quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

DEPUTADO DO PR DISCURSA EM FAVOR DE BOMBEIROS E POLICIAIS QUE FORAM PRESOS INJUSTAMENTE EM BANGU 1



 Bombeiros e Policiais que foram injustamente excluídos de suas corporações,  por participarem de movimento reivindicatório por dignidade de sua classe,  ocuparam as galerias da ALERJ  juntamente a seus familiares e amigos para clamar que projeto de anistia já existente seja posto em pauta.
Abaixo o discurso do Deputado Estadual Geraldo Pudim, que arrancou aplausos do público presente nas galerias.





O SR. GERALDO PUDIM - Sr. Presidente, demais Deputados desta Casa, antes de iniciar nosso pronunciamento quero apenas fazer o registro da presença de policiais e bombeiros militares nas galerias. (Palmas)Quero dizer, Sr. Presidente, que a ditadura terminou no Brasil, mas no Rio de Janeiro, não. Há profissionais filmando os senhores e as senhoras que estão aqui. São profissionais do serviço reservado da Polícia Militar e do Bombeiro Militar do Rio de Janeiro, filmando as pessoas que vêm legitimamente a esta Casa de Leis para reivindicar direitos não só de trabalhadores, mas direitos humanos que vêm sendo vilipendiados e rasgados por esse Governador que mais parece um ditador do Estado do Rio de Janeiro, o Sr. Sérgio Cabral. (Palmas)Sr. Presidente, todo mundo sabe – o Deputado Paulo Ramos discorreu aqui com muita propriedade – da situação que envolvia a luta dos trabalhadores da Polícia Militar e do Bombeiro Militar do Rio de Janeiro em busca de melhores condições de trabalho e de salários dignos para aqueles que, no dia a dia, colocam sua vida em risco para defender a sociedade. Isso culminou naquela cena horrorosa, que todos nós assistimos no Brasil inteiro, de 439 militares do Estado do Rio de Janeiro sendo conduzidos e presos daquela forma horrorosa, como foram tratados pelo Governador Sérgio Cabral.Quanto às prisões, simbolicamente falando aos senhores, o Cabo Daciolo, quando desembarcava no Rio de Janeiro, mais precisamente no dia 08 de fevereiro de 2012, foi de forma vil abordado por um Coronel Bombeiro que o prendeu sem qualquer mandado de prisão à mão, sob a alegação de que o Cabo Daciolo teria se ausentado do Estado do Rio de Janeiro sem a devida autorização. Imediatamente, foi apresentada pelo Cabo Daciolo a documentação que comprovava que ele havia comunicado ao seu superior hierárquico a sua ausência do Estado do Rio de Janeiro. Mesmo assim, o condutor e comandante daquela situação de prisão do Daciolo disse que ele teria que ser levado para prestar esclarecimentos. Esclarecimento nenhum, mentira!O cabo Daciolo foi conduzido diretamente para Bangu I e preso através do regime diferenciado, o RDC, colocado em isolamento, sem nenhuma condição de falar com seu Defensor Público, tratado como um facínora, como um bandido. Nem o Sr. Fernandinho Beira-mar, quando foi preso, teve o tratamento que o Cabo Daciolo teve. (Palmas)O Fernandinho Beira-mar parecia um pop star e o Cabo Daciolo foi tratado como um facínora por esse desgoverno a que estamos hoje assistindo no Rio de Janeiro.Depois, Sr. Presidente, os 11 companheiros em GMar, e outros companheiros também que participaram de uma manifestação silenciosa, trabalhando sem a camiseta do bombeiro, o que constitui uma falta disciplinar, é natural, é uma forma de protesto.Não houve, no período de 9 e 10 de fevereiro, uma morte por conta de falta atendimento dos bombeiros guarda-vidas, não houve. Mesmo assim, Sr. Presidente, quando os bombeiros guarda-vidas foram ao 3º Grupamento de Bombeiros Militares de Copacabana, receberam voz de prisão também. Da mesma forma, não lhes foi apresentado qualquer tipo de documento comprovando a sua prisão. Foram levados também para Bangu 1 para serem tratados como se fossem bandidos.Sr. Presidente, guarda-vidas salva vida! Eu nunca vi guarda-vidas ser tratado como Seu Marcola, como o Comandante do PCC, como o Fernandinho Beira-Mar. Foram todos conduzidos também para o regime diferenciado disciplinar e foram isolados em Bangu 1, sistema prisional de segurança máxima, sem que nenhum documento lhes fosse apresentado, Sr. Presidente - sem assinar nenhum documento.Todo cidadão, quando é preso, por maior bandido que seja, tem que saber o motivo pelo qual está sendo preso. Ele tem que saber o motivo pelo qual está sendo preso e receber uma cópia desse documento para entregar ao seu advogado e se comunicar. Ficaram incomunicáveis.Isso não só aconteceu com os bombeiros, isso aconteceu em outros quartéis do Estado, ocorreu prisão, inclusive, de oficiais, de coronéis da Polícia Militar, que também foram conduzidos, no total de 25, entre bombeiros militares e policiais militares, para um presídio de segurança máxima no Estado do Rio de Janeiro, como se fossem bandidos.Sr. Presidente, quero falar para V.Exa. que ficamos assustados também com a mudança do rito processual, das pessoas que são encaminhadas para o conselho de disciplina. Ora, o Governador casuisticamente altera os prazos do decreto que tinha sido recepcionado, um decreto de 67, salvo engano, de 57 ou de 67 ou de 70, um decreto-lei que foi recepcionado pela Constituição. Ele altera, mediante decreto de sua autoria, como ditador que é, os prazos para apresentação de defesa por parte dos militares que respondem a conselho de disciplina, de forma casuística. Para quê? Para atropelar o devido processo legal, para atropelar o legítimo direito de defesa consagrado na Constituição, para expulsar os policiais a toque de caixa das suas corporações. O Governador altera esse decreto, um decreto que tinha sido recepcionado pela Constituição, mediante um decreto comum de sua lavra.Sr. Presidente, na semana passada, recebi alguns companheiros bombeiros militares que entraram com uma queixa-crime. Outros policiais militares também aqui entraram com queixa-crime, e estão entrando. Entraram com uma queixa-crime por abuso de autoridade contra o Coronel Sérgio Simões, Secretário de Estado de Defesa Civil e Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros, por abuso de autoridade; queixa-crime contra o Coronel Camilo Ribamar, Comandante do Grupamento Especial Prisional, e também contra o Sr. Rogério Blank das Neves, Inspetor de Segurança e Administração Penitenciária, o ex-diretor de Bangu 1.Sr. Presidente, ninguém sabe quem foi que mandou recolher os militares a Bangu 1. A Promotora diz que não sabia, a Juíza Militar diz que não autorizou. O diretor do presídio de Bangu 1, os meninos ficaram mais de duas horas e meia na frente: “Eu não recebo. Eu não recebo. Eu não recebo.” Mesmo assim, recolheram. Ora, quem mandou? Quem mandou prender os policiais militares, que não fosse na sua corporação, como determina a lei, o regimento da corporação. Todos, mesmo que tivessem transgredido a disciplina da corporação deveriam ter sido recolhidos às suas corporações. E jamais, nunca, terem sido encaminhados, como bandidos, para Bangu I, comparando-se um bombeiro militar, comparando um policial militar a Fernandinho Beira-Mar, comparando a um Marcon da vida, comparando-se a esses maiores traficantes que o Brasil tem, e aos maiores assaltantes e assassinos que este Estado tem.Isso demonstra a cara fascista deste Governador Sérgio Cabral! Isso demonstra a cara fascista deste Governador Sérgio Cabral, que não tem respeito aos direitos humanos, que não tem respeito pelos trabalhadores! Não respeita o trabalhador, a Saúde! Já disse que médico era vagabundo – vocês se lembram disso? Já disse que médico era vagabundo! Manda prender guarda-vida em Bangu I como se fosse assaltante! Para ele, todo mundo é bandido, mas botar um guardanapo na cabeça e dançar “boquinha da garrafa”, em Paris, ele sabe fazer! (Palmas) Botar um guardanapo na cabeça e dançar “boquinha da garrafa”, em Paris, com dinheiro público, isso ele sabe fazer!Na hora em que o trabalhador está reivindicando melhores salários, vai prender em Bangu I!Sr. Presidente, encerrando minha fala, sei que meu horário está terminando, peço só dois minutos para ler aqui a nossa finalização, as conclusões: estarei encaminhando pedido ao Presidente desta Casa, para estudarmos a imediata revogação do Decreto 4362/2012, nos seus artigos 11, 13 e 15, que reduzem os prazos dos policiais militares que respondem a Conselho de Disciplina. Isso é atropelar a Constituição e o amplo direito de defesa que os senhores têm de, na hora em que sejam acusados, usarem o seu direito de defender.Estaremos encaminhando ao Presidente Paulo Melo o pedido da votação imediata do Projeto de Lei 1453, que concede anistia administrativa aos militares.É um absurdo! Respeito o Deputado que me antecedeu, Paulo Ramos, que falava que já estava sendo construída uma possibilidade da votação do Projeto de anistia. Porém esse Projeto de anistia está na mão do líder do Governo desde abril de 2012 e não vem ao Plenário! Não vêm ao Plenário! Eu quero ter o direito de votar esse Projeto da anistia! Quem está como Relator do Projeto é o líder do Governo! E eu tenho o direito, como todos os colegar aqui têm, de votar o Projeto de anistia. Tira da Comissão de Justiça, traz para o plenário e vamos votar aqui a anistia dos senhores e das senhoras que aqui estão! (Palmas)Baseado na queixa-crime que foi apresentada, por abuso, ao Coronel Sérgio Simões, ao Coronel Camilo Ribamar e ao Inspetor Rogério, estarei encaminhando hoje, que está aqui, o pedido de informação ao Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, ao Secretário de Defesa Civil da Administração Penitenciária, sobre de quem partiu a ordem para prender os meninos em Bangu I! Eu quero saber quem autorizou a prisão de vocês em Bangu I!O SR. PRESIDENTE (Roberto Henriques) – Conclusão, Excelência!O SR. GERALDO PUDIM – E, por isso, na próxima semana estarei entregando, protocolando junto ao Ministro da Justiça, que foi meu colega, que foi Deputado Federal comigo, José Eduardo Cardoso, um pedido de providência e toda a farta documentação dessa situação. Estarei encaminhando também à Secretária Nacional de Direitos, Maria do Rosário Nunes, relação a essa situação no Rio de Janeiro, porque, além do abuso de autoridade, houve tortura contra os militares do Rio de Janeiro! (Palmas)Além dos crimes de abuso de autoridade, houve crime de tortura! (Palmas) Quem está falando sou eu! Manda me processar! Não processa os meninos não, manda me processar! Eu estou dizendo: houve crime de tortura quando da prisão dos militares no Rio de Janeiro! Houve tortura! E quero que o Ministro da Justiça, meu colega Deputado Eduardo Cardoso investigue. E quero que a Secretária Nacional, a Ministra Maria do Rosário Nunes, também investigue esta situação no Rio de Janeiro, porque não podemos passar mais essa vergonha que estamos vivendo no nosso Estado.Muito obrigado pela tolerância, Sr. Presidente.

Depois do discurso o Deputado Geraldo Pudim, o Vereador Marcio Garcia ( representante dos bombeiros) e o Deputado Alonsimar de Oliveira (representante dos policiais militares) cumprimentaram o público presente nas escadarias da ALERJ.







Infelizmente, mais uma vez contamos com a presença inconveniente de militares do serviço reservado, os quais foram ordenados a se retirar da casa pela presidência e a apagar todos os registros realizados. 
Um ofício foi enviado ao comando da corporação pela presidência da casa, afim de obter esclarecimentos sobre a presença não autorizada de agentes do serviço reservado do Corpo de Bombeiros.

10 comentários:

  1. esse militar se chama "Ricardo"

    ResponderExcluir
  2. Seu nome é ricardo,ricardo,ricardo,ricardo, grardem bem esse nome, ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo,ricardo.....seu nome é ricardo,ricardo,ricardo,ricardo ... nenhum passo daremos atrás.

    ResponderExcluir
  3. Em vez dele ta junto na causa dos colegas ele que ver todos se ferrando tem que ferra ele tambem safado

    ResponderExcluir
  4. LÁ VEM GAROTINHO DEFENSOR DOS BOMBEIROS E POLICIAIS,ELE É CANDIDATO NÃO É ?

    ResponderExcluir
  5. POSTEI E NÃO FOI PUBLICADO O MEU COMENTÁRIO ,SEJA + DEMOCRATICO SR VEREADOR,ATÉ APARECER MELHOR CANDIDATO EU SOU GAROTINHO ,SÓ NÃO ENTENDO ESSA PREOCUPAÇÃO COM AS CAUSAS DOS MILITARES ESTADUAIS SOMENTE COM A PROXIMIDADE COM AS ELEIÇÕES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me perdoe caro amigo, se não publicamos seu comentário por alguma razão. Alguns comentários, ou denúncias, que recebemos não são estrategicamente publicados, porque temos o interesse em agir de outra forma.
      Comentários com nomes e alusões relativas a pessoa, sem material comprobatório também inviabilizam a publicação. Não podemos deixar brecha! Admitimos também como terceira opção, que pode ter ocorrido uma falha da nossa parte, se assim foi, mais uma vez pedimos perdão e que continue conosco. Você e todos os amigos que têm nos acompanhado por aqui, estão fazendo deste blogger um grande sucesso. Muito obrigado!

      Excluir
  6. Ao anônimo das 08:1121 de fevereiro de 2013 07:02

    Ao anônimo das 08:11 eu respondo, é melhor defender policiais e bombeiros do que defender empreiteiros, cavendish,s, cachoeiras,bicheiros e outros tipos de mafiosos que existem você não acha ?
    Pelo menos o garotinho demonstra estar do lado do povo diferente do cabral e seus asceclas que estão contra o povo. vê se acorda meu amigo !

    ResponderExcluir
  7. Não entendo como a pessoa se presta a este papel, entendo que o serviço de corregedoria é necessário, mas desde o início do movimento SOS estamos vivendo uma nova era, uma era em que as armas que o comando tem usado são as arbitrariedades que estamos presenciando desde então, são situações onde estão passando por cima da constituição e do regulamento ( e o pior de tudo é que a maioria tem telhado de vidro ) para reprimir os bombeiros. Então concluindo se realmente existem homens de caráter lá dentro que desejam ficar do lado da razão acredito que eles já tenham pedido para sair pois não consigo acreditar que uma pessoa boa se preste a este trabalho sujo. Parabéns aos ilustres parlamentares que mais uma vez estavam tentando resgatar a honra de nossos militares.

    ResponderExcluir
  8. Sou um assíduo leitor desse blog e meu desejo é que ele prospere cada vez mais, assim como a carreira do nosso nobre vereador. Parabéns pelo trabalho realizado. Eu conheço o Franklin e creio que se a corporação tivesse mais militares iguais a ele, esta seria uma corporação melhor. Parabéns Vereador Marcio Garcia e parabéns a sua equipe jurídica. Me tornei ainda mais fã do senhor quando soube que o senhor é formado em Direito.

    ResponderExcluir
  9. Porque corporações estaduais como PMERJ, PCERJ, SEAP, etc. Recebem gratificações de R$ 500,00 a R$ 1.000,00 e poucos reais mensais ex:(UPP, BOPE, CORE), gratificações semestrais de R$ 3.000,00 a R$ 9.000,00 reais por produtividade, e ainda podem optar por "fazer ou deixar de fazer" o PROEIS e o RAS, aumetando assim a sua renda mensal enquanto a Corporação Bombeiro Militar, pouco ou nada faz pelos seus militares não temos gratificações semestrais, o PROEISBM não funciona a não ser as exigências (TAF, exames, palestars, etc). Estamos esquecidos só lembram dos Bombeiros na hora das cobranças.

    ResponderExcluir