CONSELHO DE HIPÓCRITAS

Justiça e Cidadania: Coronéis pró-coronel


Quatro coronéis decidem absolver colega por usar viatura do Corpo de Bombeiros para ir com mulheres, algumas até menores, para motéis em São João de Meriti

ADRIANA CRUZ
Rio - Esta é de saltar aos olhos. Quatro coronéis decidiram absolver o coronel Adilson de Oliveira Perinei por ter usado viatura do Corpo de Bombeiros para ir com mulheres, algumas até menores, a motéis em São João de Meriti, em 2010.
Em julgamento na Auditoria da Justiça Militar, os oficiais concluíram que o carro descaracterizado estava à disposição do oficial e poderia ser levado a qualquer lugar.
Para os coronéis, o caso nem prejudicou a imagem dos bombeiros — porém o veículo é patrimônio público, e a sua apropriação para fins pessoais é crime, com pena de três a 15 anos de detenção. Só a juíza Ana Paula Figueiredo votou pela condenação.
Durante o expedienteIndignado com o resultado do julgamento, o promotor Bruno Guimarães vai recorrer da decisão do Conselho, formado pelos coronéis.
Alega ser um absurdo a absolvição quando a viatura era usada pelo oficial para ir a motel na hora do expediente. Para o promotor, o carro, bancado com dinheiro do povo, não podia ser usado para cometer crime.
Coronel condenadoSe na Auditoria da Justiça Militar o coronel Adilson passou incólume, na 3ª Câmara Criminal foi condenado a 19 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de favorecimento à prostituição e por ter fotos de sexo envolvendo crianças.
A Seção Criminal decide dia 7 de junho se ele vai ser mantido nos Bombeiros. O oficial está em liberdade.
FONTE: O DIA 

É impossível não comparar os critérios utilizados, pelas equipes de oficiais, para o julgamento deste coronel, com os adotados para expulsar covardemente 14 homens, ou melhor, bombeiros de carreiras limpas, avaliações comportamentais excepcionais, que lutaram por um ideal onde todos os integrantes da corporação foram beneficiados, inclusive os membros dos conselhos vexatórios citados acima. 
A noção de certo e errado emitida pelas equipes destes conselhos extrapolou os limites da compreensão de qualquer mente sã. Como considerar digno de "morte" homens que através de suas atitudes contribuíram para o usufruto dos benefícios enumerados atualmente, que não proporcionaram o mal a ninguém, e inocentar um oficial superior, que inegavelmente feriu a nossa honra, nosso pundonor e o decoro da classe, através de seus atos libertinos e imorais.
Parece que expulsaram também a justiça e o bom senso da nossa corporação, em um destes conselhos hipócritas e repletos de malícia.