segunda-feira, 15 de abril de 2013

DENÚNCIA E DESABAFO DE UM HERÓI ULTRAJADO

Recebemos esta denúncia através do nosso espaço de comentários, em uma das nossas publicações.



          
"Desculpe-me pelo anonimato, mas infelizmente as garantias Constitucionais ainda não nos protegem das covardias que são praticadas dentro do CBMERJ. Sou 3° SGT, lotado numa Diretoria do Complexo do Comando Geral onde estamos sofrendo uma série de constrangimentos e desrespeitos. Com o aumento do número de 3° sgt na Corporação  estamos sendo tratados como soldados graduados, obrigados a fazer o trabalho de faxina, carregar entulhos e outros trabalhos braçais. Na guarda do GOCG, somos escalados para o serviço de sentinelas das armas, sendo obrigados a tirar "quarto de hora" (serviço este, que de acordo com o regulamento de guardas, é função de soldado), mesmo tendo um número de soldados e cabos escalados no expediente e socorro, que seria suficiente para estas funções  Como se já não bastasse os 3° sgts não poderem estacionar seus veículos no estacionamento (apenas a partir de 2°sgt), agora não podemos mais frequentar o rancho de sargentos, sendo desta forma, excluídos do nosso círculo."

   Certa vez manifestei uma opinião contrária a esta política de promoções recentemente adotada  pelo comando de nossa corporação. Nela negávamos ser promovido, pois, a nossa indignação não é pelo posto ou graduação que ocupamos, mais sim pelo desrespeito e indiferença com que muitas vezes somos tratados, além das más condições de serviço; como se já não bastasse a impossibilidade de garantir segurança, formação e saúde para nossas famílias.
  Para nós este tipo de problema que o companheiro narra, sempre ficou muito claro que acabaria ocorrendo. A doutrina é militar, e junto com a promoção abandonamos certas atividades que não são mais inerentes a nova graduação, aumentando-se a responsabilidade. 
    Quando o comando não respeita o que preceitua o regulamento, além de dar um mal exemplo, ele desmerece aquela graduação; não que seja humilhação fazer faxina ou tirar "quarto de hora", longe disso, porém quem é militar sabe, quando se chega a Sargento dentro de uma corporação militar, suas funções e obrigações passam a ser de coordenação e não mais de execução.
  Porém todo esse desequilíbrio ocorre por ser mais fácil enfrentar a insatisfação dos seus comandados, usar medidas paliativas ou até mesmo comprometer a estrutura organizacional, a ser firme e perseverante em mostrar ao chefe do executivo que a remuneração e infra estrutura dentro da corporação, não atende as demandas, em todos os aspectos, do mundo moderno em que vivemos.  
    Meu desejo é que de alguma forma o comando geral tome conhecimento destes fatos, caso ainda não saiba, e por questão de respeito repare todas estas desconformidades que vem ocorrendo em praticamente todas as OBM's de nosso estado. Sinceramente não imagino como, já que a pirâmide hierárquica está desajustada.     
   Estamos a inteira disposição de todos os companheiros, que se sentirem prejudicados dentro dos quartéis, quando submetidos a condições de trabalho incompatíveis, de qualquer natureza, que contrariam o nosso regulamento, para juntos encontrarmos uma forma de resolução destas problemáticas, seja através do diálogo, quando possível, ou da Justiça!!!

2 comentários:

  1. O alto comando justifica tais ações pelas promoções que foram "dadas", porém, eles se esquecem que a fábrica de oficiais ficou funcionando turbinada por muitos anos, enquanto a de praças parou por vários anos, criando, desta forma, um quadro que só veio a agravar com as promoções "dadas".Hoje o número de Ten Cel BM suplanta em demasia ao de soldados. Alguém na BM1 e/ou DGP não fez ou fizeram o seu trabalho de forma correta, gerando esta atrocidade que em nenhuma organização séria ocorreria. Tudo por causa do nepotismo e corporativismo. Hoje a situação dos oficiais não está pior, porque vários estão agregados em órgão externo, para dar fluidez em suas promoções. A situação dos praças está sendo resolvida internamente, fazendo com que os Sgt tornem-se elementos de execução. E fluidez nesse exato momento será praticamente nula para próximas promoções. Abraços... É a mais pura verdade.

    ResponderExcluir
  2. Para que serve o Decreto Estadual 43.411 que alterou o 22169 que trata das promoções das praças? No CBMERJ não está valendo, pois completamos 16 anos e não fomos promovidos porque eles não querem dar o curso (CEFS) para os militares com direito a promoção. Na PMERJ com um efetivo bem maior estão fazendo curso EAD enquanto no CBMERJ estão travando nossa carreira desmotivando aqueles que salvam riquezas alheias. Fora Sérgios!!!

    ResponderExcluir