EM CRISE, SERGIO CABRAL BUSCA APOIO DOS EVANGÉLICOS

Recentemente, o governador do Rio de Janeiro teve um encontro com Samuel Malafaia, irmão do pastor Silas Malafaia, segundo a coluna Radar Online, comandada por Lauro Jardim, da revista Veja; peemedebista, que nunca teve uma relação estreita com esse público, muda estratégia em momento de crise


Rio247 – Pressionado pela população a deixar o cargo, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), resolveu se aproximar do segmento evangélico e, recentemente, teve um encontro com o deputado estadual Samuel Malafaia, irmão do pastor Silas Malafaia. A informação é da coluna Radar Online, comandada por Lauro Jardim, da revista Veja.
Enquanto o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), busca manter uma relação estreita com os evangélicos, Cabral nunca se aproximou tanto desta faixa do eleitorado. Curiosamente, os Malafaias apoiaram a candidatura do governador em 2006, porém, nos anos seguintes, o chefe do Executivo fluminense foi se distanciando deste segmento.
Cabral vive um momento delicado em sua gestão. O peemedebista já sofreu várias acusações, dentre elas o favorecimento ao empresário Eike Batista no Rio, uso de helicópteros com recursos públicos, além de ser alvo de críticas pelo sumiço do pedreiro Amarildo de Souza, no último dia 14, depois de ter sido levado pela Polícia Militar (PM) a uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Favela da Rocinha.
A consequência da revolta dos fluminenses são os protestos em frente à casa do governador, que têm implicado em constantes conflitos entre manifestantes e policiais. Se já não bastassem as mobilizações, Cabral foi apontado como o governador com o menor percentual em termos de avaliação. Segundo pesquisa da CNI/Ibope, divulgada no final do mês passado, somente 12% dos eleitores do Rio acham a sua gestão ótima ou boa. E é neste estado onde a presidente Dilma Rousseff (PT) tem a aprovação mais modesta (19% de aprovação).
Diante de um quadro conturbado, Cabral vê o segmento evangélico como uma das portas abertas para a campanha eleitoral do próximo ano. De fato, será uma difícil tarefa eleger o seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB). Caso esta parceria se concretize, em 2014, só o tempo vai dizer até que ponto os evangélicos têm o poder de levantar a imagem de um governador num estado onde a população já pediu a sua renúncia.

Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo.
Marcos 13-33