quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

FAVELA DO METRÔ: REMOÇÕES E CONFRONTO COM A POLÍCIA MILITAR



Basta caminhar pela cidade do Rio de Janeiro para constatar que famílias vivem sob marquises em vários bairros da cidade maravilhosa. Pais, mães e filhos se amontoam com o pouco que possuem e se abrigam para buscar proteção contra a chuva e contra o frio. Um quadro cada vez mais comum e capaz de fazer sangrar o coração mais endurecido pela triste realidade do nosso cotidiano.
No intuito de buscar um mínimo de dignidade, essas famílias invadem prédios abandonados ou constroem barracos em comunidades carentes, como aquele exibido pela imprensa, no qual vivia o senhor Amarildo com sua família, ele um morador da Rocinha que se encontra desaparecido há meses.
Ontem, cumprindo ordem judicial, ocorreu a remoção das famílias que moram na favela do Metrô, próxima ao Maracanã. Ela nasceu nos espaços construídos para abrigar os trabalhadores que construíram o Metrô da região.
Os moradores resistiram à derrubada das casas, bloquearam a Radial Oeste e a Polícia Militar teve que agir.
Doze casas foram demolidas.
A luta terá novo capítulo nessa quarta-feira.
É dura realidade de uma cidade abandonada. 
A Polícia Militar tendo que cumprir as ordens legais e os moradores resistindo enquanto podem em razão de não terem para onde ir.
Mudar o Rio de Janeiro é urgente, mas para isso temos que mudar primeiro os governantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário