segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

ESCÂNDALO NO DETRAN ATINGE A BASE DO GOVERNO CABRAL



O governador Sérgio Cabral recebeu mais um golpe forte com a publicação das denúncias que dão conta do possível envolvimento de um deputado estadual da sua base na ALERJ. Um aliado de tanta expressão que foi um dos integrantes da delegação do Brasil na escolha da sede para as Olimpíadas 2016. 
O deputado citado é o Coronel Jairo (seta).
O escândalo é gigantesco.
A matéria fala por si.
JORNAL O DIA: 
Denúncia liga deputado à corrupção no Detran Coronel Jairo indicou genro, que levou parentes para postos estratégicos usados no esquema
JOÃO ANTONIO BARROS E LUISA BUSTAMANTE 
Rio - A teia do crime. A Justiça do Rio de Janeiro tem em mãos evidências do gerenciamento político de um dos maiores esquemas de corrupção descobertos no Detran. Gravações telefônicas e depoimentos à 1ª Vara Criminal de Santa Cruz ligam o deputado estadual Coronel Jairo (PMDB) à quadrilha que movimentava R$ 2 milhões por mês na legalização de carros irregulares. O grupo tinha 181 pessoas — funcionários do departamento de trânsito, despachantes e policiais.
Presa na Operação Cruzamento, há dois meses, uma ex-funcionária, com 13 anos de serviço no Posto do Detran de Campo Grande, contou à juíza Regina Célia Moraes de Freitas como a quadrilha agia e qual era o papel de cada um no esquema. O grupo, segundo a testemunha, foi indicado pelo deputado Coronel Jairo — chamado de “o dono do Detran de Campo Grande” — para trabalhar na empresa Facility — responsável pelo recrutamento dos funcionários tercerizados do posto. 
Entre os 22 empregados do Detran de Campo Grande que, segundo a testemunha, “indicados” pelo deputado, quatro são parentes de Hélio Oliveira, genro do parlamentar: os irmãos Sandro e Alexandre Afonso, a cunhada Glauciele Paes e o “compadre” Fagner Gomes. 
O quarteto era encarregado por cobrar as propinas. Sandro e Fagner coordenavam os turnos da manhã e da tarde e exigiam diária de R$ 50 de cada vistoriador. A caixinha era uma espécie de pedágio para trabalhar nos guichês onde passavam táxis, vans e carros alugados — classificados como os mais fáceis de ter irregularidades e candidatos a pagar boas propinas pela vista grossa. Os funcionários que se recusavam a arrecadar dinheiro — para não atrapalhar a quadrilha — iam para guichês de emplacamento, com baixa possibilidade de irregularidade. 
O esquema era supervisionado pelo chefe do posto, Flávio Tomelin, outra indicação do Coronel Jairo. De acordo com a testemunha, o deputado passou a “controlar” o Detran de Campo Grande em 2008, após a prisão dos irmãos Jerominho e Natalino Guimarães, por ligações com a milícia. 
Propina usada em campanha Parte do dinheiro arrecadado com as propinas era destinada à campanha política. Em depoimento na 1ª Vara Criminal de Santa Cruz, a ex-funcionária do Detran garante que é comum em todos os postos do Detran do Rio recolher dinheiro para ajudar políticos encarregados da nomeação. Sustentou, inclusive, que em 2012 a candidatura do vereador Jairinho (filho do Coronel Jairo) recebeu ajuda financeira e apoio logístico dos envolvidos no esquema. 
A testemunha descreve as reuniões organizadas às vésperas da eleição pelo diretor do posto, Flávio Tomelin, para, segundo ela, obrigar os funcionários a conseguir votos de parentes e amigos para o candidato Jairinho. Sem contar a entrega de fichas com dados pessoais e idas a comitês de campanha de Jairinho em Campo Grande e Bangu. O elo entre o deputado e Jairinho com o posto do Detran era feito por Hélio Oliveira. Segundo a testemunha, era ele quem comandava os comitês eleitorais (Leia mais).

Um comentário:

  1. ...esse país não tem jeito mesmo, tinha q explodir tudo e começar do zero....essa vistoria anual é também injusta, pq se o carro passa numa vistoria, para o carro ficar ruim é no mínimo uns 2 anos...isso é totalmente errado, só serve para arrecadar dinheiro e movimentar essa roubalheira...tudo q se faz é DUDA DUDA E DUDA, pelo amor de DEUS, quando esse país vai acabar com esses impostos e essas invenções para roubar a nação ???

    ResponderExcluir