terça-feira, 5 de março de 2013

Laudo de incêndio que matou dois no Leblon sai na quinta, diz delegada



Desembargador e esposa morreram ao pular de 4º andar para fugir do fogo.
Segundo peritos, tomada pode ter provocado o fogo.

Cristiane CardosoDo G1 Rio
Comente agora
Desembargador Ricardo Areosa e a mulher, Cristiane, mortos após incêndio (Foto: Reprodução / TV Globo)Desembargador Ricardo Areosa e a mulher, Cristiane, mortos após incêndio (Foto: Reprodução / TV Globo)
O laudo da perícia do incêndio em um apartamento no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro, que matou o desembargador Ricardo Areosa e sua esposa Cristiane ficará pronto na quinta-feira (7), segundo informou a delegada da 14º DP (Leblon), Flávia Monteiro, na manhã desta terça-feira (5). Ainda de acordo com a delegada, vizinhos e familiares começam a ser ouvidos também na quinta.
Peritos disseram que o incêndio pode ter começado em uma tomada na sala, conforme mostrou reportagem do Jornal Hoje. Após análise preliminar no edifício Tanger, na Rua General Venâncio Flores, na manhã desta segunda-feira (4), foi verificado que o plugue estava conectado a aparelhos eletrônicos quando as chamas começaram.
Imagens feitas com um celular e exibidas no RJTV mostram o fogo destruindo o apartamento 401. No local, moravam o desembargador federal do trabalho Ricardo Damião Areosa e sua mulher, Cristiane Teixeira Pinto, que morreram após pularem do quarto andar na tentativa de escapar do incêndio.
Ao saltar, o desembargador se chocou contra uma mureta de concreto e morreu na hora. A mulher caiu sobre um toldo e sofreu traumatismo craniano. Levada em estado grave ao Hospital Miguel Couto, na Gávea, morreu durante atendimento médico.
Hidrante inoperante
Segundo testemunhas, houve atraso na chegada dos bombeiros e, quando chegaram, perderam mais tempo porque não havia água no hidrante em frente ao prédio.
O Corpo de Bombeiros informou, por meio de nota, que o atendimento levou apenas seis minutos, a partir do momento em que a solicitação foi feita. Segundo eles, o acionamento ocorreu às 23h24 e os agentes chegaram ao local às 23h30, mas tiveram dificuldade para acessar o apartamento pela porta que tinha quatro trancas.
Os bombeiros destacaram, também, que o hidrante presente na rua estava inoperante, o que dificultou o trabalho, mas não impediu o combate às chamas, já que foi utilizada água do prédio vizinho.
A Cedae enviou uma equipe ao local e informou que o hidrante possui água suficiente para apagar o incêndio. A concessionária disse, ainda, que os agentes dos bombeiros é que não teriam sabido operá-lo.
Fonte: G1
Lamentamos profundamente por esta fatalidade. Muito tem se especulado na tentativa de explicar os motivos da tragédia e até mesmo imputar responsabilidades, relativas a tudo o que aconteceu naquele triste domingo.
Percebe-se através das diversas publicações emitidas pela imprensa, que há clara dissonância entre as declarações realizadas pelas testemunhas presentes no evento e a nota realizada pela corporação, em relação ao tempo de resposta do socorro que chegou ao local do incêndio. Sabemos que para a vítima, para o solicitante de um socorro, um minuto pode parecer uma eternidade, porém nossos bombeiros precisam se deslocar do quartel para o socorro, e esse deslocamento leva de fato algum tempo. Outro assunto que vem gerando polêmica, refere-se ao funcionamento ou não do hidrante próximo ao incêndio. Segundo nossos bombeiros, militares habilidosos com este tipo de material, típico da sua profissão, o hidrante não estava operando como deveria e por isso não pôde ser utilizado, trazendo evidente embaraço para o socorro, mas os técnicos da CEDAE estranhamente não concordaram com tal parecer, alegando no dia seguinte que o hidrante encontrava-se em condições normais de uso. Não sabemos ainda precisamente o que aconteceu, por isso não é prudente emitir precocemente nenhum juízo, pois nossos bombeiros em tantas atuações vêm prestando serviços de excelência em favor de nossa população, demonstrando desta forma competência e afeição, relativa ao ofício de lutar pela vida e bens daqueles que clamam por socorro.
Esperamos o resultado do laudo da perícia de incêndio, que elucidará  todas as questões relativas ao evento.
Que Deus conforte o coração dos amigos e familiares do casal vitimado pelo incêndio. 

2 comentários:

  1. PARA A CASA DO SERGIO CORTES, FORAM 17 VIATURAS, E VARIAS PLATAFORMAS, MAS PARA A CASA DO DESEMBARGADOR, FORAM UMAS 2 VIATURAS NO MAXIMO. MANDA QUEM PODE, OBEDECE QUE TEM JUIZO. O MAIS ENGRAÇADO DISSO TUDO, FOI VE O SIMÕES CRITICANDO OS BOMBEIROS, E CABRAL DEFENDENDO OS HÉROIS; SERÁ QUE JÁ É, O EFEITO DO QUE VEM PELA FRENTE?

    ResponderExcluir
  2. E , agora , quem vai segurar? Vai sobrar só para os praças? Porque o CMDT não foi exonerado? http://oglobo.globo.com/rio/bombeiros-podem-responder-por-homicidio-culposo-se-policia-comprovar-atraso-em-atendimento-incendio-no-leblon-7762703

    ResponderExcluir