domingo, 2 de fevereiro de 2014

PM ASSASSINADA EM UPP E O MINISTÉRIO PÚBLICO VAI INVESTIGAR ESCALAS DE POLICIAIS MILITARES



As escalas de serviço dos Bombeiros e dos Policiais Militares tem sido alvo de constantes reclamações da tropa. As escalas não respeitam a carga horária, além disso os serviços extras são frequentes. Nem os serviços extras remunerados tem agradado ao contingente, pois são frequentes os atrasos no pagamento dos serviços prestados.
Tudo isso é reflexo da má gestão na área da segurança pública, um problema que se arrasta pelos sete anos do governo Sérgio Cabral.
A segurança pública virou o samba de uma nota só: as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).
Pior, uma nota só mal tocada, pois os problemas gerados pelas UPPs, os efeitos colaterais são sentidos por toda a população do Rio de Janeiro.
Sem dúvida, nunca um governo desvalorizou e desqualificou tanto a tropa da Polícia Militar, quanto o governo Sérgio Cabral.
O Policial Militar que deveria ser o patrimônio da Polícia Militar, como lemos em alguns quartéis da PMERJ, na realidade é um abandonado, um órfão desse governo.
Hoje, uma nova tragédia se abateu sobre a Polícia Militar, mais um PM que trabalha em UPP foi morto em serviço, a segunda Policial Militar feminina assassinada quando prestava serviço para a população. Ela morreu, outros ficaram feridos e a péssima gestão da segurança pública vai destruindo a PMERJ,. dia após dia (Leiam).
Os nossos pêsames aos familiares e aos amigos da Soldado PM Feminina Alda.
"JORNAL O DIA
COLUNA DO SERVIDOR
com Alessandra Horto
01/02/2014 23:04:52
MP abre inquérito sobre escala de serviço de PMs do Rio
Denúncias apontam cargas de trabalho abusivas em batalhões
STEPHANIE TONDO
Rio - O Ministério Público Estadual abriu inquérito para apurar denúncias de cargas de trabalho abusivas que seriam praticadas em batalhões da Polícia Militar do Rio. De acordo com as denúncias, há relatos de policiais que seriam submetidos a escalas de serviço de até 296 horas mensais ou superiores a 60 horas semanais. Inclusive, com escalas consecutivas, sem intervalo para o repouso reparador necessário (Leia mais)".

Nenhum comentário:

Postar um comentário