EDUARDO PAES DEMITE 300 GARIS


 
A criatura poderá superar o criador.
O prefeito Eduardo Paes é cria do governador Sérgio Cabral, ambos são do PMDB.
Eles são quase idênticos em termos comportamentais e tem na vaidade uma característica marcante, pois odeiam ser contrariados.
Não aprenderam que agir democraticamente significa aceitar inclusive as ideias contrárias as suas e a ter que ceder quando o interesse público estiver em jogo.
Os resultados negativos dessas posturas ditatoriais são de domínio público, não vou repetir.
Aliás, posso afirmar que no caso específico da negociação com os garis, os resultados estão espalhados por toda a cidade, coberta de lixo.
Sérgio Cabral é o governante mais odiado na história política do estado do Rio de Janeiro, mas como Eduardo Paes ainda permanecerá até o final de 2016, tudo leva a crer que a criatura superará o criador.
Eduardo Paes tem tudo para ser mais odiado pelo povo que Sérgio Cabral, olha que essa não é uma tarefa fácil.
"EBC Agência Brasil
Geral
Comlurb anuncia demissão de 300 garis que não compareceram ao trabalho
04/03/2014 12h14 Rio de Janeiro
Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil
Edição: Carolina Pimentel
A Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro (Comlurb), da prefeitura, iniciou nesta manhã (4) o processo de demissão de 300 funcionários que não compareceram ao trabalho para o turno das 19h de ontem (3).
De acordo com a companhia, a demissão está prevista na Cláusula 65 do acordo firmado entre a companhia e o Sindicato dos Empregados das Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro. Quem voltou ao trabalho terá os dias parados abonados.
O acordo firmado ontem entre a categoria e a Comlurb prevê 9% de aumento salarial para os cerca de 15 mil garis da cidade. O piso salarial inicial será R$ 874,79, mais 40% de adicional de insalubridade que elevará o salário para R$ 1.224,70. Além do aumento salarial, o acordo estipula mais 1,68% no Plano de Cargos, Carreiras e Salários, com progressão horizontal, bônus de 100% na hora extra para quem trabalhar nos domingos e feriados, mantendo o direito à folga, como já é previsto em lei; plano odontológico, ampliação do prêmio do seguro de vida de R$ 6,3 mil para R$ 10 mil, aumento do vale-alimentação de R$ 12 para R$ 16, auxílio-creche para ambos os sexos e acordo de resultados possibilitando um 14º e 15º salários.
A empresa diz que, por lei, as duas partes tinham até o dia 31 de março para fechar um acordo, “mas tendo em vista o movimento de um grupo sem representatividade que vinha interferindo na rotina do trabalho de limpeza da Comlurb nos últimos dias, a companhia e o sindicato aceleraram as negociações e definiram itens importantes da pauta de reivindicações”.
Por sua vez, o movimento grevista alega que o sindicato não representa a categoria e vinha negociando com a prefeitura sem as devidas consultas em assembleias. Um dos porta-vozes da comissão de greve, Alexandre Paes, informou que um novo protesto está marcado para esta tarde na Central do Brasil, no centro da cidade.
“Essas demissões foram uma covardia, mas nós não desistiremos. Estamos aqui na Central do Brasil e vamos protestar e a greve vai continuar”, disse.
Os grevistas reivindicam aumento do salário, que atualmente é R$ 803 para R$ 1,2 mil, aumento do tíquete-refeição de R$ 12 para R$ 20 por dia, a volta do pagamento do triênio e do quinquênio, “que nos foram tirados” entre outras reivindicações, algumas já atendidas pela contra-proposta, como o auxílio-creche para ambos os sexos (Fonte).

Comentários