pedir descuplas aos parentes da vítima. Segundo ele, os familiares vão receber apoio psicológico, além do pagamento de uma indenização cujo valor ainda não foi definido (Leia mais)".