quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

TREM DESCARILHA E CAUSA MANHÃ DE CAOS NO TRANSPORTE PÚBLICO

Tratam a gente igual a gado’, diz passageira de trem da SuperVia que descarrilou em São Cristóvão


 Passageiros da SuperVia enfrentam, desde o início da manhã, um caos no sistema ferroviário. Isso porque um trem que seguia da Central do Brasil para Saracuruna descarrilou entre as estações de São Cristóvão e Maracanã, na Zona Norte. A composição atingiu a rede aérea por volta das 5h15m e, com isso, parte da estrutura que sustenta a rede aérea caiu. Por conta do acidente, a circulação nos principais ramais ficou prejudicada, já que os trens estão impedidos de chegar à Central. Os passageiros são obrigados a desembarcar e andar pela linha férrea até chegar à plataforma da estação mais próxima. Não há feridos, mas bombeiros foram acionados.

De acordo com a SuperVia, a circulação nos ramais Saracuruna e Belford Roxo ocorre somente entre as estações terminais e a estação Triagem. Já os trens dos ramais Deodoro, Japeri e Santa Cruz circulam somente até a estação Engenho de Dentro, na Zona Norte. Ainda segundo a SuperVia, técnicos estão no local para fazer os devidos reparos e normalizar a operação. Por conta da paralisação, os ônibus, metrô e táxis operam com reforço para atender aos passageiros prejudicados.



Passageiros reclamam de falta de informação e tumulto nas estações. Na Estação São Francisco Xavier, muitos desembarcam sem saber como chegar aos seus locais de trabalho, já que não há funcionários para orientar os usuários. Há relatos ainda de problemas na hora de pegar o dinheiro da passagem de volta. Maria Alice da Silva, de 50 anos, disse que passou mal e não teve qualquer auxílio de funcionários da SuperVia.

— Um passageiro me ajudou a descer do trem, mas não vi ninguém da SuperVia. Era muito tumulto e comecei a sentir falta de ar — reclamou a passageira, que seguia de Marechal Hermes com destino ao Rocha.


Nas estações de Triagem e São Francisco Xavier, muitos relatam problemas na hora de pegar o dinheiro da passagem de volta. Eles dizem ainda que não há orientações sobre as linhas de ônibus que vão para o Centro. A estudante Laísa Felipe, de 23 anos, ficou indignada com a falta de estrutura da estação escolhida para desembarcar os passageiros que tentavam seguir até a Central do Brasil.

— Para sair é um funil. Fomos empurrados, não tem estrutura. Sou jovem e não me machuquei, mas tem muita gente se ferindo — disse a estudante.

O cozinheiro Gilson de Santana também reclamou da falta de agentes da concessionária e da confusão:

— É uma saída apenas para todos. Assim não é possível. É melhor fechar todo o sistema.

O secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, foi até a estação São Francisco Xavier para conversar com passageiros e ouvir reclamações. O secretário explicou que a frota de ônibus da cidade foi reforçada e que cobrará a restituição dos bilhetes pela SuperVia.

A Agetransp, agência que regula os transportes do estado, disse, em nota, que abriu boletim de ocorrência para investigar o acidente. Em nota, a agência informou que enviou técnicos ao local do descarrilamento de trem para realizar uma perícia e acompanhar o atendimento aos usuários. A Agetransp também disse ainda que deslocou uma equipe para o Centro de Controle Operacional da SuperVia para solicitar informações da concessionária sobre o ocorrido.

Já a SuperVia informou, também em nota, que os passageiros estão sendo avisados das condições de circulação pelo sistema de áudio dos trens e das estações. A concessionária disse que reforçou as equipes de atendimento e de segurança nas estações e imediatamente iniciou a distribuição de vale-viagem, declaração de atraso e devolução em dinheiro da passagem.

Fonte: O Globo

Após mais uma manhã de descaso com a população, os trens da Supervia deixam mais uma vez os usuários á pé, ou melhor, aos trilhos.

O Problema vem se repetindo à anos e atinge diariamente passageiros que dependem do sistema de transporte sobre trilhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário