terça-feira, 28 de janeiro de 2014

CABRAL E PT, UM CASAMENTO QUE TERMINA SOB AMEAÇAS



O noticiário dá conta que o casamento entre o PT e o PMDB do Rio de Janeiro acabou em clima de ameaça.
O PT diz que vai expulsar dos quadros do partido quem insistir em permanecer no governo Sérgio Cabral.
O partido demonstra que quer se descolar o mais rapidamente possível da desastrosa gestão Cabral no Rio de Janeiro.
Uma postura natural, diante da rejeição popular do governador, uma das maiores do país, se não for a maior.
Político odiado pelo povo, nenhum político quer ao seu lado, a regra é clara.
Convido a todos(as) para a leitura da matéria que trata do assunto.
O Dia » Notícia » Rio » PT vai expulsar quem se recusar a sair do governo Cabral
27/01/2014 23:00:54 PT vai expulsar quem se recusar a sair do governo Cabral
Presidente do partido no Rio prometeu nesta segunda punir rebeldes
ROZANE MONTEIRO
Rio - Acabou ficando para o dia do aniversário de Sérgio Cabral o que pareceu ter sido a última reunião da ‘novela’ em que se transformou o fim da aliança PMDB-PT. Na manhã desta segunda-feira, quando o governador fez 51 anos, ele e o presidente regional do PT, Washington Quaquá, tomaram um café juntos no Palácio Guanabara, e o martelo foi batido: depois de sexta-feira não deverá ter mais nenhum petista no governo. 
Quem insistir em ficar, disse Quaquá nesta segunda à tarde, será “submetido à comissão de ética e estará sujeito a sanções regimentais, que podem levar até a expulsão”. Quaquá chegou a levar a lista de 400 pessoas que, nas contas dele, estão na cota do PT nas secretarias do Ambiente e de Assistência Social e Direitos Humanos, comandadas até agora, respectivamente, por Carlos Minc e Zaqueu Teixeira.
Mas, segundo o prefeito de Maricá, Cabral disse que as exonerações ficarão a cargo dos novos secretários, que ainda não foram escolhidos. Inicialmente sondado para assumir a Assistência Social, o deputado estadual Pedro Fernandes (Solidariedade) recusou o convite nesta segunda. Sua prioridade é tentar a reeleição para a Alerj.
Cabral recebe Zaqueu nesta terça
A tensão entre PT e PMDB começou ano passado, quando os dois partidos indicaram que teriam candidatos ao governo: o senador petista Lindbergh Farias e o vice-governador Luiz Fernando Pezão. Como o PT foi aliado de Cabral desde sua primeira eleição, em 2006, o ‘divórcio’ demorou porque ainda havia a esperança de que fosse formada uma única chapa. 
Mas a esperança morreu, e a pá de cal na convivência entre as duas legendas foi o PT anunciar que deixaria o governo em 28 de fevereiro e não em 31 de março, que é a data de saída de Cabral para Pezão assumir o governo. Irritado, o governador anunciou que iria exonerar todos os petistas na sexta-feira. Mais irritado, Quaquá decidiu entregar os cargos “imediatamente”, determinando que os petistas saiam por iniciativa própria e não fiquem no governo depois da saída de Minc e Zaqueu. 
De férias na Bahia, Minc disse, por torpedo: “Sempre acompanharemos as decisões do PT. Voltarei para a Alerj. Sem apego ao cargo.” Zaqueu, que também deve voltar para a Alerj, tem hoje reunião com Cabral. Na secretaria corre o boato de que ele vai pedir ao governador que só tire seu cargo e deixe os funcionários empregados, mesmo sendo da cota do PT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário