terça-feira, 28 de janeiro de 2014

TRAGÉDIA NA LINHA AMARELA

Irresponsabilidade de motorista causa 4 mortes em acidente.




Um caminhão basculante derrubou uma passarela na Linha Amarela, altura de Pilares, na manhã desta terça-feira. Segundo a concessionária Lamsa, responsável pela via expressa, o acidente deixou pelo menos quatro mortos e cinco feridos. Um táxi placa KPP 5943, um Palio placa KWH 1367 e uma moto foram esmagados na queda da estrutura. Bombeiros trabalham no resgate das vítimas e na retirada da passarela. Os feridos, entre eles o motorista do caminhão que provocou o acidente, foram levados para as seguintes unidades: Luis Fernando Costa, de 31 anos foi para o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, Jairo de 44 anos foi encaminhado para o Hospital Federal de Bonsucesso, na Zona Norte da cidade, e Glaucia, de 40 anos foi resgatada por helicóptero, para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. Dois mortos foram identificados: Célia Maria, de 64 anos, que foi arremessada da passarela e Adriano T. de Oliveira, de 26 anos, que foi lançado no canal que divide as pistas da via expressa. Outros feridos ainda não identificados são uma mulher de 36 anos, encaminhada para o Hospital Municipal Souza Aguiar, e um homem de 70, socorrido para o Hospital Municipal Salgado Filho.  Ainda não há informações sobre o hospital para onde a quarta vítima foi levada.


O caminhão que derrubou a passarela da Linha Amarela tinha um logotipo escrito que trabalhava "a serviço da Prefeitura do Rio". Porém, o secretário de Conservação e Serviços do Rio, Marcos Belchior,
disse em entrevista à Globo News que no momento do acidente, o veículo não estava prestando serviço para a administração, mesmo tendo licença para isso. A caçamba tinha a inscrição também da empresa Arco da Aliança, que de acordo com o site da prefeitura seria credenciada pela Comlurb, estava levantada antes de colidir na estrutura, que fica entre as saídas 4 e 5.


A concessionária que administra a via, proíbe a circulação de veículos de carga nos horários das 6h às 10h e das 17h às 20h em dias úteis, em ambos os sentidos. Deixando claro que o veículo circulava em horário  irregular pela Linha Amarela. O Motorista da Linha 315 (Recreio-Central), Antonio Carlos da Silva, disse que viu o momento exato do acidente. Ele conta que ainda tentou avisar ao motorista que a caçamba estava levantada:

— Ele estava correndo muito e não deu tempo de avisar. Só tive tempo de frear e assistir toda a tragédia. Parecia guerra. Vi quando os dois carros foram esmagados pela passarela, e uma senhora que passava em cima voou longe — contou o motorista.

Procurada pelo GLOBO, a empresa Arco da Aliança não quis se pronunciar, mas informou que enviou um advogado e outro representante para o local. Segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), o caminhão tinha altura suficiente para passar em baixo da ponte. "O que estamos investigando é o porquê de ele estar com a caçamba levantada", disse, em entrevista à imprensa. A Polícia Civil informou que foi aberto um inquérito na 44ª DP (Inhaúma) para apurar as circunstâncias do acidente, o delegado aguarda a liberação médica das vítimas sobreviventes para que sejam ouvidas.

Fonte: O Globo 


Onde estava a fiscalização da Via que não reparou na trajetória do caminhão com a caçamba levantada? 
Importante que os responsáveis pela tragédia apareçam para responderem aos prejuízos causados, não só a via, mas as famílias que perderam seus entes queridos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário