sexta-feira, 14 de junho de 2013

Protesto no Centro termina com detidos e feridos Cerca de 10 mil pessoas marcharam contra aumento na tarifa dos ônibus. Estudante foi atingido no olho




Rio - Cerca de 10 mil pessoas participaram, na noite desta quinta-feira, do protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Centro do Rio. Ao contrário do que aconteceu em São Paulo, onde os atos foram marcados por confrontos violentos entre a polícia e os jovens, houve confusão rápida só no fim da passeata, quando parte dos manifestantes seguia para a Central.


Quase no fim do ato, pequeno grupo enfrentou policiais na Presidente Vargas
Foto:  Uanderson Fernandes / Agência O Dia
Um estudante levou tiro de borracha no olho esquerdo, e um PM foi atingido com pedrada na cabeça. Um terceiro manifestante se feriu. Segundo a Polícia Militar, 16 pessoas foram detidas e encaminhadas à 5ª DP (Mem de Sá), mas a Polícia Civil informou que somente duas prestaram esclarecimentos O protesto começou às 17h na Candelária e seguiu, primeiramente, para a Cinelândia.

O estudante Philippe Brissant de André de Lima, 20 anos, levou o tiro quando estava próximo à Rua Uruguaiana. “Estava perto dele. Quando olhei para trás, vi um policial atirar à queima-roupa. Pura covardia. Ele só protestava”, afirmou o advogado André de Paulo, que estava no movimento e ofereceu assistência jurídica ao jovem, levado para o Hospital Souza Aguiar.

A Avenida Rio Branco ficou interditada por uma hora, quando começou a manifestação e, no final, quando cerca de 200 homens do Batalhão de Choque chegaram para dispersar pequeno grupo.

Os jovens ficaram frente a frente com os policiais, que estavam com escudos. As fachadas da Assembleia Legislativa (Alerj) e da Igreja de São José, na Av. Presidente Antônio Carlos, foram pichadas.
Na Central, jovens que se diziam do movimento atearam fogo a montes de lixo. Um grupo teria sido detido.

 “Como diz uma das nossas faixas, se a passagem não baixar, o Rio vai parar. Não vamos encerrar os protestos até a tarifa ser reduzida”, prometeu o universitário Tadeu Alencar, 26. A maioria dos manifestantes era de estudantes, mas o ato atraiu simpatizantes como o aposentado Sérgio Luiz Santos, 61, que segurava cartaz com a frase ‘Não me bata, proteja-me’: “Sou povão e sofro na pele o que representa este aumento da passagem, por isso estou aqui.”

A tensão que marcou o fim da manifestação, na Avenida Presidente Vargas, dividiu de um lado o Batalhão de Choque, com escudos, e policiais do 5º BPM (Praça da Harmonia), e do outro, o grupo.
Algumas pessoas ficaram assustadas e buscaram refúgio dentro de agências bancárias, hotéis e bares.

Para conter o tumulto, a polícia usou gás de pimenta e lacrimogêneo e fez disparos para o alto. Nesse momento, o grupo jogou flores em resposta. O clima ficou tenso quando manifestantes tentaram depredar a Delegacia de Proteção a Criança e Adolescente. Várias agências bancárias foram quebradas por grupo menor. 
No percurso até a Alerj, alguns jovens picharam pontos de ônibus, prédios e bancos com as frases “R$ 2,95, não”, e “Fora Cabral”.

Antes da confusão, a manifestação transcorreu pacífica. De prédios foram jogados papéis picados em apoio. O medo de confronto com a polícia fez com que grupo cedesse máscaras. A passagem passou de R$ 2,75 a R$ 2,95 no dia 1º.

Metrô: acesso e estação fechados

Por causa da confusão, o MetrôRio deixou apenas o acesso pela Avenida Marechal Floriano aberto para quem precisava usar a Estação Presidente Vargas. Também houve problema na Estação Cidade Nova, que chegou a ficar completamente fechada para embarque e desembarque.

A Universidade Estácio de Sá em frente à Uruguaiana fechou as portas para que os manifestantes não invadissem a unidade. Amanhã, haverá outro protesto em Niterói, em frente às barcas, na Praça Arariboia, às 17h.

Em nota, a Anistia Internacional declarou que vê com preocupação o aumento da violência na repressão aos protestos no Rio e São Paulo. Segundo a ONG internacional, “também é preocupante o discurso das autoridades sinalizando uma radicalização da repressão e a prisão de jornalistas e manifestantes”.

A Anistia também ponderou que é “contra a depredação do patrimônio púbico e atos violentos de ambos os lados”.

Em São Paulo, jornalistas feridos com bala de borracha

No quarto dia de protestos em São Paulo, houve novos confrontos entre manifestantes e policiais após uma hora de caminhada pacífica. Mais de 60 pessoas foram presas no Centro. Manifestantes fizeram barricadas com fogo, para evitar a aproximação de PMs.

Usaram também rojões e pedras para enfrentar os militares. A Tropa de Choque recebeu o reforço da Cavalaria para conter a manifestação.

Por volta das 21h45, o trânsito foi liberado na Avenida Paulista, um dos palcos principais dos enfrentamentos. Outras vias importantes, como as ruas da Consolação e Augusta, também estiveram no roteiro dos manifestantes.

O jornalista Piero Locatelli, da ‘Carta Capital’, estava com frasco de vinagre — usado para cortar o efeito de gás lacrimogêneo — na mochila e por isso foi detido. Repórteres da ‘Folha de S.Paulo’, Giuliana Vallone e Fábio Braga foram atingidos no rosto por disparos de bala de borracha da Tropa de Choque.

O prefeito Fernando Haddad afirmou que o valor das passagens será mantido. O governador Geraldo Alckmin também descartou a possibilidade de reduzir as tarifas de ônibus, trens e metrô por 45 dias, como sugeriu o Ministério Público.

Fonte: O Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário