Pular para o conteúdo principal

Prefeitura interna 29 adultos usuários de crack compulsoriamente



Rio -  A Prefeitura do Rio informou nesta terça-feira que 91 adultos foram acolhidos em megaoperação realizada na madrugada desta terça-feira, na entrada das favelas Nova Holanda e Parque União, no Complexo da Maré, às margens da Avenida Brasil. Destes, 29 permanecerão internados no centro de tratamento montado em Paciência, na Zona Oeste. A ação ainda acolheu oito menores.
"Todos que foram acolhidos foram levados para o nosso centro. Lá havia toda uma equipe aguardando, com psiquiatra, médicos, uma equipe multidisciplinar. Esses 29 foram diagnosticados como extremamente graves. Foram encontrados, por exemplo, casos de uma grávida com HIV e outra grávida com tuberculose", explicou o vice-prefeito Adilson Pires à GloboNews.
A megaoperação montada para acolhimento de usuários de crack é o início do procedimento de internação compulsória - contra a vontade - de adultos dependentes da droga
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
No principal local de concentração de usuários de crack, um acampamento montado no trecho de calçada entre as passarelas 9 e 10, às margens da pista sentido Zona Oeste, da Avenida Brasil, na altura da Nova Holanda, a Rio Luz instalou holofotes para melhorar a iluminação do local. Uma viatura da PM e da Guarda Municipal ficarão baseada 24 horas para impedir a volta de usuários de crack, segundo o comandante do 22º BPM (Maré), tenente-coronel Rodrigo Sanglard. Um posto móvel de acolhimento de usuários de drogas também ficará baseado no local.
PMs ficam feridosO acolhimento de usuários na Avenida Brasil começou na noite de segunda-feira. Policiais do Batalhão de Operações Policias Especiais (Bope) entraram na Nova Holanda e noParque União para fazer buscas a traficantes e inibir a ação deles durante a ação megaoperação da Prefeitura. Ainda segundo o tenente-coronel Rodrigo Sanglard, houve intenso tiroteio. Dois PMs do Bope ficaram levemente feridos por estilhaços de bala. Uma pistola 9mm e um radiotransmissor foram apreendidos. PMs do 22º BPM e do Batalhão de Choque deram apoio.
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Pouco antes das 3h, agentes das secretarias municipal Saúde, Desenvolvimento Social e Conservação, Sub-Prefeitura da Zona Norte, Rioluz, Comlurb e CET-Rio, coordenados pela Secretaria Municipal de Governo e com apoio da Guarda Municipal, além de policiais da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) e a PM, chegaram ao trecho da cracolândia. Pela primeira vez as quatro faixas da Avenida Brasil, uma das principais vias expressas do Rio, foram interditadas. Houve correria. Homens, jovens, crianças e mulheres atravessavam a via ou fugiam pela passarela 10. Um grupo de dependentes ateou fogo em colchões, sofá e madeira. A PM chegou a usar uma bomba de efeito moral.
Pistas foram interditadas ao tráfegoAs pistas centrais da Avenida Brasil ficar fechadas por cerca de uma hora. A pista lateral sentido Centro foi liberada 20 minutos depois. Quase duas horas após o início da operação, apenas uma faixa da pista lateral, sentido Zona Oeste, foi liberada.
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Tiro atinge carro, mas motorista escapaDurante o confronto entre o Bope e bandidos, um tiro atingiu um Gol vermelho estacionado na Rua Teixeira Ribeiro, na altura da Passarela 9 da Avenida Brasil e um dos acessos à Favela Nova Holanda. Segundo o motorista de lotada, de 32 anos, - que preferiu não se identificar - ele tinha deixado um passageiro no local e aguardava o pagamento da corrida em um bar quando teve início o confronto. Ele se abrigou no estabelecimento.
"Sabia que os tiros estavam vindo de onde deixei o carro e já temi pelo pior", relembrou. Um disparo atravessou o vidro dianteiro e ficou alojado no encosto de cabeça do banco do motorista. "A gente acha que esse tipo de coisa não acontece com a gente. Graças a Deus não estava dentro do carro se não estaria morto a essa hora", comentou.

Fonte: O dia
Esperamos que a ação seja realmente efetiva para benefício dos dependentes, que haja continuidade e investimentos em todo processo de recuperação. Pois mais importante que dar uma satisfação para a sociedade, é resgatar estas pessoas deste caminho de onde muitos não voltaram.

Comentários

Postagens mais visitadas