Tropa militar promete aquartelar no carnaval por negativa do governo

A tropa militar de Alagoas saiu insatisfeita diante da negativa do governo do estado durante uma reunião entre líderes da classe e o secretário de Gestão Pública, Alexandre Lages, na manhã desta quarta-feira, em Maceió.Diante da negativa do gestor da pasta, os policiais e bombeiros indignados já anunciaram por um possível aquartelamento no período carnavalesco no Estado. O presidente da Associação das Praças da Polícia e Corpo de Bombeiros Militar (Aspra), Wagner Simas, disse que uma nova reunião foi agendada para o dia 28 próxima para analisar o impacto da folha para o realinhamento das patentes de cabo a coronel.“Na semana que vem uma equipe da Segesp juntamente com o Comando Geral devem analisar o impacto da folha para posteriormente passar para os líderes das associações o resultado. Nós notamos que há uma falta de interesse deles de analisar este impacto da folha que não é um processo tão demorado quanto se parece. Não foi definido nada ainda, mas pretendemos começar as visitas pelas unidades em breve. A tropa quer um aquartelamento para ontem já”, ressaltou.O realimento tem como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA de 5,82% referente ao ano passado previsto para ser lançado no salário da categoria em abril ou maio deste ano. O realinhamento já foi dado aos soldados, restando o de cabo a coronel.O desfecho final acerca do realinhamento será anunciado no próximo dia 28, às 15h, na Secretaria de Gestão Pública, no Centro de Maceió.   Dezenas de militares se concentraram em frente da Segesp à espera de um resultado positivo para a tropa, o que não aconteceu. O cabo Flávio, - um dos servidores da segurança pública que aguardava o resultado da reunião dos presidentes de associações com o secretário, - não acreditou que o governo negociasse com a classe, haja vista, que a questão do realinhamento de cabo a soldado é discutida há quase um ano.“O governador Teotonio Vilela Filho já disse que não irá implantar o PCC – Plano de Cargo e Carreira da Educação por não ter recurso para tal, mas está gastando R$ 840 mil na reforma de um Caic, localizado na Lagoa Mundaú, que só tem concreto”, reclamou o militar.“Este governo sempre usa o termo Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF para dizer que não existe dinheiro para repasse, porém se contradiz em propagandas quando enfatiza que a LRF bateu o recorde de arrecadação”, emendou.Ano passado, o salário da patente de soldado foi realinhado de 16% de ganho real, mas as demais não tiveram o mesmo sucesso. O soldado passou a receber R$ 2.200, enquanto um cabo com mais de dez anos em serviço recebe apenas R$ 2.250.  Esta é a primeira reunião dos líderes militares e segundo eles, marca o início das mobilizações de 2013 em prol da categoria.Participam da reunião a Associação das Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros (Aspra), Associação dos Cabos e Soldados (ACS), Associação dos Subtenentes e Sargentos (Assmal), Associação dos Oficiais Militares (Assomal), Associação dos Oficiais da Reserva (Assorpobom), Associação da Reserva, Reforma e Pensionistas Militares (ARPM), além do subcomandante da Polícia Militar, coronel Mário da Hora. 

Comentários