terça-feira, 28 de janeiro de 2014

CABRAL ACUSADO DE "VENDER" UPPs. MINISTÉRIO PÚBLICO VAI INVESTIGAR



Eu confesso que pensava que já tinha visto de tudo no governo Sérgio Cabral (PMDB), a começar pelo péssimo tratamento que o governo sempre dispensou ao funcionalismo público estadual, nesses sete anos de governo, passando por uma série de escândalos que chegaram até a envolver "Juquinha", o cão da família Cabral, um dos usuários dos helicópteros pagos com o dinheiro da população.
Eis que sou surpreendido com a notícia de que o governo Cabral está sendo investigado por vender "UPPs".
Confesso, essa eu nem podia imaginar.
Eu sempre soube que o projeto das UPPs era algo para alcançar interesses eleitorais do governo, aliás, todos que analisaram a forma de implantação das UPPs, logo constataram que os interesses passavam longe de atender a população fluminense como um todo, mas vender UPPs, isso eu nunca passou pela minha cabeça.
O Ministério Público vai investigar.
JORNAL DO BRASIL 
Rio 
MP vai investigar se Cabral negociou UPP e financiamento da Odebrecht 
O deputado Áureo Lídio (SDD-RJ) denunciou nesta segunda-feira (27/1) um esquema ilegal de favorecimentos políticos movido pelo governo de Sérgio Cabral e envolvendo as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Em entrevista ao jornal Extra, Lídio afirmou que a Secretaria de Estado de Segurança só anunciou a ida da UPP de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na semana passada, porque havia uma negociação com o seu partido, exigindo como condição que a sigla apoiasse o vice-governador Luiz Fernando Pezão nas eleições de outubro. A proposta incluía também doações da construtora Odebrecht para a campanha do partido. 
Após as revelações, o procurador regional eleitoral do Rio, Paulo Bérenger, disse que vai instaurar um procedimento para investigar o caso. Bérenger considerou que é 'uma denúncia que deve ser detalhada'. Já o procurador-geral do Ministério Público (MP), Marfan Vieira, vai estudar o “aspecto técnico” das denúncias do deputado. Pelas denúncias de Lídio, o próprio governador Cabral e o vice governador Pezão chegaram a participar de uma reunião para discutir e firmar o acordo entre os partidos. A assessoria de comunicação do governo negou que o encontro de Cabral com Lídio tenha sido para tratar de UPPs ou qualquer financiamento à Odebrecht. O presidente do Solidariedade, Paulinho (SP), também negou qualquer envolvimento da Odebrecht no suposto esquema proposto pelo PMDB, mas confirmou a negociação. 
O caso influenciou na decisão do deputado estadual Pedro Fernandes em aceitar o cargo de secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos. Fernandes agradeceu o convite do governador Sérgio Cabral, mas disse, através de um e-mail, que prefere aguardar o esclarecimento dos fatos. 

Um comentário:

  1. Uma organização que deve sair da administração de nosso país,que esta cansado de tanta covardia com a população, o povo clama chega!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir