segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Taxa de iluminação pública ainda banca gerador da casa oficial do prefeito Eduardo Paes


Cinco meses depois de o Tribunal de Contas do Município (TCM) considerar a prática indevida, a Prefeitura do Rio continua pagando a conta de manutenção do gerador da casa oficial do prefeito Eduardo Paes, na Gávea Pequena, com recursos do Fundo Especial de Iluminação Pública. O Feip tem como principal fonte de dinheiro a taxa de iluminação cobrada dos contribuintes nas faturas de luz. Segundo levantamento do gabinete da vereadora Teresa Bergher (PSDB) ao qual o EXTRA teve acesso, em outubro, foram usados R$ 8.290 para a despesa irregular, e, em 5 de novembro, o contrato continuava ligado ao fundo.

A decisão do TCM, que na mesma ocasião aprovou as contas da prefeitura, é de julho deste ano. Procurada há duas semanas, a RioLuz informou que já tinha providenciado a suspensão do pagamento, mas não disse quando. Na semana passada, no entanto, a RioLuz informou que a recomendação do TCM seria atendida a partir deste mês. Detalhe: o Termo de Execução assinado com a Multidiesel Representações e Serviços expirou exatamente no dia 8 deste mês.

Na verdade, a prefeitura mantém vinculados ao Feip outros dois contratos cujos objetos foram considerados indevidos pelo TCM (inclusive com pedido de ressarcimento) em julho de 2012 na análise das contas da prefeitura de 2011. São eles: manutenção do sistema de climatização do chafariz Rio Cidade Bangu e operação e conservação de elevadores do Rio Cidade Bangu. Este recebeu pelo Feip, pela última vez, em abril. Há ainda dois contratos com destinações suspeitas, com base em critérios levantados pelo TCM numa inspeção ainda em fase de diligências.

Embora a prefeitura use os recursos para outras destinações, há quem reclame nas ruas do serviço de iluminação:

— Minha oficina fica aberta até as 20h, mas a iluminação da rua não é boa. As luzes dos postes acendem e apagam. Facilita os assaltos. Há 15 dias furtaram minha loja — diz o comerciante Luciano Ribeiro Barbosa, de 44 anos, morador na Rua Gotemburgo, em São Cristóvão.

A resposta da Rioluz:

“1 - Em 09/07/2012 o TCM emitiu Parecer Prévio favorável à aprovação das Contas da Prefeitura, referente ao exercício de 2011, com duas recomendações atinentes ao FEIP. Essas recomendações foram atendidas e estão sendo analisadas pelo citado órgão técnico. Portando não há irregularidade. A RIOLUZ já tomou as providencias a fim de atender as recomendações do TCM. Quanto aos 21 contratos solicitamos informar quais são os contratos alegados.

2 - O FEIP não é constituído exclusivamente de recursos da arrecadação da COSIP, também existe aporte de recursos do Tesouro Municipal, que no exercício de 2011, foi de R$8.906.730,98, valor superior ao apontado na recomendação do TCM. Portanto não há irregularidade no uso dos recursos da COSIP.

3 - Quanto ao contrato com a Multidiesel de manutenção de grupo gerador da Gávea Pequena já foram adotadas as devidas providências de modo a atender a recomendação do TCM, a partir de novembro de 2013.

4 - O atual índice de apagamento da cidade do Rio de Janeiro é de 0,87% um dos mais baixos já verificados em cidades de mesmo porte. Cabe lembrar que o índice aceito internacionalmente é de 2,0%. Ainda, a atual performance de atendimento às solicitações de reparos na Iluminação Pública (Lâmpadas Apagadas) da cidade é 93% em até 48h, sendo que o Grau de Satisfação do Cidadão com os serviços prestados pela RIOLUZ é de 86%.

5 - A Rioluz percorreu toda extensão da rua Gotemburgo, em São Cristovão, e não encontrou lâmpadas apagadas ou piscando. Além disso, a iluminação instalada no local é adequada para este tipo de via. Fizemos uma busca nas solicitações de manutenção da iluminação para o logradouro na Central Rio 1746 desde sua criação em 2011 e encontramos quatro chamados, sendo três em 2011 e hum e m 08/11/2013, todos devidamente atendidos, com os reparos executados”

Fonte: O Globo

A máquina de recolher dinheiro do povo carioca, a prefeitura do RJ, se julga acima de tudo e de todos. Como se já não bastasse sancionar uma lei inconstitucional para arrecadar fundos para uma secretaria de obras da prefeitura, ainda temos que arcar com a conta do gerador da casa oficial do prefeito e ninguém mais sabe aonde e como esse fundo é utilizado. 

Em entrevista ao Jornal O Globo, o prefeito afirmou em suas palavras que a taxa  não pode ser encarada como a solução dos problemas de iluminação pública, pois não falta dinheiro na Rio Luz.

Para que taxar os cariocas com mais um imposto, se não falta dinheiro a prefeitura?
Problema de gestão, só se resolve com trabalho e dignidade!

sábado, 23 de novembro de 2013

Sem demolição

Diretor do Clube de Engenharia diz que o túnel da Via Expressa poderia ser concluído sem implosão da Perimetral




Diretor do Clube de Engenharia e responsável pela construção de trechos do metrô, Luiz Carneiro de Oliveira diz que o túnel da Via Expressa — ligação entre a Praça 15 e a Avenida Rodrigues Alves — poderia ser concluído sem a demolição prévia da Perimetral. 
Segundo ele, a opção escolhida tende a ser mais barata, já que evita a eventual necessidade de reforço do solo. Isto beneficia a concessionária privada Porto Novo, que banca e constrói a obra. Para o engenheiro, os transtornos impostos à população não compensam a economia.

Máquinas e redes

A Cdurp, companhia da prefeitura responsável pela gestão da obra, diz que a presença da Perimetral impediria o uso de máquinas necessárias à construção do túnel. Ressalta que a demolição também viabilizará a instalação de redes como as de água, luz e esgoto.

Outro jeito

Oliveira diz que há máquinas menores, como as utilizadas para a construção do metrô sob o elevado da Paulo de Frontin e a escavação do Mergulhão debaixo da Perimetral. Segundo ele, as redes poderiam ser remanejadas sem a demolição.

Fonte: O Dia

Quem vai se beneficiar com  a destruição do patrimônio público da cidade e os imensos transtornos no trânsito, transtornos que trazem prejuízos para a população, inclusive financeiros, que são veiculados em propagandas da Prefeitura como a “revitalização da Zona Portuária” do Rio e com a falácia que esta sendo custeada pela iniciativa privada.

Quanto vai custar aos cofres públicos a intervenção, que a Prefeitura está a promover na cidade?

Quem vai pagar e pagará por um bom tempo por essa loucura e mentira do prefeito, vai ser o cidadão de bem carioca.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Cavalos de Paquetá e o PL 144/2013


Tenho recebido centenas de correios eletrônicos pedindo meu apoio na votação em 2ª discussão do PL 144/2013 que tramita na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. Para quem conhece meu trabalho, sabe que sou um vibrante defensor da causa animal. Assim, tão logo soube por eleitores acerca da verdade real da situação dos cavalos da Ilha de Paquetá, dei meu parecer: sou a favor do fim do uso dos animais para exploração comercial na Ilha e não votarei contra o projeto. Aos argumentos de que a abolição traria como consequência o desemprego de mais de 20 famílias, vos digo: há alternativas plausíveis, mais rentáveis, que visam o fim do sofrimento e uso indiscriminado da vida e saúde desses seres de Deus, bem como agregam valores voltados à sustentabilidade do planeta. Continuem contando com meu apoio.

 
 E como dizem os amantes e abolicionistas: porque tua liberdade é legítima.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

ENTREVISTA COMPLETA COM A DEPUTADA CLARISSA GAROTINHO



Queridos amigos e amigas, eis aqui o link do vídeo da minha entrevista com a Deputada Clarissa Garotinho para aqueles que não acompanharam o bate papo.




terça-feira, 19 de novembro de 2013

ENTREVISTA COM A DEPUTADA CLARISSA



Hoje sou o convidado da Deputada ClarissaGarotinho() em um bate papo pela twitcan, as 20h. Participem mandando perguntas para @dep_clarissa ou @marciogarciarj.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Prefeitura do Rio prevê semana de dificuldade no trânsito do Centro



Motoristas e passageiros vão precisar de doses extras de paciência e disposição para enfrentar os congestionamentos esperados no Centro do Rio a partir desta segunda-feira, primeiro dia útil do trânsito na Zona Portuária com a Avenida Rodrigues Alves parcialmente interditada. A expectativa do secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, é que os problemas no trânsito se prolonguem por toda esta semana.

— A primeira semana será a de maior dificuldade, é uma mudança viária importante. A prefeitura sempre trabalha para minimizar o impacto (no trânsito), mas ele sempre existe — disse.

Osório pediu ainda que os motoristas evitem passar pelo Centro da cidade, buscando rotas alternativas. Para quem tiver a região como destino, o secretário recomendou o uso de transportes públicos ou da carona, com o objetivo de reduzir o número de carros nas ruas.

Na última sexta-feira, a Avenida Rodrigues Alves teve um trecho de 1.050 metros bloqueado, como parte dos preparativos para a implosão do Elevado da Perimetral, marcada para o próximo domingo. No sábado, o prefeito Eduardo Paes esteve na região e fez um apelo aos cariocas que viajaram no feriadão, para que antecipassem a volta para casa e evitassem retornar hoje. Ele temia um caos no trânsito da Zona Portuária.

O prefeito reconheceu que, se a população não ajudar a cidade poderá enfrentar hoje de manhã uma situação “caótica” no trânsito, primeiro dia útil com a interdição parcial. Paes chegou, inclusive, a autorizar o secretário Carlos Roberto Osório a realizar bloqueios nos acessos da Rodoviária Novo Rio, para evitar a entrada de mais ônibus do que permite a capacidade do terminal.

Fonte: O Globo


Trânsito caótico, serviços de transportes público ineficazes e de péssima qualidade e ainda temos que evitar o Centro da Cidade, o coração financeiro da cidade e onde a  maior parte dos moradores do município trabalham!
Fala Sério prefeito.
E que venha a Copa do mundo e as Olimpíadas com o nosso estressante e congestionado trânsito carioca.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Jornal O Dia - 14/11/2013 - MILITARES NO FACEBOOK

Militares no Facebook: Debate sobre direito de opinião esquenta

Comissão pretende rever regulamentos disciplinares para PMs e bombeiros



O DIA
Rio - O debate sobre o direito de opinião e livre manifestação de militares nas redes sociais, como Facebook e Twitter, esquentou nesta quarta-feira na reunião da Comissão da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que pretende rever os regulamentos disciplinares para PMs e bombeiros. Um deles é o término da prisão administrativa.
Durante a discussão ficou claro o quanto o tema divide as corporações. Houve até soco na mesa e ameaças declaradas de processos entre oficiais e praças participantes.O objetivo do trabalho é encontrar um caminho que garanta aos militares liberdade de expressão, como qualquer cidadão, inclusive sobre política.
O maior problema, no entanto, é estabelecer limites entre opinar e ofender, o que pode configurar crimes de calúnia, injúria e difamação. Haverá ainda discussão sobre o fim das prisões disciplinares. O debate poderá ser dividido em duas etapas para evitar o confronto entre praças e oficiais.


Comentário: O debate não é entre praças e oficiais. O debate é entre quem aplica o regulamento disciplinar e o que sofre a aplicação, justas ou injustas, legais e ilegais, morais e imorais, lícitas e ilícitas, neles e em nós. 

ASSIM SE DÁ O DEBATE, COM OFICIAIS DE UM LADO E OFICIAIS E PRAÇAS DO OUTRO.





quinta-feira, 14 de novembro de 2013

4ª Reunião da Comissão que pretende revisar o RDCBMERJ

Nesta semana aconteceu na ALERJ 4ª reunião da comissão parlamentar que pretende propor uma revisão no regulamentos disciplinares. Mais uma vez compareci e colaborei com os trabalhos da comissão.





Visitas continuam proibidas


Mesmo que todos já saibam vou aceitar o aconselhamento de um amigo bombeiro e tornar mais visível um dilema que estou enfrentando.

Desde minha posse no mandato parlamentar de vereador da cidade do rio de janeiro tenho dedicado um dia da semana para visitar os quartéis de bombeiro, afinal, por mais que ajudemos outras categorias e a população de uma forma em geral, os bombeiros são a maioria dos nossos eleitores. 

Sou bombeiro a 17 anos e não existe nada mais natural do que desejar estar próximo dos bombeiros e do local onde eles passam a maior parte de suas vidas, ou seja, os quartéis.

Contudo, depois de meses de visitas, de visitar centenas de unidades, fui surpreendido por uma proibição de acesso ao interior dos quartéis.

Tentei por algumas semanas entender a motivação para essa restrição, mas não tive sucesso em sensibilizar o Comando da Corporação sobre a necessidade de permitir que os eleitores bombeiros tenham acesso ao seu representante parlamentar eleito democraticamente.

Eu imaginava que por ser militar da reserva teria direito a acessar os quartéis e ter contato com os Bombeiros, mas estava errado.

Esta semana resolvi usar a prerrogativa de representante do legislativo municipal para visitar o Quartel do Comando Geral, mas fui proibido de acessar o quartel da mesma forma.

Recorri a Corregedoria Geral Unificada e vou levar a questão onde for preciso, mas podem ter certeza que não vou desistir. 

Não participei de centenas manifestações, prisões e conselho de justificação, para desistir agora.


Encerramento das provas profissionais/ CBMERJ




Hoje, 14 de novembro, compareci no Quartel Central dos Bombeiros para acompanhar o encerramento das provas profissionais. Sem querer entrar no mérito da viabilidade ou não de se mobilizar obrigatoriamente um efetivo para competir, e muito menos no desfalque no efetivo das unidades que esta atividade causa, compareci ao evento com a única e exclusiva intenção de cumprimentar os bombeiros e manter contato com aqueles que são a maioria dos nossos eleitores. 

Nada mais natural para alguém que exerce um mandato eletivo.

Contudo, mais uma vez, meu acesso ao quartel e aos bombeiros foi impedido pelo comandante geral. Já que seus agentes me impediram de manter contato com os bombeiros no interior do quartel sob alegação de que era determinação do Comandante Geral.

De qualquer forma, eu consegui falar com os bombeiros na rua, e tive a oportunidade de reafirmar minha fidelidade aos bombeiros e aos ideais que mobilizaram todo o efetivo da Corporação.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

MANIFESTAÇÃO DOS USUÁRIOS DA VILA OLÍMPICA MANOEL TUBINO

Hoje, 5 de Novembro, compareci numa manifestação realizada na Avenida Cândido Benício contra o atual Secretário de Esportes (Índio da Costa). Conversei com as pessoas, professores e usuários, e ouvi relatos de muita insegurança com as alterações executadas pelo atual Secretário.

A manifestação pedia o retorno dos professores exonerados e relacionava as conquistas da vila durante a gestão destes. Não conheço o Secretário e tão pouco os professores exonerados, e por isso, não vou ficar do lado de nenhum deles, e sim, do lado do povo, e o povo está pedindo a manutenção dos atuais professores.


Espero que o bom senso prevaleça e que a população não seja prejudicada.

Com relação as denúncias de corrupção, vamos expedir os requerimentos de informação para oportunizar ao Secretário a apresentação das justificativas que julgar pertinente.










GAZETA PARLAMENTAR


Justiça abre processo contra Eduardo Paes e 13 escolas de samba.

MP pede a perda da função pública



A 9ª Vara de Fazenda Pública do Rio vai julgar o processo contra o prefeito Eduardo Paes, o presidente da Riotur Antonio Pedro Figueira de Mello e 13 escolas de samba do Rio. A ação do Ministério Público diz que houve uso indevido de dinheiro público, como informou o colunista Ancelmo Gois, na edição de domingo (3) do jornal O Globo. O motivo da ação é a não realização de licitação pela prefeitura do Rio para escolher a empresa que organiza os desfiles. 

As escolas recebiam, cada uma, R$ 1 milhão por ano e, na hora de prestar contas do dinheiro pública, apresentavam "notas inidôneas", ou seja que não eram verdadeiras. A ação do MP, assinada pelos promotores Glaucia Santana, Eduardo Carvalho e Flavio Bonazza, resultou de um inquérito aberto em 2006.

O MP pede o ressarcimento integral do dano, perda dos bens adquiridos ilicitamente ao patrimônio, pagamento de multa. Além disso, os promotores querem que as escolas sejam proibidas de receber benefícios, incentivos fiscais e de assinar contratos com a prefeitura. O MP pede ainda "a perda da função pública e suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos" do prefeito Eduardo Paes e do presidente da Riotur Antonio Pedro Figueira de Mello. Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, o processo está na fase inicial, a de notificação dos réus, com expedição de cartas precatórias.

Fonte: Brasil 247

Mais um pedido de perda de mandato ao prefeito do RJ.
Será que agora vai?

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Sem Perimetral, presidente do Detro prevê maior engarrafamento de todos os tempos

 Rogério Onofre chamou prefeito Eduardo Paes de “irresponsável” por ter começado a derrubar a Perimetral antes da data da implosão, prevista para o dia 17




O presidente do Departamento de Transportes Rodoviário (Detro), Rogério Onofre, previu que o Rio terá o maior nó de trânsito já registrado no Brasil na manhã desta segunda-feira. Responsável pela fiscalização dos ônibus intermunicipais que transportam diariamente cerca de dois milhões de usuários para o Centro do Rio, Onofre chamou o prefeito Eduardo Paes de “irresponsável” por ter começado a derrubar a Perimetral antes da data da implosão, prevista para o dia 17.

— Não deveriam ter começado a derrubar a Perimetral antes de se saber se o plano de mitigação dos transtornos deu certo ou não. Caso dê errado, haveria uma alternativa, reabrindo a Perimetral, até se encontrar uma solução que não sacrificasse tanto a população. Depois do que foi feito hoje, a demolição é um fato consumado e precipitado — lamentou Onofre.

O presidente do Detro disse que sua equipe técnica defendeu, em todas as reuniões, que fossem feitos testes exaustivos no sistema viário da zona portuária e na Francisco Bicalho antes da derrubada da Perimetral:

— São 70 mil veículos que passam diariamente pela Perimetral. A previsão dos nossos técnicos indica que teremos na segunda-feira o maior engarrafamento da história do país senão do mundo. Estou torcendo para que a nossa previsão esteja errada e que a dos técnicos da prefeitura esteja certa.

Rogério Onofre disse que sua maior preocupação é com os milhares de moradores da Baixada Fluminense, da Zona Oeste, de Niterói e São Gonçalo, que terão sofrimento redobrado para chegar aos locais de trabalho:

— Se conseguirem chegar ao Rio serão abandonados em pontos de baldeação onde terão que embarcar no Metrô e em outros meios de transportes. Se esqueceram que o Metrô já está saturado e de que o trabalhador vai ter que lançar mão de uma terceira perna do bilhete único depois de ficar horas e horas dentro dos ônibus engarrafados.

Onofre acrescentou que todos os técnicos do Detro estarão mobilizados desde a madrugada de segunda-feira para produzirem um relatório sobre os impactos da mudança que ele entregará ao governador Sérgio Cabral às 10h.

— Sempre fomos contra derrubar a Perimetral antes da avaliação dos impactos. Destruir o elevado antes do previsto é uma irresponsabilidade — concluiu.

Críticas de associação

A demolição de parte da Perimetral também surpreendeu o presidente da Associação dos Usuários de Transportes Coletivos de Âmbito Nacional (Autcan), Waldir Cardoso, que não poupou críticas à prefeitura:

— O prefeito não podia antecipar a demolição antes dos testes efetivos, como estava previsto no plano. Os testes feitos até agora não têm valor porque aconteceram em dias de reduzido fluxo de tráfego. A situação real vai acontecer somente nesta segunda-feira, quando dois milhões de usuários de ônibus vão tentar chegar ao Centro.

Especialistas fazem suas análises e previsões

De acordo com Miguel Bahury, ex-secretário municipal de Transportes, esta semana será crucial não só para que os motoristas se adaptem às alterações de trajeto, em função do fechamento da Perimetral, bem como para que as autoridades avaliem se as medidas implementadas serão suficientes para minimizar os impactos ao trânsito.

— Por mais simulações que tenham sido feitas, o que vai ocorrer é imprevisível. Não dá para dizer que tudo vai dar certo. Uma reavaliação poderá indicar a necessidade de mais mudanças. É bom lembrar que grandes intervenções urbanas sempre geram transtornos ao trânsito. Um simples carro enguiçado no Túnel Rebouças ou no Bárbara já afeta a circulação — diz Bahury. — Vamos ter que conviver com dificuldades. Haverá reflexos em toda a cidade, e não apenas na Região Portuária, mesmo com as rotas alternativas. Não tem jeito. A prefeitura está correta quando pede que as pessoas usem o transporte público, evitando se deslocar de carro para o Centro. É preciso usar o transporte público. Há três meses, quando saio para dar aulas no Centro vou de metrô, porque se não é o trânsito de obra é o de manifestação”.

Já José Eugênio Leal, professor de engenharia de transportes da PUC, afirma que viu várias simulações do projeto e acha que há um número de alternativas razoável.

— Mas elas têm a mesma capacidade da Perimetral? Aparentemente, não. A grande questão é como vai ser o comportamento nesse momento inicial, que depende da informação das pessoas. Uma coisa é você ter dificuldade, saber o caminho que tem que tomar. Outra, é não saber os caminhos. Pode demorar um pouco a população se dar conta dessas mudanças. Só depois de isso estar estabilizado é que saberemos o impacto real em cima do tráfego — diz o especialista. — A gente não sabe ainda o impacto e nem qual será a reação da população sobre a sugestão da prefeitura de usar mais transporte público. Não é garantido que vai ter caos total. Mas, até em função da falta de informação, deve haver congestionamentos grandes. Não sei se foi pensada a inclusão desses novos caminhos nos sistemas GPS e Google. Ajudaria muito se as pessoas tivessem, nesses sistemas e nos smartphones, as novas rotas. Bom também seria se painéis nas ruas indicassem claramente as vias.

Segue o link da matéria original, pois o editor do O Globo retirou e resguardou a imagem do prefeito, optando por uma noticia mais despretensiosa.   http://bit.ly/Perimetral3


Fonte: O Globo

Em nota a imprensa, o prefeito falou que seria uma semana complicada e pediu paciência aos cariocas; e que os mesmos utilizem os problemáticos e ineficazes sistemas de transporte público da cidade.

O prefeito mostrou incoerência com a cidade, demolindo um elevado útil e de boa conservação para construir uma via expressa com o falso propósito de revitalizar a Zona Portuária.



domingo, 3 de novembro de 2013

'Meu principal adversário é o preconceito’, diz Garotinho


O DEPUTADO FEDERAL Anthony Garotinho (PR-RJ), 53 anos, anda liderando pesquisas de intenção de voto a governador e diz que pelo menos cinco partidos já o procuraram para conversar sobre alianças para 2014. Entre eles, tem até legenda com pré-candidato ao governo, como o PT, partido por enquanto da base aliada do governador Sérgio Cabral (PMDB). Se eleito, o parlamentar de Campos dos Goytacazes garante que vai retomar o Maracanã para o estado e avisa, para o caso de algum black bloc cruzar o caminho de sua PM: “Comigo não vai ter moleza, não.” Na hora de posar para foto, faz graça: “Não sou nenhum Don Juan de Marco como o Lindbergh, mas também não estou tão acabado assim.”

Fonte: O Dia

Em entrevista ao jornal O Dia, o deputado federal e pré-candidato a governador Anthony Garotinho fala sobre as perseguições políticas e seu rumo na política em 2014. 

Segue o link da reportagem




sábado, 2 de novembro de 2013

Declarações de Leila do Flamengo sobre mendigos irritam vereadores



As declarações feitas no plenário do Palácio Pedro Ernesto pela vereadora Leila do Flamengo (PMDB), de que é hipocrisia “querer dizer que mendigo tem o mesmo direito que os cidadãos” gerou reações indignadas de colegas parlamentares. Teresa Bergher (PSDB) afirmou nesta sexta-feira que exigirá uma retratação de Leila na sessão da próxima terça-feira. Eliomar Coelho, do PSOL, chamou a peemedebista de “despreparada e atrasada”.

Num discurso inflamado no plenário da casa legislativa, na última quarta-feira, Leila cobrou da prefeitura uma rápida solução para o “problema dos moradores de rua” na Zona Sul da cidade. Defendeu que a Fazenda Modelo — abrigo para animais em Guaratiba — passe a receber mendigos e afirmou que a presença dos sem-teto tira a tranquilidade da região que mais paga IPTU da cidade.

— Hoje a população está sendo multada se jogar lixo no chão. Agora, o mendigo pode morar nas ruas, pode fazer suas necessidades, pode sair carregando tralhas. Eu defendo as famílias e os moradores; não defendo desocupados. Não estamos falando aqui em discursos hipócritas, de querer dizer que o mendigo tem o mesmo direito que os cidadãos — declarou a parlamentar.

Na avaliação de Teresa Bergher, as declarações de Leila refletem um preconceito extremo. Eliomar ironizou a postura da colega e disse que “não se pode dar muita importância ao que ela diz”. Leila rebateu:

— Sou de origem nordestina. Minha luta sempre foi e será pela reinserção social. Apenas reproduzi o que tenho ouvido de moradores, diariamente, nas ruas.

Fonte: O Globo

Em pleno século XXI, temos que ouvir um discurso preconceituoso e desumano de uma representante da sociedade no legislativo municipal. Repúdio veemente qualquer ato de discriminação, violência ou atitudes ofensivas aos direitos humanos, contra a natureza e os animais.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Calote na praça

                                                    Restos a pagar                                  


Lá se vão quase dois meses que FHC tomou posse na Academia Brasileira de Letras e o alfaiate que fez o fardão do novo imortal não recebeu o pagamento pela confecção da peça.

O calote não é de FHC. Mas de Eduardo Paes, que comprometeu-se a pagar, mantendo a tradição do governante da cidade de origem do acadêmico oferecer o fardão ao imortal.

Fonte: Radar Online

Com o pedido de empréstimo de 3 bilhões do prefeito Eduardo Paes, já dá para pagar o alfaiate e o funcionalismo público municipal. 
Será que está faltando dinheiro na prefeitura do Rio de Janeiro!!!