segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Ex Cabo do Bombeiro expulso por reivindicar melhores salários e condições de trabalho participa do salvamento dos bombeiros envolvidos na queda do helicóptero.

UM SIMPLES GESTO DE UNIÃO QUE PODE AJUDAR


Com a participação do bombeiro excluído CB BM SALVADOR no incidente envolvendo a aeronave do GOA, abriu-se mais uma vez espaços na mídia para discutimos a situação que foram lançados os 14 país de famílias que lutavam apenas por dignidade para todos os membros de nossa corporação. Agradeço a todos os espaços democráticos que veicularam com lisura e transparência o acontecimento no posto 3 de Copacabana como: blog do garotinho, odiaonline, extraonline, soubombeiro.com, sospmerj  e outros mais...
Gostaríamos de pedir aos freqüentadores do site que curtam, publiquem, republiquem, compartilhem em facebook, twiter, e-mails e afins, o máximo de informações sobre esse resgate e seus desdobramentos. Imaginamos com isso, que uma oportunidade singular poderá ser conseguida na mídia, em prol de externamos a situação de dificuldade vivenciada pelos excluídos e a opressão atual vivida pelos membros de nossa briosa corporação.
Lembrem-se, a UNIÃO é o fator fundamental para continuarmos na luta.

Quem puder compartilhar:
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=267066426752753&set=a.180685558724174.38341.100003481941194&type=1&relevant_count=1

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

PSOL precisa de mais um vereador para montar a chapa de oposição.

Jorge Felippe prefere adversários por perto

Presidente da Câmara afirma que partidos de oposição são bem-vindos em sua chapa

POR Rozane Monteiro
Rio -  Titular da única chapa apresentada até agora para a eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal, o atual presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB), está em plena negociação para seduzir quem anda ameaçando concorrer com ele dia 1º de janeiro. Não que o vereador, correligionário do prefeito Eduardo Paes, corra o risco de não ser reeleito numa casa em que pelo menos 40 dos 51 vereadores são fiéis à base. Mas não custa poupar aborrecimento.
Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia
Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia
“De que adianta um partido marcar posição? Não é melhor estar na Mesa?”, perguntou Jorge Felippe, em entrevista ao DIA na sexta-feira. O recado tinha endereço certo. Entre os partidos a que o presidente se refere como “de esquerda”, o Psol — que este ano elegeu quatro vereadores — andou pensando em lançar uma chapa só para, justamente, “marcar posição”, como um psolista já admitiu na semana passada. Mas o Psol não promete oposição ferrenha à base, presidente?

Jorge Felippe é didático com quem acha que situação e oposição não podem, por natureza, estar lado a lado: “A composição da Mesa Diretora nada tem a ver com situação ou oposição. É uma questão institucional, é uma representação dos partidos baseada no princípio da proporcionalidade. Estamos fazendo uma proposta de unidade da Câmara.”

Hoje, a Mesa Diretora é composta por PMDB, PDT, DEM, PSC, PSDC e PV. Dessas legendas, a única considerada realmente de oposição é DEM, que tem entre os três vereadores eleitos o ex-prefeito Cesar Maia. PDT, PSC e PSDC integraram a aliança que reuniu o PMDB de Paes e outros 19 partidos. O PV teve candidata própria contra o prefeito, Aspásia Camargo. Mas hoje o único representante verde na Câmara — Paulo Messina, reeleito — não é considerado, exatamente, de oposição.

Costeando o alambrado

Falta saber o que os dois vereadores do PDT — Leonel Brizola Neto e Jorge Manaia — vão fazer. Insatisfeito com a relação da bancada com o prefeito, o neto do ex-governador dá sinais de que o apoio da legenda ao governo na Câmara subiu no telhado.

Há quem aposte que a dupla vai, cada vez mais, se apresentar como “independente”, motivar o lançamento de uma chapa “de esquerda” contra Jorge Felippe e passar para o outro lado de vez em 2013. Uma hipótese seria se unir aos quatro vereadores do Psol. Como o número necessário para uma chapa é sete, ficaria faltando apenas um nome.

A tarefa seria fácil se o Psol não tivesse aversão a alianças com partidos que não se alinham aos princípios programáticos e políticos da legenda. Como na Câmara a oposição está representada pelo DEM de Cesar Maia, pelo PR de Anthony Garotinho e pelo PSDB de Fernando Henrique Cardoso...

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/brasil/jorge-felippe-prefere-advers%C3%A1rios-por-perto-1.526719



Câmara do Rio adia tombamento do antigo Museu do Índio


Protesto de índios e ativistas sociais contra destruição do prédio do antigo Museu do Índio para as obras do Maracanã (Arquivo: Vadimir Platonow/Ag.Brasil)
Rio de Janeiro – A Câmara dos Vereadores do Rio decidiu adiar para a próxima semana a votação do tombamento do prédio do antigo Museu do Índio, ameaçado de demolição por causa das obras de reforma do Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã. As galerias do plenário ficaram lotadas desde o início da tarde de ontem (20), com manifestantes a favor da preservação do imóvel, onde começou o Serviço de Proteção ao Índio, comandado pelo marechal Cândido Rondon.
Apesar da pressão popular, a matéria só foi colocada em votação depois das 22h, quando já não havia o quórum mínimo necessário para a aprovação, de 26 parlamentares. Mesmo assim, os vereadores presentes votaram o projeto de tombamento, que registrou 18 votos a favor e nenhum contra, pois a bancada do governo já havia se retirado.
O cacique Carlos Tukano, que lidera a ocupação do prédio pelos índios, que fundaram a Aldeia Maracanã, fez questão de acompanhar a sessão e disse que haverá resistência à tentativa de retirá-los do imóvel. “Não vamos arredar o pé. Estamos recebendo gente de outros estados para resistir. Queremos que o Brasil mostre ao mundo que respeita os índios, os primeiros habitantes desta terra. Se algo acontecer, será muito ruim para a imagem do país lá fora”, declarou.
O vereador Reimont (PT), um dos autores da proposta de tombamento do Museu do Índio, juntamente com Eliomar Coelho (PSOL) e Leonel Brizola Neto (PDT), lamentou a postura da Câmara. “Nós perdemos a oportunidade de dizer ao mundo que a cultura indígena pode ser preservada sem prejudicar o sucesso da Copa e das Olimpíadas. Ao não oferecer quórum, a Câmara não cumpriu o seu papel”, criticou.
O presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB), disse que a matéria poderá entrar em pauta na próxima quarta-feira (26). Outro projeto de tombamento, o da Escola Municipal Friedenreich, que funciona ao lado do Maracanã e também está ameaçada de demolição, não pôde ser votado porque foi apresentada emenda à matéria, forçando um novo trâmite entre as comissões da Casa, o que só deverá estar concluído no próximo ano.
Os vereadores aprovaram o orçamento para 2013 e também o projeto que institui o campo de golfe olímpico, na Barra da Tijuca, em um processo que inclui aumento de gabarito para construção de edifícios, e a redução de 58 mil metros quadrados de uma área de proteção ambiental (APA). Duas emendas apresentadas de última hora foram aprovadas, garantindo a isenção total de impostos municipais do futuro campo de golfe.
Após o encerramento da última sessão, que terminou por volta das 22h30, os manifestantes deixaram o prédio da Câmara protestando e acabaram entrando em conflito com o vereador Luis Carlos Ramos (PSDC), da base do governo, que estava em um bar próximo. O parlamentar permaneceu no banheiro do estabelecimento e só saiu escoltado pela Polícia Militar, chamada para controlar o tumulto. Mesmo assim, o vereador foi hostilizado pelos manifestantes.
Edição: Graça Adjuto
 
Fonte: http://www.ebc.com.br/2012/12/camara-do-rio-adia-para-a-proxima-semana-tombamento-do-antigo-museu-do-indio
 

sábado, 15 de dezembro de 2012

AGU defende no Supremo norma federal que concede anistia a policiais e bombeiros militares


A Advocacia-Geral da União (AGU) elaborou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo norma federal que concede anistia aos policiais e bombeiros militares vinculados a vários Estados da Federação e punidos por participação em movimentos reivindicatórios por melhorias salariais e de condições de trabalho.


A norma é discutida na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 4869 proposta pelo Procurador-Geral da República contra a Lei Federal nº 12.505/2011. O autor questiona que a União não teria competência para conceder anistia relativamente a infrações administrativas cometidas por servidores estaduais.

A Secretaria-Geral de Contencioso (SGCT) manifestou-se pela improcedência do pedido, devendo ser declarada a constitucionalidade da Lei federal. Segundo o órgão da AGU, quando o tema envolver interesses de mais de um Estado, como é o caso, ou necessitar de um disciplinamento uniforme em todo o território nacional, a União deverá regular a matéria. O objetivo é evitar conflitos federativos.

O Procurador-Geral da República aponta ainda que a concessão de anistia pela federação aos policiais e bombeiros militares estaduais, nos moldes contemplados pela lei em exame, seria incompatível com a Constituição Federal, pois os membros possuem vínculo com os Estados e subordinam-se aos respectivos Governadores.

No entanto a manifestação da AGU destaca que a competência também cabe à União, pois a Lei Federal não instituiu anistia para militares de um único Estado do Brasil, mas dirigiu o benefício para diversos Estados, ou seja, ela é interestadual e não pode ser regulada por um único ente, sob pena de haver tratamento legislativo discriminatório.

O caso é analisado no STF pelo ministro relator Dias Toffoli.

A SGCT é o órgão da AGU responsável pelo assessoramento do Advogado-Geral da União nas atividades relacionadas à atuação da União perante o STF.

Ref.: ADI nº 4869 - STF

Leane Ribeiro

 

Fonte: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=visualiza_noticia&id_caderno&id_noticia=94293

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

PF apura acusação de fraude em eleição no Rio

A Polícia Federal apura uma acusação de que houve fraude nas eleições municipais no Estado do Rio de Janeiro a partir da violação na transmissão dos votos pelo sistema online do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo afirmações de um hacker, que pediu para não ter o nome publicado, colegas alterariam a pedido de políticos e partidos o resultado das eleições antes da totalização dos votos pela Justiça Eleitoral.
Isso ocorreria, segundo ele, por meio da obtenção fraudulenta de login e senha de acesso ao sistema. As investigações começaram a partir de suas declarações. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
Ele diz que a invasão ocorreria depois da transmissão de 50% dos dados das urnas eletrônicas para o Tribunal Regional Eleitoral. Segundo o hacker, a invasão teria sido feita por meio do sistema de transmissão de dados online da empresa de telecomunicações Oi. A Oi informou, por meio de sua assessoria, que o sistema é seguro.
O TSE, que também já manifestou várias vezes em ocasiões anteriores que o sistema é seguro, disse que só se pronunciará caso o resultado de alguma votação seja questionado judicialmente. O inquérito para apurar o caso foi aberto pela PF antes do segundo turno. No dia das eleições (28 de outubro), a corporação acompanhou a "invasão" junto com o hacker delator, mas afirma que nada foi comprovado.

 Fonte: http://www.jb.com.br/rio/noticias/2012/12/14/pf-apura-acusacao-de-fraude-em-eleicao-no-rio/

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Muito bom! Militar anula punições ilegais.

Militar não pode ser punido antes de se defender Por Jomar Martins A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região manteve sentença que anulou uma punição com detenção porque o comandante não deu chance de defesa ao militar e ainda aplicou pena mais severa do que a indicada pela comissão processante. A decisão foi tomada na sessão de julgamento ocorrida dia 5 de dezembro. O desembargador que relatou a Apelação em Reexame Necessário, Fernando Quadros da Silva, reconheceu que o episódio representou clara afronta ao devido processo legal — formal e material —, à ampla defesa, ao contraditório e, sobretudo, ao dever de motivação, conforme dispõe os artigos 5º, incisos LIV e LV, e 37, da Constituição Federal. A advogada Sue Ellen Pan y Agua Sevalt Ferreira foi a juízo contra ato do comandante da 2ª Companhia Engenharia de Combate Mecanizada do Exército, sediada em Alegrete (RS), que determinou detenção disciplinar, por dez dias, de Júnior de Oliveira Ferrari. No Habeas Corpus, ela sustentou a ilegalidade do Inquérito Policial-Militar (IPM) e do Procedimento Administrativo-Disciplinar (PAD) que embasaram a prisão, tendo em vista a insuficiência de provas e a inobservância dos princípios do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório. Afinal, a comissão processante concluiu pela aplicação da pena de detenção por três dias e o militar foi penalizado com dez dias. Conforme a sentença, o militar punido transgrediu a disciplina do Exército, em fato ocorrido no dia 11 de novembro de 2011. Ele teria ‘‘deixado de empenhar-se para que não ocorresse falha no serviço, de fiscalizar a execução do serviço, de controlar o rodízio de descanso dos guardas, de passar em revista aos militares da guarda e de verificar se as sentinelas tinham pleno conhecimento das ordens particulares relativas aos seus postos’’. O juiz federal substituto Aderito Martins Nogueira Júnior, da Vara Federal de Uruguaiana (RS), disse que a decisão que agravou de três para dez dias o prazo de detenção disciplinar não conta com qualquer fundamentação ou justificativa. Da mesma forma, entendeu que houve desrespeito à norma do artigo 35, inciso VIII, do Decreto 4.346/02, a qual exige que a decisão punitiva aplicada em expediente disciplinar militar fundamente, de forma objetiva e direta, o eventual não-acolhimento de alegações formuladas ou de provas apresentadas. Assim, o magistrado reconheceu a nulidade do PAD e, por consequência, da pena de detenção imposta ao autor. Com base no artigo 648, inciso VI, do Código de Processo Penal (CPP), e no artigo 35 do Regulamento Disciplinar do Exército, concedeu o Habeas Corpus.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Voto Eletrônico: Hacker revela no Rio como fraudou eleição

Voto Eletrônico: Hacker revela no Rio como fraudou eleição

Um novo caminho para fraudar as eleições informatizadas brasileiras foi apresentado ontem (10/12) para as mais de 100 pessoas que lotaram durante três horas e meia o auditório da Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Rio de Janeiro (SEAERJ), na Rua do Russel n° 1, no decorrer do seminário “A urna eletrônica é confiável?”, promovido pelos institutos de estudos políticos das seções fluminense do Partido da República (PR), o Instituto Republicano; e do Partido Democrático Trabalhista (PDT), a Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini.
Acompanhado por um especialista em transmissão de dados, Reinaldo Mendonça, e de um delegado de polícia, Alexandre Neto, um jovem hacker de 19 anos, identificado apenas como Rangel por questões de segurança, mostrou como -- através de acesso ilegal e privilegiado à intranet da Justiça Eleitoral no Rio de Janeiro, sob a responsabilidade técnica da empresa Oi – interceptou os dados alimentadores do sistema de totalização e, após o retardo do envio desses dados aos computadores da Justiça Eleitoral, modificou resultados beneficiando candidatos em detrimento de outros - sem nada ser oficialmente detectado.
“A gente entra na rede da Justiça Eleitoral quando os resultados estão sendo transmitidos para a totalização e depois que 50% dos dados já foram transmitidos, atuamos. Modificamos resultados mesmo quando a totalização está prestes a ser fechada”, explicou Rangel, ao detalhar em linhas gerais como atuava para fraudar resultados.
O depoimento do hacker – disposto a colaborar com as autoridades – foi chocante até para os palestrantes convidados para o seminário, como a Dra. Maria Aparecida Cortiz, advogada que há dez anos representa o PDT no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para assuntos relacionados à urna eletrônica; o professor da Ciência da Computação da Universidade de Brasília, Pedro Antônio Dourado de Rezende, que estuda as fragilidades do voto eletrônico no Brasil, também há mais de dez anos; e o jornalista Osvaldo Maneschy, coordenador e organizador do livro Burla Eletrônica, escrito em 2002 ao término do primeiro seminário independente sobre o sistema eletrônico de votação em uso no país desde 1996.
Rangel, que está vivendo sob proteção policial e já prestou depoimento na Polícia Federal, declarou aos presentes que não atuava sozinho: fazia parte de pequeno grupo que – através de acessos privilegiados à rede de dados da Oi – alterava votações antes que elas fossem oficialmente computadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).
A fraude, acrescentou, era feita em beneficio de políticos com base eleitoral na Região dos Lagos – sendo um dos beneficiários diretos dela, ele o citou explicitamente, o atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado Paulo Melo (PMDB). A deputada Clarissa Garotinho, que também fazia parte da mesa, depois de dirigir algumas perguntas a Rangel - afirmou que se informará mais sobre o assunto e não pretende deixar a denúncia de Rangel cair no vazio.
Fernando Peregrino, coordenador do seminário, por sua vez, cobrou providências:
“Um crime grave foi cometido nas eleições municipais deste ano, Rangel o está denunciando com todas as letras - mas infelizmente até agora a Polícia Federal não tem dado a este caso a importância que ele merece porque ele atinge a essência da própria democracia no Brasil, o voto dos brasileiros” – argumentou Peregrino.
Por ordem de apresentação, falaram no seminário o presidente da FLB-AP, que fez um histórico do voto no Brasil desde a República Velha até os dias de hoje, passando pela tentativa de fraudar a eleição de Brizola no Rio de Janeiro em 1982 e a informatização total do processo, a partir do recadastramento eleitoral de 1986.
A Dra. Maria Aparecida Cortiz, por sua vez, relatou as dificuldades para fiscalizar o processo eleitoral por conta das barreiras criadas pela própria Justiça Eleitoral; citando, em seguida, casos concretos de fraudes ocorridas em diversas partes do país – todos abafados pela Justiça Eleitoral. Detalhou fatos ocorridos em Londrina (PR), em Guadalupe (PI), na Bahia e no Maranhão, entre outros.
Já o professor Pedro Rezende, especialista em Ciência da Computação, professor de criptografia da Universidade de Brasília (UnB), mostrou o trabalho permanente do TSE em “blindar” as urnas em uso no país, que na opinião deles são 100% seguras. Para Rezende, porém, elas são "ultrapassadas e inseguras". Ele as comparou com sistemas de outros países, mais confiáveis, especialmente as urnas eletrônicas de terceira geração usadas em algumas províncias argentinas, que além de imprimirem o voto, ainda registram digitalmente o mesmo voto em um chip embutido na cédula, criando uma dupla segurança.
Encerrando a parte acadêmica do seminário, falou o professor Luiz Felipe, da Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que em 1992, no segundo Governo Brizola, implantou a Internet no Rio de Janeiro junto com o próprio Fernando Peregrino, que, na época, presidia a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). Luis Felipe reforçou a idéia de que é necessário aperfeiçoar o sistema eleitoral brasileiro - hoje inseguro, na sua opinião.
O relato de Rangel – precedido pela exposição do especialista em redes de dados, Reinaldo, que mostrou como ocorre a fraude dentro da intranet, que a Justiça Eleitoral garante ser segura e inexpugnável – foi o ponto alto do seminário.
Peregrino informou que o seminário será transformado em livro e tema de um documentário que com certeza dará origem a outros encontros sobre o mesmo assunto - ano que vem. Disse ainda estar disposto a levar a denuncia de Rangel as últimas conseqüências e já se considerava um militante pela transparência das eleições brasileiras: “Estamos aqui comprometidos com a trasnparência do sistema eletrônico de votação e com a democracia no Brasil”, concluiu. (OM)

Fonte: http://pdt.org.br/index.php/noticias/voto-eletronico-hacker-revela-no-rio-como-fraudou-eleicao

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Tudo por uma vida: bombeiro mergulha em água de esgoto para salvar uma mulher

Gritos de socorro chamaram a atenção do sargento Rennato Neves Motta e seus colegas, enquanto atendiam a uma ocorrência de capotamento na avenida Brasil, no Rio de Janeiro/RJ, na madrugada de 16 de março de 2012. Alertado por militares do quartel da Marinha, em frente ao local do acidente, ele deparou-se com uma senhora se afogando em um poluído canal que leva ao mar. Sem hesitar, o bombeiro do Quartel de Ramos atirou-se à água e, mesmo não sendo um especialista em salvamento aquático, salvou uma vida em condições surpreendentes e impróprias. Exausto e sentindo os sintomas da ingestão de água contaminada, soube que a vítima, agora arrependida, havia tentado o suicídio e que vinha sendo arrastada pela correnteza por 100 metros. Sobre a marcante experiência, o sargento de 32 anos conversou com a Revista Emergência.

Bombeiro salva mulher em água de esgoto

COMO ACONTECEU O SOCORRO?
Recebemos, por volta de meia-noite, um chamado para capotagem de veículo. Lá, nos deparamos com três vítimas com ferimentos leves. Durante o atendimento, ouvimos chamados desesperados vindos do quartel da Marinha, bem em frente ao local do socorro. Parte da guarnição cruzou as pistas para ver o que estava acontecendo. Foi quando cheguei à margem do rio e avistei uma senhora arrastada pela correnteza.
POR QUE DECIDIU PULAR?
A vítima estava com a cabeça submersa e os braços estendidos na água, já tomada pelo cansaço e entregue à própria sorte. Não restou alternativa e me lancei naquela água imunda, nadei até ela e a reboquei com dificuldade até a margem. A guarnição nos auxiliou a sair do rio, segurando o colega cabo Antônio de Oliveira pelos braços. Ele serviu de apoio enquanto providenciavam a escada.

COMO FICOU O ATENDIMENTO INICIAL?
As vítimas já estavam na ambulância. Então, não houve nenhum prejuízo ao socorro. Parte da guarnição correu para a margem do rio e outra permaneceu atendendo a estas vítimas.
O SOCORRO EXIGIU UMA REAÇÃO RÁPIDA?
Conforme a senhora era arrastada, chegava próxima a um canal e, se caísse ali, a perderíamos de
vista. Ela cairia na rede pluvial e dali iria para mar aberto, na Baía de Guanabara. A chance de pular
era naquela hora. Não tive nem três segundos para pensar.
ELA ESTAVA INCONSCIENTE?Não, mas muito cansada. Quando a abordei, travamos uma verdadeira luta. Na ânsia de se salvar, ela me puxou para baixo em duas oportunidades, o que fez com que eu ingerisse também água contaminada. Quando a retirei, eu vomitei umas quatro vezes e também fui para o hospital. Tomei o medicamento e fiquei alguns dias em alerta.
A ÁGUA INGERIDA ERA MUITO POLUÍDA?O Inea (Instituto Estadual do Ambiente) coletou água para análise. O índice de balneabilidade, que é a água que o corpo humano pode ter contato, é de até mil coliformes fecais a cada 100 mililitros. Ali, havia 3,3 milhões em cada 100 ml. Era água de esgoto mesmo.
QUAL A PROFUNDIDADE DO RIO?
Deve ter, no mínimo, uns oito metros. É um rio Por Rafael Geyger com seis metros de largura, tanto que tive que pular como se estivesse mergulhando em uma piscina, pois a vítima estava na outra margem. Com o rio em um nível mais baixo, dá para ver pedaços de vergalhões, de madeira e objetos enferrujados.
ESTAVA CONSCIENTE DOS RISCOS?Na hora, eu não pensei em nada. Só tive o ímpeto de pular e trazer aquela senhora de volta ao seio da sua família, mesmo que para isto custasse a minha vida. Foi isto que eu prometi quando ingressei no CBMERJ. Claro que em sã consciência eu não aconselho ninguém a fazer isto.
TEVE ALGUM MEDO DURANTE A AÇÃO?
O medo faz parte. O bombeiro que não tem medo de nada é irresponsável, mas controlar este medo
é importante, pois ele sempre corre em direção ao perigo, enquanto os outros homens correm em direção contrária. Coragem é isto, a capacidade de fazer algo mesmo quando morre de medo.
O SOCORRO FUGIU DA SUA ESPECIALIDADE?
Fomos chamados para uma capotagem, não para uma tentativa de suicídio. Não estávamos preparados psicologicamente para aquele momento. E outra: sou um bombeiro combatente, não sou um guarda-vidas. Não tenho tanta aptidão em salvamento aquático.
PARA A VÍTIMA, FOI UM MOMENTO DE SORTE?A sorte dela foi que a gente estava ali no local. Se fosse um dia normal, os militares da Marinha estariam no interior do quartel, ela teria passado despercebida por ali e talvez estivesse desaparecida até hoje e a família sem saber o que aconteceu. Foi Deus que nos colocou ali para atender a um outro socorro.
QUE MARCAS A EXPERIÊNCIA DEIXA?O socorro me deixou extremamente satisfeito e orgulhoso em pertencer à corporação. Nunca tinha visto um trabalho de equipe tão bem coordenado e executado como este. Vi nos meus dez colegas que atuaram a segurança de quem sabe o que está fazendo.
 
Fonte:http://www.profissaobombeiro.com/2012/11/tudo-por-uma-vida-bombeiro-mergulha-em.html

sábado, 8 de dezembro de 2012

Polícia Militar investiga abuso e toque de recolher na UPP Borel

Disparos no alto do morro levaram os policiais a fazer a "recomendação", diz assessoria da Polícia; versão é combatida por moradores da comunidade que estão "apreensivos".

Polícia Militar já tem a sua versão para o suposto toque de recolher do último dia 28, que mobilizou os moradores do Morro do Borel, anteontem, na Tijuca. Enquanto o comandante das Unidades de Polícia Pacificadora, Rogério Seabra, diz que vai investigar se tal medida realmente ocorreu, a asssessoria garante que policiais da UPP tomaram a decisão após ouvir disparos no alto do morro, temendo por um conflito.
Moradores protestam contra suposto toque de recolher na comunidade%2C que estaria sendo imposto por PMsA versão, no entanto, continua sendo rebatida por alguns moradores. A assistente social e moradora do Borel, Cláudia Marques, 40 anos, afirma que não houve disparos. “Isso é uma versão para eles responsabilizarem a comunidade. Ninguém comentou sobre estes tiros. Estamos denunciando apenas alguns policiais”, lembrou. O comando das UPPs já tem os nomes dos quatro policiais acusados de cometerem arbitrariedades.Operação Pandora: Policial civil agia como infiltrado da milícia na Corregedoria, diz MP“São mais de 200 policiais naquela UPP e vamos tentar descobrir quem são esses denunciados, para saber o que aconteceu. Dialogamos com a população no mesmo dia do protesto, mas estamos apurando se houve isso (toque de recolher) ”, comentou Rogério Seabra.Mesmo após o protesto, alguns moradores ainda demonstram medo de que outras noites com toque de recolher aconteçam no Borel. “Vamos continuar cobrando explicações do comando das UPPs. O toque de recolher e as ameaças não podem acontecer mais. Estamos apreensivos”, disse Mônica Santos, integrante do Movimento Ocupa Borel.Para Leonardo Mota, o MC Leonardo, presidente da Associação dos Profissionais e Amigos do Funk do Rio, até o ritmo musical não é bem visto nas comunidades pacificadas. “Alguns PMs nos encaram como marginais. Tocar em algumas favelas é complicado”, contou.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

PM baleado no Alemão passa por cirurgia e estado de saúde é muito grave

O cabo da Polícia Militar Fábio Barbosa, de 26 anos, passou por uma cirurgia nesta quarta-feira no Hospital da Polícia Militar, no Estácio, Zona Norte do Rio. Ele foi baleado por bandidos no Morro da Fazendinha, no Complexo do Alemão, no início desta madrugada. Ele está internado em estado muito grave. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) reforçou o policiamento no interior da comunidade.Foto: Osvaldo Praddo/Agência O DiaMilitar foi levado inicialmente para o Getúlio VargasDe acordo com colegas do cabo, ele e outros seis policiais militares da UPP faziam um patrulhamento a pé na localidade conhecida como Areal, que fica no fim da Rua Joaquim de Queiróz, no Morro da Fazendinha. O local foi usado como rota de fuga em massa de bandidos durante uma perseguição por um helicópeto da polícia, pouco antes da ocupação das comunidades da região pelas forças de segurança do Rio, em novembro de 2010. Leia mais:  Policial de UPP é baleado em ataque de bandidos no Complexo do AlemãoOs sete policiais foram surpreendidos por bandidos e atacados a tiros. Houve revide, mas o cabo Fábio foi baleado. Atingido na perna e na cabeça, ele foi socorrido inicialmente na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Alemão. Depois, o PM foi levado para o Hospital Getúlio Vargas (HGV), na Penha. Após cerca de duas horas e por falta de neurocirurgião, o militar foi transferido para o Hospital da PM. Outros dois PMs da UPP sofreram escoriações, como arranhões, durante o confronto e chegaram a ir para a UPA do Alemão, mas foram liberados.Durante a madrugada viaturas do 16º BPM (Olaria) e de UPPs do Complexo do Alemão circularam pela principais vias do entorno das comunidades. Ninguém foi preso e não há informações de apreensões de armas e drogas.Semana tensa O clima no omplexo de favelas da região já havia ficado tenso na terça-feira da semana passada, quando Gledson Paiva de Souza Silva, conhecido como Novinho, de 23 anos, morreu em confronto com policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Nova Brasília, vizinha à Vila Cruzeiro. Durante a madrugada, bandidos dispararam contra uma viatura da PM, na localidade do Grotão, e o conteiner que serve como base da UPP da Merindiba. Ninguém ficou ferido na ação. PMs que estavam registrando ocorrência na 22ª DP (Penha) partiram em apoio. O policiamento foi reforçado pelo Batalhão de Choque (BPChoque) na região.A polícia suspeita que os ataques tenham sido uma represália a morte de Gledson. Com ele, segundo a PM, foi encontrada uma pistola calibre 45 com 21 munições intactas e numeração raspada. Um menor de 17 anos foi apreendido. Ele estava com uma réplica de fuzil com luneta, além de um radiotransmissor e um celular.No fim da noite de terça-feira, o soldado José Antônio de Oliveira Mesquita esteve na 22ª DP. Ele levou um tiro de pistola nas costas, após trocar tiros com Gledson. O soldado foi salvo pelo colete à prova de balas. Segundo o PM, ele e outros três policiais faziam um patrulhamento na localidade conhecida como Coqueiro. Ao abordar dois suspeitos acabou atingido por Novinho. Eles trocaram tiros e o acusado morreu após ser levado para Unidade Pronto Atendimento (UPA) da comunidade.Dois dias depois, uma casa usada por traficantes de drogas foi descoberta e invadida por policiais da UPP da Fazendinha, no Complexo do Alemão. Bandidos em fuga dispararam contra os PMs, mas ninguém se feriu. Na casa, os policiais encontraram três artefatos explosivos, feitos com cascos de extintores de incêndio de carros, dois revólveres, balança de precisão, munição e dois radiostransmissores. Os policiais levaram todo o material apreendido para a 22ª DP (Penha).PM foi morta em ataque Na noite do dia 22 de julho deste ano, a soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, foi morta a tiro em um ataque de bandidos a base e ao container da UPP Nova Brasília, também no Complexo do Alemão. Ela tinha acabado de lanchar e estava ao lado container quando os criminosos agiram . A PM morreu após levar um tiro de fuzil 762.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/2012-12-05/pm-baleado-no-alemao-passa-por-cirurgia-e-estado-de-saude-e-muito-grave.html

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

'PF não é polícia de governo, é de Estado',

Ele afirmou que não ‘instrumentaliza’ nem ‘perde controle’ da Polícia Federal.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta terça-feira (4) que a Polícia Federal “nos últimos 10 anos” deixou de ser uma “polícia de governo”, para se tornar uma força do “Estado”.Ele deu a declaração ao falar na Câmara dos Deputados sobre a Operação Porto Seguro, que investiga um esquema de fraudes em pareceres técnicos de órgãos públicos para beneficiar empresas privadas.“Nos últimos 10 anos, a Polícia Federal não é mais uma polícia de governo, é uma polícia de Estado, que atua no cumprimento das ordens e das leis, onde a interferência política ou posição política do ministro da Justiça jamais pode fazer curvar a instituição”, disse Cardozo.A Polícia Federal indiciou 18 pessoas na semana passada na Operação Porto Segura. Entre os suspeitos de participação no esquema estão a ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha, o ex-advogado-geral adjunto José Weber Holanda, o ex-diretor da Agência Nacional de Águas Paulo Vieira, e o ex-diretor da Agência Nacional de Aviação Civil Rubens Vieira.O ministro afirmou que quando há operações que investigam membros de governos da oposição, ele é acusado de “instrumentalizar” a PF.Cardozo destacou que no caso da Operação Porto Seguro, por envolver diretores de órgãos públicos do atual governo e ex-funcionária de escritório da Presidência, o Ministério da Justiça foi acusado de “perder o controle da PF”.“As operações da PF não são fruto de instrumentalização nem de descontrole. São fruto de uma polícia que se afirma como republicana, cumpre a Constituição e a lei.”  Operação A operação Porto Seguro cumpriu 26 mandados de busca e apreensão em São Paulo e 17 no Distrito Federal em 23 de novembro. Dezoito pessoas foram indiciadaspor suspeita de participação no esquema criminoso, entre elas Rosemary e José Weber Holanda, número dois na hierarquia da Advocacia-Geral da União (AGU).No sábado (24), a presidente Dilma Rousseff determinou a exoneração ou afastamento de todos os servidores envolvidos na operação Porto Seguro, da Polícia Federal.

Fonte: http://m.g1.globo.com/politica/noticia/2012/12/pf-nao-e-policia-de-governo-e-de-estado-diz-cardozo-sobre-operacao.html

Comentário: Eu queria uma operação dessas aqui no rio. Vem para o rio PF!

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

RJ: protesto contra aumento de passagem de ônibus reúne centenas

Cerca de 300 pessoas fizeram um protesto nesta quinta-feira, na Cinelândia, contra o aumento das passagens de ônibus no município do Rio de Janeiro. Apesar de desmentidos de Eduardo Paes, a previsão é de que a passagem aumente para R$ 3,05 em janeiro de 2013. Além disso, os manifestantes dizem lutar por um transporte 100% gratuito e de qualidade, passe livre para estudantes e o fim da dupla função(motoristas que também são cobradores). "São uma série de lutas que a juventude carioca está empreendendo contra a privatização da cidade, da venda da cidade para a Fetranspor, além do resort na reserva e a privatização do Maracanã também", disse Mariana Bruce, participante do Coletivo Resistência Popular Zona Oeste 2. Os manifestantes saíram da concentração, na Candelária, em direção à Cinelândia. Eles pararam por quatro vezes a movimentação na Avenida Rio Branco, que teve quatro pistas fechadas para o ato. Apesar da forte presença policial, não houve nenhum confronto entre polícia e manifestantes. Os manifestantes invadiram parte do palco que não havia sido desmontado após o ato "Veta Dilma", na segunda-feira, e picharam, com tinta vermelha, nas escadarias da Câmara Municipal, a seguinte frase: " Contra o aumento da passagem, rebelar-se é justo".

Fonte: http://m.terra.com.br/noticia?n=6343326&ei_pid=5538219

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Paes chama manifestações contrárias à demolição de escola de demagogia

Paula Bianchi Direto do Rio de Janeiro

 Eduardo Paes (PMDB), prefeito do Rio de Janeiro, classificou como "demagogia" as manifestações contrárias à demolição a Escola Municipal Friedenreich. A fim de garantir o funcionamento do colégio em 2013 o Ministério Público do Estado distribuiu nesta terça-feira uma Ação Civil Pública contra o município pedindo a antecipação da tutela.Para Paes, que participou nesta quarta-feira pela manhã do segundo encontro preparatório para a Jornada Mundial da Juventude, que irá acontecer em julho no Rio, a questão esta cercada de "desinformação" e a transferência do local da escola é positiva. "Escola não é prédio. São seus professores, a sua história e qualidade do ensino. A escola sai dali para um prédio em melhores condições. Paremos com tanta demagogia", ordenou.O prefeito disse ainda que a intervenção é necessária para melhorar a capacidade do Estádio do Maracanã de receber visitantes. "Não vamos requalificar o estádio para a Copa do Mundo, que vai ter cinco, seis jogos, mas para o carioca, que frequenta muito o Maracanã."De acordo com a ação, o Estado e Município não devem adotar qualquer medida que impeça, inviabilize, limite ou não dê o direito à educação na escola. Caso descumpram esta decisão, ambos deverão pagar uma multa diária de R$ 5 mil. A ação também exige que sejam iniciadas as providências para assegurar um local adequado para as instalações da escola para o ano letivo de 2014.A principal base para a ação foi um inquérito aberto em 2009 pelo MPRJ, no qual os representantes do Município e do Estado informaram que os serviços previstos nos contratos de elaboração e execução das obras do Maracanã não fariam qualquer intervenção na escola municipal. Esta informação foi confirmada pela Secretaria de Obras do Estado no dia 28 de agosto deste ano.

Ginasio do flamengo tinha equipamentos de seguraça contra incêndio?

O incêndio que atingiu um ginásio do Clube de Regatas do Flámengo, na Gávea, zona sul do Rio, na manhã desta quinta-feira (29), já foi controlado. A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros. Não houve vítimas. No comando das equipes que controlaram o fogo, o capitão-bombeiro José Carlos Constantino, do quartel da Gávea, disse que a origem das chamas só poderá ser determinada após a perícia. — A situação já foi totalmente controlada, não tivemos vítimas e as informações da causa somente a perícia poderá determinar. Os bombeiros vão isolar a área e o ginásio será avaliado por peritos, para descobrir as causas do incêndio. A estrutura do ginásio também será avaliada. O objetivo é saber se sofreu algum dano. Até as 10h, não havia informações sobre prejuízos e equipamentos que podem ter sido destruídos pelo fogo. Por volta das 9h, era possível ver uma enorme coluna de fumaça negra saindo pelo telhado do ginásio Claúdio Coutinho, usado para o treinamento dos atletas de ginástica. Dentro da instalação, há grande quantidade de material inflamável, como espuma e madeira. Bombeiros do quartel da Gávea  foram acionados e quatro viaturas foram deslocadas para combater as chamas. Devido ao incêndio, uma faixa de trânsito foi interditada na rua Gilberto Cardoso, onde os veículos do Corpo de Bombeiros estavam paradas às 9h47. Por causa do incidente, as atividades no clube foram suspensas. O ginásio que pegou fogo fica entre um campo de futebol e o Parque Aquático do clube rubro-negro.

Fonte: http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/noticias/incendio-que-atingiu-ginasio-do-flamengo-e-controlado-20121129.html

Delegado rasga o verbo!

Delegado de policia se emociona e expõe sua frustração com a proteção do ordenamento aos menores infratores. 

O Brasil já está pedindo a muito tempo a redução da maioridade penal! O que os políticos estão esperando?

Militares realizam ato por realinhamento da tabela e carga horária

A Associação dos Subtenentes e Sargentos Militares de Alagoas (ASSMAL) irá promover no mês de dezembro um ato público pela implantação da carga horária e aplicação do realinhamento da tabela de subsídio da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.O realinhamento da tabela de subsídio, que vem sendo discutido com representantes do Governo desde o início do ano, é uma das grandes preocupações da classe atualmente, já que, há uma disparidade nos salários de soldado a coronel.O presidente da ASSMAL, sargento Teobaldo de Almeida, informou que a tropa está inquieta devido à falta de resposta do Governo em realinhar a tabela de cabo a coronel. “Apenas os soldados foram beneficiados até o momento. Restam os demais postos e graduações. E isso tem gerando um desconforto na tropa, já que, os soldados estão recebendo quase o mesmo valor de um cabo. As lideranças militares apresentaram uma proposta ao Governo, mas foi descartada sob a alegação que ia de encontro à Lei de Responsabilidade Fiscal. Então estamos trabalhando para apresentar uma nova proposta e esperamos que seja boa para as partes”, disse o militar.Uma nova proposta do realinhamento será apresentada no dia 12 de dezembro ao secretário de Gestão Pública, Alexandre Lages.Já em relação à carga horária irregular dos militares, a categoria pede que seja fixada uma escala de trabalho de 36 horas semanais, pois a maioria dos policiais e bombeiros cumpre escalas de até 64 horas semanais e acaba sem tempo para o lazer com a família.Como argumento para a aplicação da carga horária, a categoria utiliza o artigo 7º da Constituição Federal, que garante a qualquer trabalhador urbano ou rural uma jornada de trabalho de no máximo 44 horas semanais.“A Constituição Federal é clara ao dizer que as leis do país, independente quais sejam elas, se submetem a todos. Os estatutos e regulamentos - em hipótese alguma - podem ferir alguns artigos da CF, tornando-se nulo qualquer regulamento, lei ou estatuto que o faça. Muitas ações negativas dos militares serão ligadas ao estresse e isto acaba refletindo na sociedade”, afirmou o presidente da ASSMAL, sargento Teobaldo de Almeida.A ASSMAL iniciou a luta pela implantação da carga horária em 2009. O presidente da entidade chegou a apresentar um projeto de lei a deputados estaduais e representantes do Governo de Alagoas. Por três anos, foram reuniões com o ex-deputado Paulão (PT), ex-secretários de Defesa Social, Paulo Rubim e Gestão Pública, Guilherme Lima, ex-comandante da PM, coronel Luciano Silva, subcomandante da PM, coronel Mário da Hora (quando ainda era Comandante do CPC), e o próprio Governador do Estado, Teotonio Vilela, mas até o momento o problema não foi resolvido.De acordo com sargento Teobaldo, a tropa está estressada e com problemas de saúde e familiar devido às escalas desumanas. “A tropa enfrenta uma carga horária muito pesada. Além dos dias de serviço, são obrigados a ‘esticar’ o plantão em dias de grandes eventos, como partidas de futebol. Isso é errado, pois a estão trabalhando além do que é permitido por lei e sem receber nada a mais nos contracheques pelas horas extras trabalhadas”, finalizou o militar.Fonte: Ascom ASSMAL

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Anistia de bombeiros e policiais militares está na pauta de amanhã

 
Garotinho discursa em frente à ALERJ durante vigília dos bombeiros
Garotinho discursa em frente à ALERJ durante vigília dos bombeiros


O meu projeto de lei nº 3.424/12, que "Concede anistia a policiais e bombeiros militares do Rio de Janeiro, punidos por participar de movimentos reivindicatórios", estava na pauta da Comissão de Segurança Pública na semana passada. Mas como não houve tempo para ser votado passou para a pauta da sessão de amanhã.

Embora não sendo membro titular dessa Comissão, como vice-líder do PR, farei uso da palavra para defender a anistia dos bombeiros e policiais militares do Rio de Janeiro, punidos covarde e arbitrariamente por Cabral, alguns sendo expulsos das corporações apenas porque defenderam o direito a um salário digno.

Muita gente já esqueceu a covardia feita com homens que passaram muitos anos arriscando a própria vida para defender, proteger e salvar a população. Isso não pode ficar assim. Tem que ser feita justiça.

Interio teor do projeto de lei: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=970357&filename=PL+3424/2012
 

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

UPP não acabou com o tráfico de drogas nas comunidades.


PRESIDENTE 'MAIS POBRE DO MUNDO' DIRIGE UM FUSCA E DOA 90% DO SALÁRIO


JOSÉ MUJICA, DO URUGUAI, LEVA UMA VIDA DE POUCO LUXO, MUITO DIFERENTE DO QUE SE PODERIA SE ESPERAR DE UM CHEFE DE ESTADO

José Mujica, presidente do Uruguai, com seu fusca 87 (Foto: Reprodução)
Aos 77 anos, o uruguaio José Mujica, presidente do Uruguai, é um ex-guerrilheiro tupamaro que passou 14 anos preso, a maioria durante a ditadura uruguaia (1973-1985). Ele vive em uma pequena chácara nos arredores de Montevidéu junto com sua esposa, a senadora Lucía Topolansky. Ali cultiva flores e hortaliças que vende nos mercados locais.
Quando não está realizando trabalhos oficiais, o chefe de Estado faz questão de dirigir o seu próprio carro, um fusca azul, de 1987, avaliado em pouco mais de US$ 1.000. Mujica dispensa empregados. Faz suas próprias compras no bairro onde vive e frequentemente é visto em restaurantes populares com seus colaboradores no entorno da sede do Governo, no centro de da capital uruguaia.
Seu salário, de US$ 12,5 mil mensais, não fica todo com ele. O presidente uruguaio fica com US$ 1.250 e doa 90% para a construção de casas populares. Segundo sua última declaração de renda, de abril passado, seu patrimônio e o de sua esposa somam cerca de US$ 212 mil. Eles possuem três terrenos, três tratores e dois carros de 1987."Se tenho poucas coisas, preciso de pouco para sustentá-las", disse recentemente em uma à BBC.
Por conta dessa vida frugal, Mujica é considerado 'o presidente mais pobre do mundo'. E agora é inspiração para um novo perfume. Martín Sastre pretende criar uma fragância com as flores que Mujica cultiva em sua chácara. Segundo o artista, as flores do presidente uruguaio guardam "a essência do autêntico luxo".
A ideia ainda não recebeu o sinal verde do presidente. Mas já tem até nome, "U from Uruguay", e anúncio publicitário. Sastre, artista audiovisual e diretor de cinema nascido em Montevidéu em 1976 e que mora em Madri, disse reconhecer Mujica como "ícone global por causa de sua filosofia de vida", por isso a intenção de criar o perfume.
Se o projeto for concretizado, a fragrância de "Pepe" (como o presidente é popularmente conhecido) seria vendida através de fundações públicas para arrecadar dinheiro e criar um fundo de fomento da produção artística.

Fonte; http://epocanegocios.globo.com/Inspiracao/Vida/noticia/2012/11/presidente-mais-pobre-do-mundo-dirige-um-fusca-e-doa-90-do-salario.html

sábado, 24 de novembro de 2012

PRESIDENTE DO PR REUNE CANDIDATOS ELEITOS

Adequadamente abrigados no confortável auditório da Faculdade Bennett, os candidatos a Prefeito e vereadores eleitos do PR e partidos coligados no pleito municipal, tiveram oportunidade de ouvir do presidente do PR, o deputado federal Anthony Garotinho, os inquestionáveis avanços do Partido na recente eleição municipal.
Com um terço das prefeituras do Estado e mais de 1 milhão de votos de seus candidatos, a equipe do PR mostrou que está pronta para avançar nas eleições de 2014.
 
Todo o esforço foi reconhecido com a oferta de um diploma aos prefeitos e vereadores eleitos. Veja algumas fotos do evento abaixo:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

É BOMBEIRO NO LOCAL!



CBMERJ participará de etapa internacional de salvamento
Data: 23/11/2012 / Fonte: CBMERJ

Rio de Janeiro/RJ- O Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) foi convidado pela corporação de Santa Catarina para participar do IX Campeonato Sul-Americano de Salvamento Aquático. O evento acontece na Praia Central de Balneário Camboriú, entre os dias 28 de novembro e 02 de dezembro de 2012. O período ainda marca a realização do 11º Simpósio Brasileiro de Salvamento Aquático e da 7ª Feira de Artigos de Salvamento Aquático, que será sediada no Centro de Eventos de Itajaí. Estão inscritos 45 militares do CBMERJ, sendo 10 oficiais e 35 praças, que vão competir em provas específicas de natação e corrida, tais como resgate com pranchão, resgate com rescue-tube, corrida ao pé de pato e biathlon.

O treinamento para as provas já está em andamento e o responsável pelas atividades dos atletas é o major Paulo Costa, do 3ºGMar. "Iniciamos os treinamentos antes do II Campeonato Estadual de Salvamento Aquático do CBA-XI, onde obtivemos bons resultados. Pretendemos nesta competição não somente vencê-la, como também obtermos índices para o Campeonato Mundial de Salvamento Aquático, que será realizado na Alemanha. As modalidades são bem específicas, requerendo o aprimoramento de diversas valências físicas aliadas às técnicas de salvamento com e sem equipamentos. O treinamento está bem forte e faremos de tudo para trazer este título inédito para o CBMERJ", disse.

Em 2011, a corporação levou para a disputa cerca de 31 guarda-vidas, testando todas as habilidades de que um guarda-vidas necessita em sua atividade cotidiana. A competição ocorre anualmente e a equipe carioca obteve a segunda colocação geral por equipes no ano passado, quando reuniu 600 guarda-vidas, entre civis e militares, dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Maranhão, Acre, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, além de países como Peru, Argentina, Portugal e Espanha.

FONTE: http://www.revistaemergencia.com.br/site/content/noticias/noticia_detalhe.php?id=A5jiA5yA


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Com o pior salário do mundo bombeiro do rio ganha Jogos Mundiais de Bombeiros. PARABÉNS!!!


Jogos Mundiais de Bombeiros: cabo nascido na Providência leva medalha de ouro em Sydney, Austrália

O cabo bombeiro Alexandre Fernandes exibe, no peito, as medalhas que ganhou em Sydney: ouro e prata
O cabo bombeiro Alexandre Fernandes exibe, no peito, as medalhas que ganhou em Sydney: ouro e prata Foto: Marcelo Theobald

Aos 15 anos, o ainda menino Alexandre resolveu que era hora de descer o Morro da Providência, onde nasceu e foi criado, para ganhar o mundo. Estava disposto a mudar sua vida e a de sua família. Determinado, não desistiu, e a recompensa veio 15 anos mais tarde. O hoje cabo Alexandre Fernandes é reconhecido mundialmente: é o melhor bombeiro do planeta. O cabo conquistou medalha de ouro nos Jogos Mundiais de Bombeiros, mês passado, em Sidney, Austrália.

Bombeiro há quatro anos, foi a primeira vez que Fernandes saiu do Rio. E a primeira parada foi do outro lado do mundo. Ele encarou prova de força, técnica e resistência para se consagrar o bombeiro mais completo do mundo, na categoria de 30 a 34 anos. Foi a estreia da corporação na disputa.
Alexandre Fernandes durante competição em Sydney
Alexandre Fernandes durante competição em Sydney Foto: Divulgação
— Eu vi que nasci para essas competições. A prova é sofrimento e dor, e vivi isso minha vida toda — assinala, orgulhoso da vitória.
Nascido e criado em comunidade, Alexandre quis fugir da vida que lhe apontavam: o crime. Com esforço, terminou o ensino médio num supletivo. Chegou a iniciar três cursos na faculdade, Letras, Educação Física e Matemática, mas não terminou nenhum. Aos 22 anos, resolveu ser gari da Comlurb. Mas não esqueceu do sonho de menino. Entre uma varredura e outra, estudava para ser bombeiro.
Alexandre Fernandes carregou, por 90 metros, duas mangueiras
Alexandre Fernandes carregou, por 90 metros, duas mangueiras Foto: Divulgação
— Comprei uns livros de Português e Matemática. Varria as ruas, me escondia atrás da caçamba de lixo e abria meus livros ali mesmo. No almoço, estudava também.
Foram dois anos nessa rotina. Na primeira vez que fez o concurso para os bombeiros, passou. Virou exemplo na Providência, onde mora com a família.
— É muito legal. Os meninos dizem que querem ser bombeiros também — conta, entusiasmado.
Alexandre (à esquerda) ao receber a medalha de ouro em Sydney


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/jogos-mundiais-de-bombeiros-cabo-nascido-na-providencia-leva-medalha-de-ouro-em-sydney-australia-6713590.html#ixzz2CnjwKwjg

LULA pode ter 9 milhões do seu patrimônio bloqueado e nenhum jornal publicou!


Ministério Público pede bloqueio de bens de Lula
O Ministério Público Federal (MPF) de Brasília pediu à justiça o bloqueio dos bens do ex-presidente Lula da Silva, a quem acusa de improbidade administrativa por ter usado verba pública com claro intento de promoção pessoal.


A ação interposta pelo MPF refere-se ao gasto desses quatro milhões de euros com a impressão e o envio pelo correio de mais de dez milhões de cartas enviadas pela Segurança Social a reformados entre Outubro e Dezembro de 2004, segundo ano do primeiro mandato de Lula.
A missiva avisava os reformados que um convênio estabelecido entre a Segurança Social e o até então desconhecido Banco BMG lhes permitia a partir de então pedirem empréstimos a juros baixos e sem qualquer burocracia àquela instituição bancária, com o desconto das parcelas sendo feito diretamente nas reformas.
 Até aí não haveria problema, não fossem dois detalhes, que chamaram a atenção dos promotores. O BMG, único banco privado a ser autorizado na altura a realizar esse tipo de empréstimo, conseguiu a autorização em menos de duas semanas, quando o normal seriam vários meses, e as cartas, simples correspondência informativa, eram assinadas por ninguém menos que o próprio presidente da República, algo nada comum para esse tipo de aviso.
Para o Ministério Público, não há dúvida de que Lula e o então ministro da Segurança Social, Amir Lando, que também assinou as cartas e é igualmente acusado na acção, usaram a correspondência para obterem promoção pessoal e lucro político e que a acção do presidente da República favoreceu a extrema rapidez com que o BMG conseguiu autorização para operar o negócio, desrespeitando as normas do mercado. A 13.ª Vara Federal, em Brasília, a quem a acção foi distribuída, ainda não se pronunciou sobre o pedido do MPF.
    Por:Domingos Grilo Serrinha, Correspondente no Brasil
    Fonte: 
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/internacional/mundo/ministerio-publico-pede-bloqueio-de-bens-de-lula


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

S.O.S BOMBEIROS: REINTEGRAÇÃO DOS 13 BOMBEIROS JÁ!: É ISSO...ANISITIA JÁ!

S.O.S BOMBEIROS: REINTEGRAÇÃO DOS 13 BOMBEIROS JÁ!: É ISSO...ANISITIA JÁ!: Anistia de bombeiros e policiais militares entra na pauta da Câmara Bombeiros e policiais militares em manifestação que ocorreu na p...

De Nova York, prefeito do rio pensa em responsabilizar secretario por viajar com empresario.

O prefeito Eduardo Paes disse ontem que se sentiu incomodado com a informação de que o secretário municipal de Urbanismo, Sérgio Dias, viajou ao exterior com despesas bancadas pela construtora Cowan. Paes, que soube da informação em Nova York, onde estava de folga com a família, não confirmou nem descartou se manterá Dias no cargo. Ele disse apenas que, no início de dezembro, pretende fazer uma reunião sobre as mudanças de governo. Na prefeitura, a Cowan integra o consórcio que venceu a licitação para operar os esgotos da Zona Oeste. - O Sérgio faz um belo trabalho, mas na vida pública não dá para viajar a expensas de ninguém – disse o prefeito. Paes considera este o primeiro episódio polêmico de Dias, já que ,quando foi fotografado em Paris com o governador Sérgio Cabral e o empreiteiro Fernando Cavendish, ele havia pago suas despesas. Sobre a possível saída de Cláudia Costin da Educação, ele disse que conversará com ela. Paes falou sobre as mudanças no encontro com os organizadores dos Jogos de Londres. Também presente na reunião, o secretário-chefe da Casa Civil do estado, Regis Fichtner, anunciou mudanças no edital de concessão do Maracanã por 35 anos. Os investimentos de responsabilidade da concessionária estão sendo reavaliados para incluir novos encargos. Na versão final , a empresa que vencer também terá que demolir o presídio da Quinta da Boa Vista com a sua transferência para o Complexo de Gericinó. E o estado decidiu arcar com os custos da transferência da Escola Municipal Frienderich do complexo esportivo para São Cristóvão. Esta semana, o governo divulgará os editais dos complexos do Parque Olímpico de Deodoro. Os recursos serão repassadas pelo Ministério do Esporte. Complexo de vira-lata para inglês ver Responsável pelas relações com a imprensa brasileira e internacional , o diretor de Comunicação do Comitê Rio 2016, Carlos Villanova, disse ontem que os “brasileiros têm complexo de vira-latas”. A declaração foi feita em um evento no Rio que contou com integrantes da comissão do Comitê Olímpico Internacional (COI),. Eles participam de um seminário com organizadores dos Jogos Olímpicos de Londres, que estão repassando experiências para os colegas brasileiros. Ex-assessor internacional da Presidência da República, Villanova disse que apenas parafraseou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem trabalhou, ao responder a uma pergunta da El Motawakel, da comissão de coordenação dos Jogos. - Muitas vezes a imprensa internacional via melhorias no Brasil primeiro do que a brasileira. Os brasileiros cobrem bem os jogos, mas não os preparativos – disse.

Fonte: http://www.boainformacao.com.br/2012/11/cowan-paes-pode-tirar-dias-do-cargo/

sábado, 17 de novembro de 2012

Mais protestos contra as ações do Prefeito Eduardo Paes.

Jovens e ativistas protestam contra construção de hotel em área preservada

 
Jornal do BrasilIris Marini
 
O protesto de moradores e defensores do meio ambiente realizado na manhã deste sábado (17), contra a construção de um hotel em terreno que já pertenceu a Área de Proteção Ambiental da Reserva de Marapendi, na Barra da Tijuca, terminou em confronto com policiais, que tentavam reprimir a manifestação. Quando os participantes sentaram na Avenida Sernambetiba, impedindo a passagem dos carros, PMs jogaram spray de pimenta, atingindo adolescentes, mães, pais e até crianças que participavam do protesto.
O clima esquentou e os manifestantes - em torno de 300 -começaram a gritar palavras de ordem contra os policiais e o prefeito Eduardo Paes, chamado de "traidor" e "fascista". "Fora, Eduardo Paes!", "Desmatamento, não!", "Impeachment para Eduardo Paes!", gritavam os participantes, muitos lembrando que o prefeito teria prometido, antes das eleições, preservar regiões arborizadas na região.
Quase todo o público presente no protesto, que foi articulado principalmente pela rede social Facebook,era composto de jovens com idade na faixa dos 15 aos 25 anos. E um menor de 16 anos chegou a jogar areia em um policial, que o deteve e o levou para a viatura da polícia. O carro foi cercado pelos manifestantes e o pai do jovem acabou entrando dentro do carro para impedir que seu filho fosse encaminhado para a delegacia. Após alguns minutos, o menor acabou sendo liberado. "É a primeira vez que ele participa de um protesto. Ele errou, eu sei disso. Levou um susto que vai fazer com que repense como agir numa manifestação", admitiu o pai, que não quis se identificar.
Ágatha Anet, de 16 anos, uma das organizadoras da manifestação, estuda numa escola com hábitos sustentáveis na Barra que estimula os colegas. “É muito triste saber que estão derrubando árvores. O carioca está muito insatisfeito e sofre calado. Nossa motivação é ambiental e política. Queremos mais transparência também. Deu vontade de gritar o que pensamos, e conseguimos. Tenho certeza de que todos estão querendo fazer isso há um tempão. Isso não vai acabar. No dia 24 estamos aqui de novo”, conta a jovem.
 
 
Moradores questionam legalidade da construção
O advogado Bruno Miragaya, que também reside nas proximidades do terreno, entrou com uma representação no Ministério Público pedindo abertura de inquérito civil na 4º Promotoria de Tutela Coletiva e do Meio Ambiente. Ele está analisando a situação da construção do hotel Hyatt, pois segundo ele, deveria ter sido autorizada por um conselho da APA e pode ser que devesse ter sido discutida em audiência pública. “Estamos esperando dar andamento no inquérito para ver qual será a atitude do promotor”, disse ele.
“Qualquer estudante de direito sabe que uma lei municipal não pode derrubar uma lei estadual-federal. Houve um recurso em 2005, mas muito mal feito, e no Supremo não entraram no mérito dele, mantendo a legislação em vigor. É com base nisto que estão construindo, mas a lei é frontalmente institucional”, afirmou durante a manifestação o morador Edson Aires, do Condomínio Sunset Drive, que fica ao lado do terreno da construção. Durante o protesto, ele escreveu um cartaz ironizando a questão com os dizeres: “Lei municipal maior que a estadual e a federal”.
“Não há dúvida de que uma lei municipal que altera parâmetros estaduais não tem efeito. Se conseguirmos provar que essa lei é inconstitucional e que não poderia ser aprovada a Eia/Rima (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental), que verifica todo o impacto do entorno, já que nunca seria aprovada uma Eia/Rima com esse trânsito impraticável daqui, que já afeta a população, conseguiremos paralisar estas obras”, complementa.
Edson estranhou a visita e explicação de engenheiros no seu prédio: “Causou-me muita espécie ver uma equipe no meu prédio justificar essa obra trazendo 16 engenheiros e dois ambientalistas, um representante do Hyatt que não falava português, fazendo com que não pudesse responder nada do que perguntássemos A meu ver, houve uma preocupação em justificar uma coisa que a gente sente que é ilegal. E a derrubada de repente, correndo, fechando tudo, só reforça a ideia. Além disso, o prefeito do Rio, três dias depois de reeleito, fez uma relação de 73 itens que ele não iria permitir. Um deles era a construção de apart hotel. E 15 dias depois autoriza?“, questiona.
Abílio Fernandes, que preside a Federação do Surf do Rio de Janeiro, espera que o prefeito se sensibilize com a manifestação, como antes. “Ele já participou de um protesto assim antes. Em 2005, o vereador Guaraná mandou carta para o então prefeito Cesar Maia pedindo o veto de mudança no gabarito dessa área, que foi vetada por ele, mas mesmo assim a alteração foi aprovada”, contou.
Devastação é ameaça ao bioma, segundo especialista
O biólogo e ativista ambiental Marcello Mello afirma que o espírito olímpico está comprometido devido à parceria público-privada e empreiteiros. “A reserva da Barra da Tijuca é um patrimônio do Rio e do Brasil, que é preservada há muito tempo. Esta floresta em destruição é um bioma da Mata Atlântica, um dos mais ameaçados do mundo, diferente do Amazônico, que está bem preservado. Nossos administradores públicos não estão preocupados com a preservação desta área do Marapendi. Querem poder e, para isso, precisam de financiamento de grandes empresas. Já as detentoras de poder financeiro são empreiteiras que representam os hotéis internacionais. Eles veem a Mata Atlântica como um obstáculo que deve ser devastado para construírem seus empreendimentos”, alerta o biólogo.
Para Marcello, o poder público deveria defender as florestas para o futuro de seus próprios filhos. “Estão usando a floresta como moeda corrente, e isso é um crime. A população carioca, que se preocupa em preservar a natureza, se reúne porque foi traída por políticos que venceram as eleições comprando outros partidos e com parceria com empreiteiros enganando o povo. Tivemos neste ano o Rio+20, evento de conscientização internacional ambiental, mostrando que temos preocupação com o planeta e a preservação dos recursos naturais, que são destruídos por conta da ganância. Infelizmente, conseguiram construir mais a frente um empreendimento de sapê, que não conseguimos impedir, mas este terreno também é uma APA, que abriga espécies da fauna e da flora, raras e ameaçadas”, conclui.
Jovens reivindicam em defesa do ambiente
Jovens reivindicam em defesa do ambiente
Júlia Conde, 13 anos e Betina Moraes, de 14, moram no Jardim Oceânico. Elas percorreram o aglomerado de pessoas na manifestação recolhendo assinaturas para serem entregues à Prefeitura do Rio. “É lamentável destruir a natureza preservada aqui para construir um resort. Nós frequentamos muito pouco aqui, mas fizemos questão de ajudar. Estamos fazendo de tudo na tentativa de impedir esta construção para que a área continue protegida”, disseram.
Um profissional responsável pela limpeza do terreno, que prefere omitir seu nome, falou da desorientação dos animais na devastação da área: “Quando começaram a cortar as árvores os bichos não tiveram para onde correr”, revela. Já João Ricci, que reside no Alfabarra, que fica perto dali, contou que uma capivara foi vista próxima ao restaurante Barril 8000.
A rede Hyatt alega que o projeto de construção do hotel “foi aprovado obedecendo rigorosamente a normas urbanísticas e ambientais previstas na legislação. E que há um Plano Básico Ambiental, com o objetivo de orientar, acompanhar e adequar a implementação e o atendimento aos compromissos assumidos pelo empreendedor e exigidos pelos órgãos ambientais municipal e estadual para a obtenção de suas licenças”.
Empreendimento
Antes verde, o terreno de 45 mil m² dará lugar a um empreendimento da rede norte-americana Hyatt, com 436 apartamentos, além de dois prédios residenciais. Na quinta-feira (15), fotos de árvores sendo derrubadas no terreno começaram a circular pelas redes sociais e provocaram a ira de muitos cariocas.
Um engenheiro do projeto, que não quis se identificar, disse ao Jornal do Brasil, na tarde de ontem (16), que o terreno foi dividido em três zonas: Zona de Ocupação Controlada(ZOC), Zona de Conservação da Vida Silvestre (ZCVS) e Zona de Proteção da Vida Silvestre (ZPVS). As edificações serão limitadas a ZOC, na ZCVS serão feitas pequenas intervenções além da recuperação da vegetação nativa, e na Zona de Proteção nada será feito. “Constatamos algumas amendoeiras e outras espécies que não são nativas daqui. Tudo isso será recuperado”, disse. A equipe responsável pelas avaliações de impacto ambiental é gerenciada pelo biólogo Mário Moscatelli.