terça-feira, 16 de julho de 2013

PM terá que usar menos gás e balas de borracha

Rio - A truculência da Polícia Militar e os excessos cometidos em manifestações, com o uso de bombas de gás lacrimogêneo e perseguição de manifestantes por policiais com rosto coberto e sem identificação na farda, estão na pauta do dia da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos.

Com o acompanhamento direto de representantes da Presidência da República, o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, se reuniu com o comandante da Polícia Militar, coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, e o corregedor, coronel Waldir Soares, além de representantes da OAB e da Anistia Internacional para discutir o assunto. 

Uma das orientações que já foram passadas para os policiais é que usem menos gás de pimenta e lacrimogêneo e balas de borracha nos protestos. “Tiramos desta reunião a necessidade de capacitar os policiais do Choque e dos batalhões que têm participado das manifestações para que eles percebam a importância de agir com respeito à pessoa humana, ao direito de ir e vir, e à propriedade”, disse Zaqueu. 

 Segundo secretário, a PM se comprometeu a punir com rigor os excessos. Para isso, pediu aos manifestantes que denunciem os abusos. “O nome do policial tem que estar visível. É obrigatório. E o comandante nos garantiu que os policiais que foram flagrados cometendo abusos já estão afastados das atividades”, prosseguiu Zaqueu Teixeira, sem identificar ou dizer quantos agentes foram punidos. 

O curso de reciclagem dos policiais será definido em até 30 dias, quando será criado, também, um grupo de trabalho para criar normas e procedimentos específicos para os grandes eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas. 

“A sociedade vai saber claramente como o policial deverá se comportar nestes eventos que estão por vir”, completou o secretário.

Fonte: O Dia

Fala-se em punir e reciclar os policiais. Ok! Mas quem punirá e reciclará o verdadeiro responsável por todo esse violento desrespeito à nossa população?


Nenhum comentário:

Postar um comentário