segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

UPPs: PACIFICAÇÃO? HORA DE MUDAR A DENOMINAÇÃO



O termo "pacificação" se mostra a cada dia menos adequado para ser usado no único projeto da área de segurança pública do governo Sérgio Cabral (PMDB) e precisa ser mudado com urgência, pois acaba servindo de chacota, diante dos tiroteios que continuam acontecendo nas denominadas "comunidades pacificadas".
Na Rocinha, por exemplo, o termo nunca deveria ser usado, tendo em vista que desde que a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na comunidade, o que temos assistido é uma guerra entre traficantes e ataques aos Policiais Militares.
Para acabar com a ironia Cabral poderia voltar a usar  a denominação antiga das UPPs para denominar o atual projeto: Grupamento de Policiamento em Áreas Especiais (GPAEs).
Nesse caso terá que deixar de lado a vaidade, pois esse projeto foi iniciado antes do seu governo.
"ESTADÃO
Dois comandantes de UPPs do Rio ficam feridos durante confronto na Rocinha Moradores e policias dizem que dupla foi atingida por estilhaços de granada
16 de fevereiro de 2014 | 13h 41
SÃO PAULO - O comandante das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio, coronel Frederico Caldas, e a comandante da UPP local, major Priscila de Oliveira, ficaram feridos durante tiroteio ocorrido no fim da manhã deste domingo, 16, na Favela da Rocinha, em São Conrado, na zona sul. Moradores da favela e até mesmo policiais que participavam da operação relatam que Caldas foi atingido por estilhaços de uma granada durante o confronto ocorrido no fim da manhã. A Coordenadoria de Polícia Pacificadora nega a informação, sustentando que o coronel "sofreu uma queda e teve escoriações leves" na cabeça quando tentava se abrigar. A princípio, o ferimento da major Pricilla tinha sido negado oficialmente, mas já foi divulgado que ela sofreu escoriação no pulso esquerdo (Leiam mais).

Nenhum comentário:

Postar um comentário