quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

VEJAM COMO EDUARDO PAES (PMDB) TRATA A POPULAÇÃO FLUMINENSE



Ninguém aguenta mais vivenciar esse descaso com a vida humana nos hospitais públicos do Rio de Janeiro.
Eu só vejo uma solução:
- O responsável por tal caos deve ser investigado, condenado e preso.
Só quando o primeiro for condenado e trancafiado, os responsáveis passarão a tratar dignamente a sofrida população fluminense, homens e mulheres, jovens e idosos, que só procuram esses "hospitais" em razão de não terem outra alternativa.
Tenho certeza que o encarceramento do primeiro irá provocar uma grande mudança no sistema público de saúde no Rio de Janeiro, mas enquanto isso não acontecer, a situação se repetirá. 
"O GLOBO 
Pacientes são atendidos no chão na emergência do Salgado Filho
Profissionais enviaram fotos denunciando situação precária do hospital ao Cremerj
Waleska Borges
13/02/14 - 5h00
RIO — Pacientes atendidos no chão e até na bancada dos armários. As cenas registradas por profissionais de saúde do Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, foram enviadas ao Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj). As imagens feitas na sala vermelha da emergência, no último dia 03, segundo o presidente da entidade, Sidnei Ferreira, mostram um problema que tem sido frequente na unidade: a superlotação. Segundo Ferreira, a situação é agravada com a falta de recursos humanos. Para os médicos, a emergência deveria ser referenciada — fechar a porta de entrada — até que o deficit de pessoal seja suprido.
De acordo com um profissional de saúde, que pediu para não ser identificado, a sala vermelha da emergência — que recebe pessoas graves — tem capacidade para atender de 10 a 12 pacientes. No entanto, não é raro as vezes que o lugar abriga de 25 a 30 doentes. Segundo ele, os casos de pacientes deitados no chão são de pessoas que sofreram uma parada cardíaca ou estavam com a pressão muito baixa. Elas precisavam ser atendidas deitadas, mas não havia leitos disponíveis. Segundo os médicos, a emergência ficou ainda mais sobrecarregada após a desativação de 12 leitos de clínica médica pela falta de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem.
— Os atendimentos na bancada ou no chão não são pontuais. Eles já se tornaram rotina. A sensação é a pior possível. Os pacientes atendidos dessa maneira não têm a menor dignidade — contou o profissional de saúde (Leiam mais). 

Um comentário:

  1. Olimpíadas é o nome, votem nesses enganadores.

    ResponderExcluir