Após assembléia, professores fazem manifestação.









Após a assembléia que decidiu pela manutenção da greve na rede municipal de ensino, na manhã desta sexta-feira no Clube Municipal, na Tijuca, Zona Oeste, os professores municipais saíram em passeata pelas ruas. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 500 docentes estão se dirigindo a sede da prefeitura do Rio, na Cidade Nova. Eles seguem com faixas e cartazes pela rua Haddock Lobo, que está fechada na altura da Rua Campos Sales. O trânsito é lento na Rua Conde de Bonfim, com retenção chegando na Rua Alzira Brandão e também na Rua São Francisco Xavier até o Largo da Segunda-Feira.

Os motoristas que se encontram na Rua Haddock Lobo devem seguir pela Avenida Melo Matos e sair pela Avenida Radial Oeste. Os motoristas que se encontram na região das ruas São Francisco Xavier e Conde de Bonfim, e desejam seguir para o Centro, a melhor opção é seguir pela Avenida Maracanã.

De manhã, a assembleia do Sepe decidiu manter a greve, que completa 60 dias neste sábado. Dois mil professores estiveram reunidos e, entre os pedidos do sindicato na nova pauta, estão a revogação do plano de cargos e salários, aprovado pela Câmara na última terça-feira, a abertura de negociação com a prefeitura, o abono dos dias de greve e a não-reposição das aulas em janeiro.

Durante a assembleia, eles também decidiram pelo pedido da saída da secretária de Educação, Claudia Costin, da pasta. O Sepe convocou a categoria para um ato pela defesa da educação e contra a violência nas manifestações populares para esta segunda-feira, dia 7. A concentração para o ato será às 17h na Candelária.

Segundo o coordenador-geral do Sindicato Estadual de Profissionais de Ensino do Rio (Sepe), Alex Frentino, a categoria vai questionar juridicamente o plano de cargos e salários aprovado pela Câmara. Durante a assembleia, estão sendo discutidas algumas das 29 emendas apresentadas pelos vereadores.

Representantes da ONG Justiça Global, do Instituto de Defesa de Direitos Humanos e da Comissão de Direitos Humanos da Alerj estão no local para receber denúncias de violações e abusos contra a categoria nas últimas manifestações. Serão enviadas relatórios com essas denúncias para a ONU (Organização das Nações Unidas), OEA (Organização dos Estados Americanos) e OIP (organização Internacional do Trabalho); além do Ministério Público e Defensoria Pública.

Na próxima segunda-feira, às 17h, está marcada uma grande passeata com saída marcada para a Candelária. O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) ainda fala em cerca de 70% a 80% de adesão à paralisação, mas a Secretaria municipal de Educação diz que o número caiu de 14% no início da semana para 10% na quinta.

Câmara retoma falta de sessões

Depois da votação da terça-feira, marcada pelo Legislativo cercado por grades e pela violência do lado de fora, a Casa já retomou a sua rotina de falta de sessões em plenário. Na quinta, não houve trabalhos por falta de quórum. Nas últimas duas semanas, segundo o gabinete do vereador Cesar Maia (DEM), apenas a sessão de terça-feira, para votar o plano de cargos, transcorreu até o fim com o mínimo necessário de presença.

Paulo Pinheiro (PSOL) criticou o fato de duas reuniões na semana passada entre vereadores da base do governo para discutir o plano terem sido realizadas no Palácio da Cidade, em Laranjeiras, em horário de sessão na Câmara dos Vereadores, na Cinelândia.

Fonte: O Globo


Estaremos juntos e unidos contra a covardia proposta pela prefeitura.
E estamos orgulhosos por todos os docentes da educação, que mesmo após tantas covardias, lutam por sua dignidade profissional.



Comentários

Postagens mais visitadas