domingo, 23 de fevereiro de 2014

O CAOS NO TRANSPORTE PÚBLICO NO RIO DE JANEIRO



O caos no transporte público no Rio de Janeiro é um tema recorrente nesse espaço, um problema que longe de ter uma solução parece se agravar diariamente, trazendo sofrimento para a população.
O governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes não devem gostar da população, considerando que a tratam tão mal.
No  Rio de Janeiro nenhum serviço público, quer seja prestado diretamente pelo governo, quer seja prestado por uma concessionária, funciona de modo a atender com dignidade o povo fluminense.
Indico a leitura da pesquisa noticiada que transcrevo a seguir:
"O GLOBO
Transporte quente e lotado é o que mais irrita os cariocas, diz pesquisa
Engarrafamentos, filas e insegurança também incomodam a populaçãoxxxxxxxx Publicado: 23/02/14 - 6h00 Atualizado: 23/02/14 - 8h49
RIO - Não há jeitinho nem mergulho no mar capazes de esconder, ou aliviar, a verdade incômoda, escancarada no verão mais complicado dos últimos tempos: o carioca, aquele espécime gente boa, que costuma rir de si mesmo, bater papo com desconhecidos e ser famoso pelo jeito desencanado de encarar a vida, anda estressado. Muito estressado. E, embora não seja difícil arriscar o porquê, o Laboratório de Pesquisa da Unicarioca resolveu sair às ruas para descobrir o que tem deixado os moradores do Rio com os nervos à flor da pele. Na cidade tomada por quase 110 frentes de obra, com o calor batendo recordes, e o transporte público cheio de problemas, não deu outra: entre os cinco principais motivos apontados, três deles estão relacionados às complicações do simples ato de ir e vir. Em primeiro lugar, aparece como grande vilão o transporte lotado ou sem ar-condicionado, considerado altamente estressante para 56% dos 762 entrevistados.
Depois, com 49%, foi citada a “demora excessiva em chegar em algum lugar no horário marcado (as ruas parecem que têm mais carros)”, nome comprido com que a Unicarioca batizou o onipresente engarrafamento. Em terceiro lugar, o carioca apontou a sensação de insegurança (40%) e, em quarto, as filas intermináveis(39%) — que vão desde aquelas para embarcar em ônibus, trens e barcas até as do banco ou dos restaurantes a quilo na hora do almoço. Por último, a corrupção foi mencionada por 37% dos entrevistados, que puderam citar mais de um transtorno (Leiam mais)".
Foto: Transportes lotados: uma das situações que mais incomodam os cariocas Custódio Coimbra / Agência O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário