sábado, 22 de fevereiro de 2014

NO RIO ERROU O CAMINHO, ACABA BALEADO



O Rio de Janeiro está cada dia mais inseguro.
Basta abrir um jornal ou uma revista, basta ligar uma televisão ou um rádio, para ler ou ouvir logo uma notícia ligada à insegurança. 
O número de notícias sobre violência é tão grande que se não fosse de domínio público que o governador Sérgio Cabral e o secretário de segurança Beltrame receberam um grande apoio da imprensa nesses mais de sete anos, logo apareceria a desconfiança de que a imprensa estaria fazendo campanha contra os dois.
Não tem hora, não tem lugar, a violência está presente em todos os lugares e em qualquer horário, inclusive nas comunidades que foram "pacificadas" os tiroteios são frequentes.
Ontem, bastou um motorista de São Paulo errar o caminho na Linha Vermelha para acabar baleado na Maré.
No Rio errou o caminho, acaba baleado.
O governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes poderiam investir na instalação de placas de sinalização de trânsito contendo o aviso: "Não entre! Perigo de morte!"
"JORNAL EXTRA
Casos de Polícia
22/02/2014
Paulista errou caminho da Linha Vermelha e foi baleado ao entrar no Complexo da Maré 
Marcos Nunes 
O caminhoneiro paulista Diogo Alessandro dos Santos, de 29 anos, foi baleado por traficantes no Complexo da Maré, em Bonsucesso. Na madrugada da última quarta-feira, ele dirigia um automóvel, na Linha Amarela, e acabou entrando por engano na Vila do João. Depois de ouvir tiros disparados por traficantes que controlam o comércio de drogas na comunidade, Diogo foi atingido por um disparo na barriga.
Socorrido por moradores da Vila do João, ele foi levado inicialmente para a UPA da Maré. De lá, foi transferido em uma ambulância da unidade para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha. Morador de Ubatuba, cidade do Litoral Norte de São Paulo, ele passou por uma cirurgia e está internado em observação.
A informação sobre o crime foi recebida pelo Whats App do EXTRA (21 9 9644-1263). Ontem, dois policiais da 21ª DP (Bonsucesso), onde o caso foi registrado, estiveram no Getúlio Vargas para ouvir o depoimento do caminhoneiro. Ele contou que, pouco antes do crime, na altura de Bonsucesso, havia parado para pedir uma informação sobre como acessar um retorno que o levasse para a pista sentido Barra da Tijuca da via expressa. Quando tentou pegar o acesso da Linha Vermelha, para fazer o retorno, acabou entrando na Vila do João.
Diogo contou a que estava sozinho no carro e disse não ter visto quem atirou contra o veículo. A Vila do João é uma das comunidades controladas pelo traficante Marcelo Santos das Dores, o Menor P. Ele está com a prisão decretada pelos crimes de tráfico e homicídio. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece R$ 2 mil de recompensa por informações que levem à prisão do bandido. O delegado Delmir Gouvea, da 21ª DP, disse que iniciou uma investigação para identificar os autores dos disparos que feriram o caminhoneiro.
Essa não é a primeira vez que uma pessoa é baleada ,ao entrar por engano, na Vila do João. Em 8 de junho de 2013, o engenheiro Gil Augusto Barbosa também se enganou ao tentar acessar o retorno e entrou na favela. Ele foi baleado e morreu após ficar internado por 20 dias.
Em 1995, cinco torcedores do Santos foram encurralados na Vila do João, quando procuravam retornar para a Avenida Brasil. Confundidos com policiais, eles foram baleados. Um deles morreu. Procurada pelo EXTRA, a Prefeitura do Rio informou que já existe no local uma placa sinalizando a entrada da comunidade Vila do João (Fonte)".

Nenhum comentário:

Postar um comentário