quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

SOMOS TODOS TINGAS - DIGAM NÃO AO RACISMO



Deplorável a demonstração de racismo dada pelos torcedores do Real Garcilaso (Peru) no jogo contra o Cruzeiro pela Taça Libertadores, ofendendo não só o jogador Tinga, mas toda a humanidade.
O racismo deve ser repudiado por todas e por todas. 
Torço para que a equipe peruana receba uma punição, como o desligamento da competição. 
Somos todos Tingas. 
" SUPER ESPORTES
RACISMO
Em nota, CBF apoia Tinga e repudia ato de racismo contra o jogador do Cruzeiro
Presidente da entidade condenou os atos de racismo no jogo dessa quarta
Agência Estado
A CBF usou o seu site oficial, no início da tarde desta quinta-feira, para manifestar apoio ao volante Tinga, vítima de racismo no Peru, na última quarta à noite, no jogo de estreia do Cruzeiro nesta Copa Libertadores. Após entrar em campo no decorrer da partida, substituindo Dagoberto, ele ouviu torcedores locais emitirem sons de macacos durante a derrota por 2 a 1 para o Real Garcilaso. 
Ao lamentar o episódio, a entidade que comanda o futebol brasileiro inicialmente se utilizou do Twitter e escreveu a frase: "Por um mundo sem racismo, sem preconceito e sem desrespeito". Em seguida, postou as hashtags #SomosIguais e #FechadoComOTinga, ambas acima de uma imagem do símbolo da CBF dividido ao meio com as cores branca e preta e exibindo abaixo dele a frase: "Somos iguais". 
Pouco depois de usar o Twitter, a entidade divulgou nota oficial na qual destacou: "A CBF, entidade máxima do futebol brasileiro repudia toda e qualquer forma de preconceito dentro de fora de campo. Na noite desta quarta-feira, o jogador Tinga, do Cruzeiro foi vítima da condenável demonstração de racismo por parte dos torcedores do Real Garcilaso na estreia da equipe na Taça Libertadores 2014, no Peru". 
Em seguida, a entidade lembrou que Tinga não foi o primeiro jogador brasileiro a sofrer com preconceito nos gramados. "Neymar, Marcelo, Diego Maurício, Roberto Carlos, Hulk e outros já foram também alvo dessa prática que fere as mais elementares normas de civilidade", escreveu a entidade. 
Para finalizar, o presidente da CBF, José Maria Marin, condenou os atos de racismo contra Tinga no Peru. "Não só como presidente da CBF, mas, sobretudo como amante do futebol, tenho o dever de repudiar essa prática absurda de racismo que continua acontecendo nos estádios. O futebol é símbolo de congraçamento, de alegria e não de demonstrações de preconceito e intolerância" ressaltou (Leiam a íntegra)".

Nenhum comentário:

Postar um comentário